Monday :: 22 / 12 / 2014

AdemásNotícias | Arte por dia | Enem 2014 | Livros grátis | Cadastre-se | MAPA DEL SITIO

Noticia

Conspirações: A verdade por trás dos fatos

Especialistas falam sobre surgimento e propagação de conspirações. Livro reúne diversas histórias em tom bem-humorado


ImprimirImprimirEnviar a un amigo Enviar

Por Renato Marques

Você já parou para pensar que tudo pode ser diferente do que se vê? Já imaginou que a sua vida pode ser um mero joguete na mão de um governo mundial que controla militar e economicamente todas as nações do planeta? Bem, vamos com calma. Essa é apenas mais uma entre as milhares de teorias conspiratórias que surgem e circulam o planeta diariamente. Um ciclo que com o crescimento da internet ganhou velocidade impressionante. Muitas delas, inclusive, são tidas como verdades absolutas pela verossimilhança com que são construídas.

? difícil dizer como nasce a ameaça de uma conspiração. Muitas delas surgem sob o signo de experimentos científicos - como o caso das estruturas lunares - e outras, simplesmente, como grandes fantasias - já ouviu falar dos Reptilianos? São grandes lagartos alienígenas responsáveis por todos os males da terra. Acredita? O primeiro fato que surge, no entanto, é que a propagação dessas histórias está diretamente ligada ao contexto social de determinadas comunidades. Assim, em um cenário belicista como o atual, é natural que se questione a origem de alguns atentados terroristas.

"O mais importante elemento para o surgimento de lendas de sucesso, aquelas que se tornam mitos duradouros, é também o mais complexo: um contexto sócio-cultural propício, no qual a lenda cai como uma luva e paira com um ar de plausibilidade, sendo vista com complacência", explica o editor da área Ceticismo Aberto da revista da STR (www.str.com.br/CA) e representante no Brasil da Pensar, revista latino-americana do CSICOP, Kentaro Mori. "? comum que nesses contextos as lendas surjam a partir da distorção multicolorida de fatos, como o próprio ïexperimento Filadélfia`."

Independente dos debates sobre o surgimento destas teorias, é inegável a atração que elas exercem nas pessoas. São poucas as pessoas que passam incólumes à notícia sobre a "verdade verdadeira" de alguma história (diga a verdade, você acredita mesmo que o homem foi à lua?). "O que mais atrai as pessoas é a dúvida de que as coisas não são exatamente o que parecem. No fundo, temos certeza de que a verdade não é o que se apresenta", diz o jornalista Edson Aran. "Quando alguém encontra algo que explique uma notícia de outra forma, naturalmente se sente atraído."

Conspirações reunidas

A definição de Aran parte de suas próprias manias. Apaixonado por conspirações, o jornalista decidiu reunir as mais conhecidas no livro "Conspirações - Tudo o Que Não Querem Que Você Saiba". A intenção era criar um guia que servisse como fonte de pesquisas sobre o tema - e também, porque não, tratar com um pouco de humor o assunto. "Achei que seria bacana um livro que juntasse as conspirações de uma forma labiríntica, porque as teorias conspiratórias tem mesmo formato de labirinto. As coisas não podem ser exatamente como elas são descritas na mídia. ? muito claro que existem cortinas de fumaça", afirma.

Para compor a obra, Aran saiu a campo. Pesquisou em livros, sites e chegou até mesmo a investigar as teorias criadas no Brasil. No caso do ET de Varginha, por exemplo, ficou sabendo através da Polícia Militar local que a suspeita recaía sobre um sujeito da região, conhecido como "Homem do Grilo". "Fiquei dois dias dando incerta na casa desse cara para ver se conseguia vê-lo. E não consegui", diz, aos risos, para completar. "Cheguei a perguntar para irmã onde ele andava, aí ela percebeu e ficou revoltada com a história e me botou para correr. Ela sacou que o irmão dela ia ser comparado com um ET."

Sua favorita é uma que ganhou popularidade recentemente no livro "O Código Da Vinci". Segundo ele, essa cumpre os requisitos para ser uma boa teoria da conspiração. "Gosto muito da teoria da descendência de Jesus Cristo. O que acho fascinante é que existem elementos históricos que são comprováveis. Tem dados ali que atestam essa teoria. Agora, se ela é verdadeira ou não, eu não sei", diz. "O barato da teoria conspiratória é esse: ela tem que ter dados checáveis, não pode ficar só no delírio. Se ficar só no delírio, afunda muito fácil."







RSS   


Comentarios para esta noticia

 

Suscríbete a nuestro boletín de noticias


Publicidad

Publicidad