Aviso de cookies

Por meio de cookies próprios e de terceiros, coletamos informações para fornecer melhores serviços a todos os usuários. Compilamos informações estatísticas sobre a sua navegação para mostrar uma publicidade que tenha relevância com seus hábitos de navegação. Sempre que quiser, poderá desativar os cookies do seu browser. Se continuar navegando, consideramos que aceita os termos da política de utilização de cookies.

text.compare.title

text.compare.empty.header

Atualidade universitária

 

Contato do autor:heloisacm@uol.com.br

Orientador: José Flávio Sombra Saraiva

Resumo:

Este estudo tem por objetivo fornecer uma visão do impacto da Segunda Guerra Mundial sobre a política de comércio exterior brasileira. Com este propósito, percorreu-se os caminhos traçados pela política econômica externa nas décadas de 1930-1940, enfatizando as metas do primeiro Governo Vargas e os meios utilizados para alcançá-las.ÿ

A política de comércio exterior nos anos pós-crise de 1929 orientou-se por um crescente realismo, sendo concebida como um instrumento de reforço à economia e ao mercado interno. Entre 1935-1940, o comércio exterior foi marcado por extensa flexibilidade. Nessa época, os acontecimentos mais importantes desenvolveram-se em torno do comércio de compensação com Alemanha e da assinatura de um acordo liberal com os Estados Unidos. Com a eclosão da Segunda Guerra Mundial, constatou-se uma dramática perda de mercados na Europa Ocidental, a assinatura de acordos comerciais com Washington e o aumento da demanda por produtos brasileiros em mercados tradicionalmente supridos pelo Reino Unido e pelos Estados Unidos. Com a exaustão européia no imediato pós-guerra, verificou-se o abandono temporário da proposta norte-americana de internacionalização da economia, a situação periférica dos países latino-americanos, bem como os reflexos desta situação para o comércio exterior brasileiro.

  • Fonte:


Tags:
Comentar

Comentários

    Ver mais 20 resultados

    Comente

    Ver mais