Notícias

Os 10 avanços em Medicina que valem a pena conhecer

      
A prevenção precoce e o avanço nos tratamentos, farão que diminuam as taxas de mortalidade em doenças como o câncer
A prevenção precoce e o avanço nos tratamentos, farão que diminuam as taxas de mortalidade em doenças como o câncer
  • Os avanços da Medicina provocaram grandes mudanças e favoreceu prolongar a vida de milhões de pessoas num ritmo acelerado nos últimos 10 anos.
  • A medicina personalizada se sustenta sobre tratamentos individualizados baseados nas particularidades genéticas de cada pessoa.
  • Neste contexto, já existe relevância na análise e na pesquisa do Miocrobioma, uma gigantesca coleção de vírus, bactérias e fungos que vivem no corpo.

Em um mundo cheio de tragédias as já clássicas retrospectivas de final de ano se tornam uma coletânea de misérias que nos recordam quão vulnerável pode ser a condição humana.

Mas, por sorte, existem áreas nas que o homem não se dedica a destruir-se a si mesmo, mas sim a se salvar, como é o caso dos avanços da medicina que, em muitos casos, prolongam a nossa vida.

1) Em 2016, a FDA aprovou o primeiro pâncreas artificial do mundo para os pacientes com diabete do tipo 1. É um dispositivo que mede o nível de açúcar e que injeta a dose necessária de insulina de uma maneira mais rápida. Já está em fase de lançamento esta mesma tecnologia para os que têm a diabete do tipo 2.

2) A apneia do sono é uma alteração comum que se manifesta com roncos e que provoca pressão arterial alta, enfermidade cardíaca e acidente cerebrovascular. A opção para tratar a apneia do sono são uns transplantes que permitem abrir os músculos que são necessários para a função das vias respiratórias na hora de dormir. Estes sistemas passaram por ensaios clínicos e agora se espera que seja a solução para mais pessoas.

3) A terapia génica desenvolveu uma pesquisa que conseguiu curar bebês que nasceram com uma doença neuromuscular hereditária mortal agregando um gene faltante aos seus neurônios espinhais. Se não fosse possível tratar desta maneira, os bebês teriam morrido aos dois anos de idade. Esta conquista poderia abrir as portas para a utilização da terapia gênica para tratar outras doenças neurodegenerativas.

4) Já está disponível um sistema de esfriamento do couro cabeludo aplicado durante as sessões de quimioterapia que evita a queda de cabelo como consequência do tratamento, com uma eficácia entre 40% e 90%, dependendo do tipo de remédios utilizados.

Este procedimento é eficaz também em sobrancelhas e cílios e é aplicado com um gorro de silicone por onde circula um líquido refrigerador que se conecta a uma máquina que mantém uma temperatura óptima.

Assim, o couro cabeludo alcança uma temperatura entre 19 e 21 graus ao nível da pele, provocando que os tóxicos da quimioterapia não cheguem ou o faça numa porcentagem muito baixa nas células do folículo piloso.

5) O colesterol LDL, conhecido como colesterol ruim, pode levar à obstrução das artérias. Com as novas combinações de medicamentos, é possível conseguir reduzi-lo até em 75%.

Um grande avanço no tratamento da doença cardiovascular aterosclerótica ocorreu com a introdução das estatinas, medicamentos que diminuem a produção do colesterol pelo fígado. As estatinas permitem uma redução de cerca de 50% nos níveis de LDL colesterol, situação na qual a doença cardiovascular se estabiliza ou progride mais lentamente.

6) O desenvolvimento de vacinas dura aproximadamente uns 10 anos e custa mais ou menos, 200 milhões de dólares. A ciência procura encurta os períodos de ensaios, além de analisar formas para que as vacinas que já existem tenham maior alcance.

E este é o caso da gripe. Um novo estudo indica que um adesivo epidérmico indolor pode funcionar como alternativa à vacina contra a doença. O adesivo é do tamanho de uma moeda pequena e tem 100micro agulhas que contêm a vacina. As agulhas possuem o comprimento suficiente para perfurar a pele. Quando já estão dentro da pele, se dissolvem em poucos minutos.

7) Um dos últimos projetos científicos de maior relevância foi o descobrimento de um medicamento que age sobre o DNA para combater o câncer. Keytruda, desenhado por MSD, age diretamente contra a doença no seu DNA, ao invés de atacar o órgão atingido. A FDA (Administraçao de comidas e Remédios) dos Estados Unidos deu sinal verdepara a utilização deste medicamento, que já fora aprovado para tratar o melanoma e outros tipos de tumores.

8) Vários centros médicos no mundo desenvolveram o conceito de recuperação acelerada depois da cirurgia. Já existem novos protocolos que permitem aos pacientes comer antes de serem operados. Além disso, existe um plano nutricional pós-operatório, o que garante uma recuperação mais rápida depois da cirurgia.

9) Os cientistas do Reino Unido e dos Estados Unidos conseguiram demonstrar que um embrião humano poderia sobreviver em laboratório durante duas semanas sem a necessidade de um útero materno. Estas investigações demonstram que os embriões humanos dirigem de maneira autónoma o seu próprio desenvolvimento desde os primeiros momentos de sua vida, inclusive quando não estão no ventre de duas mães. Esta linha de investigação será fortalecida ao longo dos meses, embora a ideia já provoque um intenso debate ético.

10) As terapias baseadas em modificar o DNA, com a correspondente edição do genoma, são técnicas que já estão presentes na Medicina. A pesquisa biomédica estuda o tratamento de doenças complicadas e difíceis de tratar, como por exemplo, a AIDS ou o câncer, inclusive para o tratamento da cegueira.



Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.