Aviso de cookies

Por meio de cookies próprios e de terceiros, coletamos informações para fornecer melhores serviços a todos os usuários. Compilamos informações estatísticas sobre a sua navegação para mostrar uma publicidade que tenha relevância com seus hábitos de navegação. Sempre que quiser, poderá desativar os cookies do seu browser. Se continuar navegando, consideramos que aceita os termos da política de utilização de cookies.

text.compare.title

text.compare.empty.header

Atualidade universitária

 
"Dor é muito mais que um problema médico. Dor possui dimensão histórica, psicológica e cultural". A afirmação é do médico e escritor Moacyr Scliar que esteve em Passo Fundo, no último dia 29, para proferir a aula inaugural da Especialização em Psicologia Clínica Hospitalar da Universidade de Passo Fundo (UPF). Ao analisar a psicodinâmica do adoecer, Scliar mostrou que tanto a doença como o tratamento dependem de uma retomada da dimensão humanística da terapia, que tem como componente básico a relação entre duas pessoas.

Scliar iniciou a sua palestra realizando um resgate da história da humanidade e do surgimento da doença. De acordo com ele, as culturas primitivas acreditavam que a doença era causada por uma energia negativa e que a mesma deveria ser tratada pelo curandeiro. "Os pré-históricos tinham uma concepção mágica da doença. Para eles, a cura estava nas mãos do feiticeiro, que tinha o poder de espantar os espíritos", explicou o médico, ao observar que, por trás do que parecia ser crendice ,existia uma sabedoria a ser descoberta.

No quinto século antes de Cristo, Hipócrates descobre que a doença é uma conseqüência natural e lança o conceito de humor. "Hipócrates dizia que no organismo havia quatro tipos de humor que determinavam o temperamento da pessoa e estavam relacionados ao sangue, à bílis, à linfa e à bilinegra", salientou Scliar. Com o passar do tempo, as concepções da doença avançam e, no século XVI, a doença mental traz consigo uma nova concepção social. "Aqui, a sociedade moderna tem manifestações maníacas, como histeria e a adoração por tulipas", frisou.

Transcorridas as fases mágica-religiosa e empírica da doença, chega-se à fase científica onde constata-se que a doença resulta, basicamente, de quatro elementos: genética, meio ambiente, carência assistencial e estilo de vida. "A doença manifesta-se de forma objetiva e é valorizada. Já a enfermidade é subjetiva e não valorizada", comparou o médico, alertando que, para cada tipo de dor, há um significado. "E este é o desafio de vocês, profissionais, descobrir e tratar esta dor", finalizou.

Fonte: UPF
  • Fonte:


Tags:
Comentar

Comentários

    Ver mais 20 resultados

    Comente

    Ver mais