Aviso de cookies

Por meio de cookies próprios e de terceiros, coletamos informações para fornecer melhores serviços a todos os usuários. Compilamos informações estatísticas sobre a sua navegação para mostrar uma publicidade que tenha relevância com seus hábitos de navegação. Sempre que quiser, poderá desativar os cookies do seu browser. Se continuar navegando, consideramos que aceita os termos da política de utilização de cookies.

text.compare.title

text.compare.empty.header

Atualidade universitária

 

A determinação desenvolvimentista do governo Juscelino Kubitschek (1956-1960) produziu fatos eloqüentes no terreno da urbanização e do urbanismo. A passagem do poder político e da iniciativa econômica para as mãos da burguesia industrial reforçou a cultura urbana. Enquanto a taxa de crescimento da população brasileira foi, na década de 1950, de 3,16%, o crescimento urbano brasileiro atingiu a cifra de 7,38%. Esta hegemonia da cidade sobre o campo refletiu-se no conjunto da rede urbana brasileira. A distribuição espacial e funcional deste crescimento produziu um quadro urbano no qual São Paulo emergiu como a metrópole nacional. O "Plano de Metas", concebido por Kubitschek e sua equipe para ser cumprido em quatro anos, continha uma "meta síntese" de grande impacto: a construção de Brasília, a nova capital.

Um grande concurso nacional que contou com todos os nomes relevantes da arquitetura e do urbanismo brasileiro premiou a proposta do arquiteto e urbanista Lucio Costa. Esquematicamente, o projeto foi concebido sob os princípios urbanísticos elaborados pelos Congressos Internacionais de Arquitetura Moderna (Ciams), especialmente aqueles formalizados durante o Congresso de 1933 e documentado na Carta de Atenas, publicada em 1942, que prevê um estrito zoneamento funcional, baseado nas funções morar, trabalhar, recrear e circular.

O projeto, segundo Lucio Costa, "nasceu do gesto primário de quem assinala um lugar ou dele toma posse: dois eixos cruzando-se em ângulo reto, ou seja, o próprio sinal da cruz". Procurou-se em seguida uma adaptação à topografia local, ao escoamento das águas, à melhor orientação. Houve uma clara preocupação de aplicar ao urbanismo os princípios considerados mais avançados da técnica rodoviária. Foram eliminados os cruzamentos através de retornos em desnível. 

Conferiu-se ao eixo norte-sul a função circulatória-tronco, com pistas centrais de alta velocidade. Pistas laterais foram previstas para a distribuição do tráfego local, que conduz diretamente ao setor residencial. O eixo transversal leste-oeste, denominado "monumental", recebeu o centro cívico e administrativo, o setor cultural, o centro comercial e de diversões, o setor administrativo municipal. Destacam-se no conjunto os edifícios autônomos destinados aos poderes fundamentais - legislativo, executivo e judiciário - que formam a triangular Praça dos Três Poderes. A partir do edifício do Congresso Nacional, que ocupa o setor oeste da praça, rumo à interseção dos eixos, desenvolve-se a monumental Esplanada dos Ministérios. 

A solução encontrada para o setor residencial foi a criação das superquadras. São quadrados com 250 metros de comprimento, dispostas em ambos os lados da faixa rodoviária e emolduradas por uma larga cinta vegetal. No interior destas superquadras os blocos de residências podem dispor-se de maneira variada, obedecendo a dois princípios: gabarito máximo uniforme (6 pavimentos) e "pilotis" e estrita separação do tráfego de veículos do trânsito de pedestres.

Do ponto de vista das relações espaciais, o zoneamento estrito de Brasília corresponde a três escalas: a gregária, a residencial e a monumental. A primeira corresponde aos setores de diversões e comércio; a segunda, ao setor residencial; e a terceira, ao conjunto constituído pela Praça dos Três Poderes e pela Esplanada dos Ministérios.

O arquiteto Oscar Niemeyer é responsável pelos projetos de todos os edifícios públicos da capital. Existe uma perfeita e intensa relação entre o Plano Piloto concebido por Lucio Costa e os projetos de arquitetura de Oscar Niemeyer. Ambos criaram uma cidade integralmente projetada, considerada como um "objeto" global e único.

* Regina Maria Prosperi Meyer é arquiteta, com especialização em "Urban Design and Urban Planning" (Architecture School of Architecture, Londres), mestrado em Arquitetura e Urbanismo (Bartlett School of Archicteture, University College, London University) e doutorado realizado na FAU-USP (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo). Atualmente é professora do Departamento de História da FAU-USP.

** Artigo originalmente publicado no site do Ministério de Relações Exteriores.

  • Fonte:


Tags:
Comentar

Comentários

    Ver mais 20 resultados

    Comente

    Ver mais