Monday :: 15 / 09 / 2014

MaisNotícias | Arte por dia | Enem 2014 | Livros grátis | Cadastre-se | MAPA DO SITE

Noticia

O falar do Nordeste

Português falado na região sofreu influência dos primeiros movimentos colonizadores vindos da Metrópole


ImprimirImprimirEnviar a un amigo EnviarPDFPDF

Foi no Nordeste do país que primeiramente a língua portuguesa se fixou em nosso território. O início da colonização portuguesa se deu justamente entre os estados de Pernambuco e Bahia, enquanto outras partes do país só viriam a receber a influência lusitana bem mais adiante.

"Quando nós fomos colonizados pelos portugueses, as duas primeiras vertentes da língua, pode-se dizer, foram Pernambuco e Bahia, porque ficavam mais perto do Velho Continente. Havia um porto em Recife, outro em Salvador. Mas eram divididos por uma barreira natural, que era o Rio São Francisco. Salvador se tornou a capital do Brasil. O Rio de Janeiro teve o problema da invasão francesa logo no começo e São Paulo foi colonizado pelos jesuítas, que não levaram a língua portuguesa - eles antes levaram o latim e procuraram aprender o tupi-guarani", explica Nelly Carvalho, professora do Departamente de Letras da UFPE (Universidade Federal de Pernambuco).

Para a professora, a modalidade de português falada nessa região foi se arcaizando durante a evolução do país. "Em Portugal o português avançou. O que veio para o Brasil foi o português dos colonos, dos degredados, das prostitutas, que eram chamadas raparigas, jesuítas que foram para o Sul e que na maioria eram espanhóis", lembra.

Dialeto do Nordeste

Conheça termos característicos do Nordeste do País:

mangar = zombar de alguém

aperreado = angustiado, estressado

ó xente = interjeição que demonstra espanto, descontentamento, curiosidade

pitoco = botão

bigu = carona

bizu = dica de vestibular

vôte = vou te esconjurar, vou te amaldiçoar

ixi Maria = interjeição de espanto, contraindo o termo Virgem Maria

jerimum = abóbora

macaxeira = mandioca, aipim

canjica = cural de milho

laranja-cravo = mexerica

Sobre as diferenças características entre a forma de falar dos baianos e dos pernambucanos, por exemplo, Nelly Carvalho destaca a existência de uma barreira natural entre os estados, que era o Rio São Francisco, impedindo que, antes da construção de pontes por sobre o rio, houvesse uma troca cultural mais intensa.

"Pernambuco mandava do lado esquerdo do São Francisco e a Bahia, do direito. Pernambuco, então, levou a língua para todo o Nordeste até o rio Parnaíba, que era outra barreira natural. Com o tempo tivemos outras mudanças (que influenciaram o falar local): vieram os holandeses; nós éramos um porto até meados do século XX bastante movimento; e o São Francisco continuou uma barreira natural até construírem pontes", diz.

"Quer dizer, a gente (de Pernambuco) teve uma história diferencia da Bahia e do resto do Brasil. Durante os dois primeiros séculos de colonização, a Bahia e Pernambuco foram os dois maiores centros. Tanto que o movimento literário Barroco foi na Bahia e Pernambuco. Depois de certo tempo é que surgiu no século XVIII, quando começou a exploração das minas de ouro, e deslocou-se o centro do interesse para Minas Gerais, quando surgiu o Arcadismo. Depois disso, se (o interesse) desloca para o Rio de Janeiro, porque em 1808 a família real vem para o Brasil trazendo 15 mil cortesãos que se instalaram ali. O Rio de Janeiro passou a ser o modelo da língua para todo o Brasil - e ainda hoje ostenta esse título que foi reconhecido em dois congressos de língua falada. E São Paulo vem depois, com 1922 (a Semana de Arte Moderna). Nós deixamos de ser o foco da língua portuguesa", afirma a acadêmica.

Para comparar os diferentes modos de falar do brasileiro nas mais diversas localidades, Nelly Carvalho cita como referência a palavra recife: "Por exemplo, eu (pernambucana) digo "ricife", e o baiano abre bem e diz "récife". Então, temos aqui "ricife"; na Bahia, "récife"; no Rio de Janeiro, "recife"; e se você for para o Rio Grande do Sul ou Paraná é "recifê".

·queles que desejam conhecer um pouco mais os termos característico usados pelo povo nordestino, Nelly Carvalho recomenda o Dicionário do Nordeste (Editora Estação Liberdade), de Fred Navarro.







RSS   


Comentarios para esta noticia

 

Publicidad

Publicidad