Thursday :: 18 / 12 / 2014

AdemásNotícias | Arte por dia | Enem 2014 | Livros grátis | Cadastre-se | MAPA DEL SITIO

Noticia

Eu, Robô - O Filme

Baseado no universo construído pelo escritor Isaac Asimov, produção retrata mundo futuro em que homem e máquinas convivem lado a lado


ImprimirImprimirEnviar a un amigo Enviar



Por Carlos Brazil

Chicago, 2035. Em um cenário futurista surge o detetive Del Spooner (Will Smith) e logo percebemos que algo o incomoda no ambiente que o envolve: robôs dividem espaços com seres humanos nas ruas daquela cidade, se encarregando das chamadas tarefas mais pesadas do dia a dia social - são lixeiros, entregadores, trabalhadores domésticos.

Spooner é um policial atormentado por um trauma recente que amplifica sua desconfiança em relação aos robôs. Para ele, a qualquer momento uma dessas máquinas irá comprovar sua tese de que não se pode confiar em robôs. Para todas as outras pessoas, essa é uma tese paranóica, já que todos os humanóides (robôs com forma similar à humana) sãm das linhas de produção da poderosa companhia U.S. Robots programados com as três leis da robótica:

  • Primeira Lei: Um robô não pode ferir um ser humano ou, por omissão, permitir que um ser humano seja ferido;
  • Segunda Lei: Um robô deve obedecer às ordens dadas por seres humanos, exceto se tais ordens entrarem em conflito com a Primeira Lei;
  • Terceira Lei: Um robô deve proteger sua própria existência, desde que tal proteção não entre em conflito com a Primeira e/ou a Segunda Leis.

Este é o código criado pelo cientista Alfred Lanning (James Cromwell) que, segundo a garantia da U.S. Robots e a crença geral da população, determina total proteção contra a famosa "síndrome de Frankenstein", pela qual a criatura tende a voltar-se contra seu criador.

? nesse ambiente que se passa Eu, Robô, superprodução dos estúdios da Fox norte-americana inspirada em um livro de contos homônimo do escritor russo-americano Isaac Asimov (1920-1992, criador original das chamadas leis da robótica) que chega às telas brasileiras nesta quinta-feira, 5 de agosto. O filme explora as possíveis contradições que podem subverter a razão das leis da robótica e que permitam que os robôs venham a se transformar em uma ameaça à humanidade.

Eu, Robô - dirigido por Alex Proyas (de Cidade das Sombras e O Corvo) - trabalha seu roteiro passando da discussão filosófica sobre a possibilidade de o ser humano criar uma máquina que possa desenvolver inteligência suficiente para tornar-se completamente autônoma para a ação policial tão cara à produções cinematográficas de Hollywood.

A trama (desde sua origem, nos contos de Asimov, e também no próprio roteiro do filme, de Jeff Vintar e Akiva Goldsman) traz elementos que são referências de histórias que alimentam o universo da cultura ocidental como: Frankenstein (a criatura que se volta contra o criador) e Pinóquio (a criatura que quer ser gente) na literatura; Blade Runner (a luta pela sobrevivência dos andróides e a procura por seu criador), 2001 - Uma Odisséia no Espaço (a máquina que assume o controle em lugar do homem) e Inteligência Artificial (a humanização de um andróide), no cinema; e outras até mais prosaicas, como a série de TV Ciborg (que retrata o implante de próteses biônicas em um ser humano) e o desenho animado Os Jetsons (quem não se recorda da arrumadeira da família, com seu corpo de metal vestindo avental e touca de doméstica?).

Evidente que como toda boa superprodução dos Estados Unidos, um herói (Spooner) - que em um primeiro momento é considerado um outsider - vai se defrontar com dramas provocados pelo inesperado (não para ele), onde o desenvolvimento da inteligência artificial foge ao controle do criador, a ponto de essa "consciência eletrônica" poder reinterpretar da forma que lhe parece mais adequada as regras estabelecidas nas leis da robótica.

Os efeitos especiais são um capítulo à parte. Mas como a excelência nesta área vem estabelecendo novos parâmetros a cada produção desde o primeiro episódio da série Matrix, esses efeitos acabam sendo diluídos na trama de forma a serem praticamente acessórios. ? claro que sem o uso desses efeitos, a trama pareceria muito menos verossímil. Vale lembrar ainda que o robô que se torna centro da trama, Sonny, é representado pelo ator Alan Tudyk, sobre cuja atuação é montada uma "maquiagem eletrônica" para que o exemplar se encaixe no desenho padrão dos modelos NS-5 (Assistente Doméstico Automático) produzidos pela U.S. Robots.

Durante a trama, é interessante observar a evolução de Sonny, um robô "único", desenhado e criado pelo doutor Alfred Lanning - principal pesquisador e um dos fundadores da U.S. Robots - para ser especial. Ele demonstra emoções, sentimentos e tem a capacidade especial de sonhar (capacidade que vai até se transformar em um dom premonitório, como se verá ao final do filme).

O roteiro é também feliz ao envolver a interpretação de símbolos retirados da literatura - a partir do livro João e Maria, clássico dos Irmãos Grimm - para enredar sua trama. O problema é quando as questões filosóficas e literárias dão espaço à pancadaria característica de filmes estrelados por Will Smith. Mas para quem gosta de ação desse tipo, é um prato cheio.

Vale nota também a feliz trilha sonora baseada na música de Marco Beltrami.

Ah?! E será que teremos um Eu, Robô 2?

FICHA T?CNICA
Direção: Alex Proyas
Roteiro: Jeff Vintar e Akiva Goldsman
Argumento: Jeff Vintar
Sugerido pelo livro de Isaac Asimov, Eu, Robô
Produzido por: Laurence Mark, John Davis, Topher Dow e Wyck Godfrey
Produtores Executivos: Will Smith e James Lassiter
Desenho de Produção: Patrick Tatopoulos
Montagem: Richard Learoyd, Armen Minasian e William Hoy, A.C.E.
Co-Produtor: Steven R. McGlothen
Música: Marco Beltrami
Supervisor de Efeitos Visuais: John Nelson
Figurinos Elizabeth Keogh Palmer

ELENCO:
Detetive Del Spooner: Will Smith
Dra. Susan Calvin: Bridget Moynahan
Sonny: Alan Tudyk
Dr. Alfred Lanning: James Cromwell
Lawrence Robertson: Bruce Greenwood
Tenente John Bergin: Chi McBride







RSS   


Comentarios para esta noticia

 

Suscríbete a nuestro boletín de noticias


Publicidad

Publicidad