Notícias

Revolucionário: a vida do maestro Heitor Villa-Lobos

      

Revolucionário. Esse é o termo mais apropriado para definir a vida do maestro Heitor Villa-Lobos. Considerado um expoente da música erudita no Brasil, Villa-Lobos foi um maestro e compositor brasileiro cujas peças são executadas até hoje no circuito dos mais importantes teatros europeus e americanos.

Nasceu em 5 de março de 1887, no Rio de Janeiro. Seus maiores incentivadores nos estudos foram seus pais Raul Villa-Lobos, diretor da Biblioteca do Senado e músico amador, e a dona de casa Noêmia Monteiro.

 

Autodidata, Villa-Lobos compôs a primeira peça aos 6 anos

Autodidata, Heitor Villa-Lobos compôs a primeira peça para violão, baseada em cantigas de moda, aos 6 anos de idade. Com 8 anos, despertou interesse por Bach. Gostava também de ritmos populares e aprendeu cedo a tocar violoncelo, clarinete e saxofone.

 

Os Cantos Sertanejos’

Em 1905, Villa-Lobos viajou para o Nordeste. Dois anos depois, escreveu “Os Cantos Sertanejos”, para uma pequena orquestra.

Matriculou-se no curso de Harmonia de Frederico Nascimento, no Instituto Nacional de Música, mas não se adaptou aos estudos. Então, sobrevivia tocando violoncelo, piano, violão e saxofone nos teatros e cinemas cariocas.

 

Sucesso em Paris

Em 1923, viajou a Paris e contou com auxílio de músicos locais para se apresentar pelo país. Suas apresentações fizeram sucesso. Em 1930, de volta ao Brasil, inseriu seu plano de Educação Musical à Secretaria de Educação do Estado de São Paulo.

 

Bachianas Brasileiras’

A década de 1930 foi o auge da criatividade musical de Heitor Villa-Lobos. Nesta época, ele compôs as “Bachianas Brasileiras”; suítes que expressam a afinidade entre Bach; e procedimentos melódicos e harmônicos: a chamada música popular instrumental brasileira.

No ano seguinte, o maestro organizou uma concentração orfeônica chamada "Exortação Cívica", com 12 mil vozes.

 

Ensino de canto nas escolas e Orquestra

Em 1932, o presidente Vargas tornou obrigatório o ensino de canto nas escolas e criou o Curso de Pedagogia de Música e Canto. Um ano depois, surgia a Orquestra Villa-Lobos.

 

Coletânea de discos

Em 1942, o Brasil recebeu a visita do maestro Leopold Stokowski e da “The American Youth Orchestra”. Para concertos no Rio, Stokowski pediu que Villa-Lobos selecionasse os melhores músicos e sambistas para a gravação da Coleção Brazilian Native Music.

Villa-Lobos reuniu Pixinguinha, Donga, João da Baiana, Cartola, entre outros. Sob a sua regência, fizeram diversas apresentações e gravaram a coletânea de discos, pela Columbia Records.

 

Academia Brasileira de Música

Entre 1944 e 1945, Heitor Villa-Lobos regeu as orquestras de Boston e Nova Iorque, nos Estados Unidos, onde recebeu várias homenagens. Em 1945, fundou a Academia Brasileira de Música.

O maestro brasileiro fez concertos em Roma, Lisboa, Paris, Israel, além de marcar presença cativa no cenário musical latino-americano.

Heitor Villa-Lobos faleceu no Rio de Janeiro, no dia 17 de novembro de 1959.



Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.