Notícias

Vitamina D e ômega-3 combatem Alzheimer, mostra estudo

      
Crédito: Shutterstock.com
Crédito: Shutterstock.com

 

De acordo com estudo realizado por uma equipe de pesquisadores da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, a vitamina D e o ácido docohexaenóico (DHA), do tipo ômega-3, melhoram a capacidade do sistema imunológico para limpar as placas amilóides que se depositam no cérebro de pacientes que sofrem de Alzheimer.

 

» Pipoca sabor manteiga causa Alzheimer, mostra pesquisa
» Serviços domésticos reduzem risco de Alzheimer em 80%, aponta estudo
» 5 dicas para pessoas com Alzheimer

 

No trabalho, publicado na revista Journal of Alzheimer Disease, os cientistas identificaram os genes e as redes de sinais reguladas por esses elementos que, por sua vez, controlam o processo de inflamação e a eliminação de ß-amilóide, o principal componente das placas senis que se acumulam nos pacientes diagnosticados com a doença.

 

Para isso, os cientistas isolaram os macrófagos de uma série de amostras de sangue recolhidas de um grupo de pessoas afetadas pelo Alzheimer. Os macrófagos são um tipo de célula do sistema imunológico que se ocupam de “limpar” os resíduos de produtos no cérebro e em outras partes do organismo.

 

Essas células foram encubadas com ß-amilóide, o composto formador de placas. No dia seguinte foram adicionadas formas ativas, tanto de vitamina D3 como de DHA para que seu efeito sobre a inflamação e a absorção de ß-amilóide fossem analisados.

 

O que os resultados mostraram foi que ambos os compostos melhoraram a capacidade dos macrófagos para “engolir” o ß-amilóide. Além disso, ficou provado que a combinação inibia a morte celular que é geralmente causada por esse elemento. Porém, cada molécula usava receptores e vias de sinalização diferentes para concluir essa tarefa.

 

 

Cientistas descobrem possível tratamento contra o Alzheimer

 

Ainda existem, no entanto, muitas outras informações necessárias para esclarecer essa ligação. Estudos anteriores identificaram dois grupos distintos de pacientes com a doença. Seus macrófagos expressavam genes diferentes e, assim, o efeito da vitamia D e do ômega-3 poderia ser diferente dependendo do grupo afetado.

 

Um dos responsáveis pela pesquisa, Milan Fiala, lembra que “é importante equilibrar cuidadosamente a suplementação com vitamina D3 e ômega-3. Mas este é um primeiro passo para entender como e em que os pacientes com Alzheimer podem viver melhor”.

 

 



Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.