Aviso de cookies

Por meio de cookies próprios e de terceiros, coletamos informações para fornecer melhores serviços a todos os usuários. Compilamos informações estatísticas sobre a sua navegação para mostrar uma publicidade que tenha relevância com seus hábitos de navegação. Sempre que quiser, poderá desativar os cookies do seu browser. Se continuar navegando, consideramos que aceita os termos da política de utilização de cookies.

text.compare.title

text.compare.empty.header

Atualidade universitária

 

Cada vez mais o Brasil tem sofrido ataques freqüentes dos piratas biológicos que roubam a biodiversidade do país. Nesse contexto, o contrabando, apropriação e monopolização da fauna e da flora não têm sido nenhuma novidade dentro de regiões brasileiras, principalmente na região da Floresta Amazônica.

Conheça alguns casos de matérias primas alvo da biopirataria.

Cupuaçu O cupuaçu (Theobroma Grandiflorum) é uma árvore de porte pequeno a médio que pertence à mesma família do Cacau e pode alcançar até 20 metros de altura. Esse fruto tornou-se conhecido por sua polpa cremosa de sabor exótico, usada para fazer sucos, sorvete, geléia e tortas.

Uso tradicional: Povos indígenas e comunidades locais ao longo do rio Amazonas cultivaram o cupuaçu como uma fonte de alimento. Algumas tribos utilizam as sementes para dores abdominais.

Disputa nos mercados internacionais: Cupulate - Existem várias patentes sobre a extração do óleo da semente do cupuaçu e a produção do chocolate desse fruto. Quase todas as patentes foram registradas pela empresa ASAHI Foods Co, Ltd. de Kyoto, no Japão. O suposto inventor, Nagasawa Makoto é ao mesmo tempo diretor da Asahi Foods e titular da empresa americana "Cupuacu International Inc.", que possui outra patente mundial sobre a semente do cupuaçu.

De acordo com o diretor do Programa Nacional de Proteção à Biodiversidade, Paulo Kageyama, o caso do Cupuaçú foi um dos processos de "biopirataria enquadrada", por uma questão de diferença de legislação. "Infelizmente a legislação de cada país é diferente. Nossa lei não permite a patente de organismos (espécies). No caso do cupuaçu, tanto o nome da fruta como o processo de industrialização do Cupulate não são previstos pela legislação brasileira mas podem ser feitos pela japonesa", explica. Entretanto, no caso do nome (cupuaçu), Kageyama afirma que o processo parece estar sofrendo uma reversão. "Em relação ao termo, o processo está sendo negociado. Porém, sobre o Cupulate, infelizmente, lá foi possível patentear", declara.

Açaí: (Euterpe precatoria) - A procura pela polpa dos frutos para fabricação de sucos e sorvetes vem sendo alavancada devido ao sabor e altíssimo potencial energético. Estas características já conhecidas pela população amazonense, também vêm ganhando espaço nos grandes centros nacionais, causando um aumento significativo na procura pelo produto.

Uso tradicional: As utilidades vão desde preparo de cremes, sucos, sorvetes, picolés e licores. O caroço pode ser usado para produzir artesanato e adubo orgânico de excelente qualidade. As raízes combatem a hemorragia e verminoses.

Disputas nos mercados internacionais: Já existem várias marcas para a comercialização do produto no exterior. Geralmente, elas são conjuntos de palavras que contêm o nome da planta, como por exemplo "Amazon Açaí" ou "Açaí Power". Desde março de 2001, o próprio nome da planta "Açaí" se tornou marca registrada na União Européia. Nos Estados Unidos, o termo "Acaí" (neste sistema, a letra "ç" não é valida) foi registrado em março 2001 e abandonado em março 2002. A marca está disponível.

Espinheira santa: A espinheira-santa cujo nome científico é (Maytenus ilicifolia Reiss). Também é conhecida por diversos sinônimos, tais como: espinheira-divina, maiteno, salva-vidas, sombra-de-touro, erva-cancerosa, congorça e espinho-de-deus. Pode ser encontrada desde Minas Gerais até o Rio Grande do Sul. Tornou-se conhecida no mundo médico em 1922 quando o professor Aluízio França, da Faculdade de Medicina do Paraná relatou o sucesso obtido com ela no tratamento da úlcera.

Uso tradicional: A planta é famosa na medicina popular por suas propriedades curativas, e não só no combate aos males do aparelho digestivo. Para se ter uma idéia, a espinheira-santa era utilizada como remédio antitumor entre os índios brasileiros; no Paraguai, a população rural a empregava como contraceptivo; e na Argentina, como antiasmático e anti-séptico.

Disputas no mercado internacional: Isolado por pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) nos anos 80, o produto foi depois patenteado por uma indústria japonesa, em 1997, com base nos resultados publicados.

Fonte: ONG Amazonlink.org

  • Fonte:


Tags:
Comentar

Comentários

    Ver mais 20 resultados

    Comente

    Ver mais