Wednesday :: 23 / 04 / 2014

Mais Notícias | Erros inglês | Arte por dia | 700 cursos | Livros grátis | Cadastre-se | MAPA DO SITE

Noticia

"Dor possui dimensão histórica, psicológica e cultural"


Imprimir Imprimir Enviar a un amigo Enviar PDF PDF Traducir Traducir

"Dor é muito mais que um problema médico. Dor possui dimensão histórica, psicológica e cultural". A afirmação é do médico e escritor Moacyr Scliar que esteve em Passo Fundo, no último dia 29, para proferir a aula inaugural da Especialização em Psicologia Clínica Hospitalar da Universidade de Passo Fundo (UPF). Ao analisar a psicodinâmica do adoecer, Scliar mostrou que tanto a doença como o tratamento dependem de uma retomada da dimensão humanística da terapia, que tem como componente básico a relação entre duas pessoas.

Scliar iniciou a sua palestra realizando um resgate da história da humanidade e do surgimento da doença. De acordo com ele, as culturas primitivas acreditavam que a doença era causada por uma energia negativa e que a mesma deveria ser tratada pelo curandeiro. "Os pré-históricos tinham uma concepção mágica da doença. Para eles, a cura estava nas mãos do feiticeiro, que tinha o poder de espantar os espíritos", explicou o médico, ao observar que, por trás do que parecia ser crendice ,existia uma sabedoria a ser descoberta.

No quinto século antes de Cristo, Hipócrates descobre que a doença é uma conseqüência natural e lança o conceito de humor. "Hipócrates dizia que no organismo havia quatro tipos de humor que determinavam o temperamento da pessoa e estavam relacionados ao sangue, à bílis, à linfa e à bilinegra", salientou Scliar. Com o passar do tempo, as concepções da doença avançam e, no século XVI, a doença mental traz consigo uma nova concepção social. "Aqui, a sociedade moderna tem manifestações maníacas, como histeria e a adoração por tulipas", frisou.

Transcorridas as fases mágica-religiosa e empírica da doença, chega-se à fase científica onde constata-se que a doença resulta, basicamente, de quatro elementos: genética, meio ambiente, carência assistencial e estilo de vida. "A doença manifesta-se de forma objetiva e é valorizada. Já a enfermidade é subjetiva e não valorizada", comparou o médico, alertando que, para cada tipo de dor, há um significado. "E este é o desafio de vocês, profissionais, descobrir e tratar esta dor", finalizou.

Fonte: UPF





Tags: dor, pesquisa

Universidad: Universidade de Passo Fundo

Perfil: PDI



RSS   


Comentarios para esta noticia

 

Publicidad

Publicidad