Aviso de cookies

Por meio de cookies próprios e de terceiros, coletamos informações para fornecer melhores serviços a todos os usuários. Compilamos informações estatísticas sobre a sua navegação para mostrar uma publicidade que tenha relevância com seus hábitos de navegação. Sempre que quiser, poderá desativar os cookies do seu browser. Se continuar navegando, consideramos que aceita os termos da política de utilização de cookies.

text.compare.title

text.compare.empty.header

Atualidade universitária

 
"O fato de a carga horária ser menor não significa que estou aprendendo menos. Acho que quatro anos é muito tempo e você acaba perdendo oportunidades de emprego por causa da faculdade" Daniele Rocha Neres, aluna do 2º período de educação ambiental no UNI-BH
Formação em dois anos e diploma de nível superior. ? essa a proposta dos cursos superiores seqüenciais, que, a exemplo dos colleges que invadiram as universidades dos Estados Unidos e da Europa, chegam às instituições brasileiras de ensino como uma alternativa aos cursos superiores de graduação. Atualmente, o Brasil já contabiliza mais de 600 deles, seguindo o modelo proposto pelo Ministério da Educação (MEC).

Apesar de o MEC ter implantado dois tipos de cursos seqüenciais ? o de complementação de estudos e o de formação específica ?, as instituições de ensino optaram pelo segundo, talvez pela emissão de diploma, sendo que o primeiro apenas fornece um certificado de conclusão. Em Belo Horizonte, por exemplo, algumas universidades iniciaram o processo de criação dos cursos em 2001 e têm implantado, em média, um a cada semestre.

Os cursos seqüenciais têm a duração de dois anos e uma carga horária obrigatória de 1,6 mil horas. Adquirem o reconhecimento do MEC após o primeiro ano de criação, caso atendam aos pré-requisitos propostos pelo órgão, entre os quais verificação de freqüência e de aproveitamento. Ao final do curso seqüencial, o aluno recebe o diploma e pode até fazer uma pós-graduação lato sensu, ou seja, uma especialização. Mas não pode fazer uma pós-graduação stricto sensu (mestrado ou doutorado), restrita a estudantes com graduação.

Alguns especialistas garantem que os cursos seqüenciais serão, futuramente, o modelo mais comum a ser implantado no Brasil. Entre os fatores, eles apontam a duração do curso ? que representa a metade de uma graduação ?, o preço mais acessível, já que são dois anos a menos do que uma faculdade tradicional e a especificidade do curso. Muitos estudantes reclamam de matérias desnecessárias na grade curricular e da falta de habilidade de determinados cursos de graduação em focar temas.

Fonte: Estado de Minas
  • Fonte:


Tags:
Comentar

Comentários

    Ver mais 20 resultados

    Comente

    Ver mais