Friday :: 28 / 11 / 2014

MaisNotícias | Arte por dia | Enem 2014 | Livros grátis | Cadastre-se | MAPA DO SITE

Noticia

Coordenador com visão de gerente

Cada vez mais, diretores de curso vão além da gestão acadêmica


ImprimirImprimirEnviar a un amigo Enviar

Por Renato Marques

Em um cenário cada vez mais competitivo no Ensino Superior, seria natural que todos os elementos da gestão de uma universidade fossem 'convocados' a colaborar na construção de resultados positivos. Nesse sentido, tem crescido a cobrança sob os coordenadores de curso, tradicionalmente ligados apenas à gestão acadêmica. Seguindo a linha da profissionalização, o contato direto do coordenador com os professores, alunos e a diretoria tem se mostrado um elemento precioso na evolução da administração. Para isso, no entanto, o perfil da função passa por uma mudança profunda.

Cartilha


Nos links abaixo, disponibilizamos o manual "Funções do coordenador de curso: Como "construir" o coordenador ideal". Escrito pelo reitor da Unama (Universidade da Amazônia), ?dson Raymundo Pinheiro Franco, o guia trata deste novo perfil do coordenador e disponibiliza ferramentas úteis, como modelos de avalização dos docentes pelos alunos.

Cedido por Franco, o material é gratuito e pode ser utilizado a partir dos links abaixo, se tornando uma ferramenta útil, tanto para os gestores, que precisam profissionalizar sua gestão, como por docentes que querem seguir esta carreira. Confira:

  • Funções do Coordenador de Curso: Como "Construir" o Coordenador Ideal.

    Anexos

    I - Questionário de Auto-Avaliação do Coordenador do Curso
    II - Itens Básicos de Avaliação Docente pelos Discentes
    III - Questionário de Avaliação do Grau de Satisfação do Alunado
    IV - Parecer CES-CNE n.º 63/02
    V - Resolução CES-CNE n.º 10/02

  • "Cada curso é uma unidade estratégica que tem que dar resultados. Efetivamente, isso exige do coordenador um papel de liderança para fazer com que, nessa unidade - que vai reunir alunos e docentes -, se possa aglomerar todos para alcançar os resultados de qualidade que se espera", afirma Sérgio Lazzarini, coordenador da graduação em Administração do Ibmec São Paulo. "? muito importante que o diretor do curso exerça essa liderança para integrar todo esse pessoal, explorar as inter-relações com as demais unidades e aprimorar o seu curso."

    O processo de profissionalização dos coordenadores, no entanto, é algo ainda incipiente no setor. Enxergar a IES (Instituição de Ensino Superior) como uma empresa, no entanto, ainda é algo que encontra resistências no setor. Assim, cobrar do coordenador que ele tenha a postura de um gestor de uma unidade estratégica de negócios não é um processo simples. Mesmo porque exige conhecimentos que muitos deles não possuem, como noções de marketing, gestão financeira e planejamento estratégico.

    "Nas particulares, essa visão se configura com uma força crescente, uma vez que o coordenador não tem que cuidar mais só da parte pedagógica. Porque a concorrência entre as instituições privadas determina que ele tenha um olhar mais amplo", explica a diretora acadêmico-pedagógica da Unisa (Universidade de Santo Amaro), Denise Sawaia Tofik. "No entanto, é algo muito novo ainda. Além disso, a resistência ainda é grande porque é preciso abrir um amplo debate sobre essa questão para que as instituições amadureçam mais e que possamos disseminar um pouco mais essa discussão."

    Parte desta resistência está nas próprias instituições.Cobrar de um coordenador de curso uma postura voltada para a gestão é parte de um processo de profissionalização da administração da IES. Ou seja, deve ser algo que siga a cultura da universidade. Sem que toda a organização esteja direcionada neste sentido, a cobrança é inócua. Inclusive porque as definições das funções dos coordenadores devem constar do regimento da instituição.

    "Nas instituições que buscam uma gestão mais competitiva, percebemos que a própria direção-geral está procurando ferramentas de gestão para, depois, poder ter uma participação maior do coordenador", relata a diretora da Humus Consultoria Educacional, Sonia Simões Colombo. ? preciso que a organização que vem do alto seja reflexo do que se espera da atuação do 'novo gestor'. "Um espelho para todos os demais na busca de resultados mais concretos e efetivos - tanto de qualidade, como financeiro e de imagem", acrescenta Sonia.

    Novas funções

    Dentre as principais experiências com este novo perfil, os resultados mais positivos têm se dado nos campos em que o coordenador atua como uma ponte entre a operacionalização do serviço e a direção. ? como o gerente de uma linha de produção, que conhece cada detalhe do 'chão de fábrica' e pode ser mais do que um relator de problemas - pode, e deve, propor soluções para eles. E, nestas novas exigências, não apenas questões acadêmicas. Em contato diário com docentes e alunos, ele pode encontrar indícios sobre evasão, inadimplência, conflitos em sala de aula, desperdício de recursos, entre outros.

    "Para que o aluno esteja satisfeito, é preciso compreender outros elementos além da questão pedagógica. ? preciso enxergar a gestão universitária de maneira ampla: saber um pouco de marketing, entender o mercado de trabalho, participar da construção do orçamento", explica Denise. "Não é que o coordenador vai operacionalizar isso. Mas deve ter essa visão para que a tomada de decisão seja mais concreta no seu curso. E também para ajudar o nível administrativo-financeiro da instituição a seguir um caminho."

    Essa cobrança também exige que os coordenadores tenham um envolvimento pessoal distinto. Isso porque também precisam se adaptar às novas tecnologias de comunicação, para alcançar os alunos e conhecer sua opinião. Isso significa ir além da avaliação formal que os alunos fazem - também extremamente necessária.

    "Ele precisa acompanhar o que acontece no 'boca-a-boca do aluno. Hoje, já existem várias comunidades no Orkut que dizem 'eu odeio tal professor', ou 'eu odeio tal universidade'. ? uma nova realidade em que ele tem que estar envolvido", diz Sonia. "Não se pode ter apenas um olhar para o aluno como aluno. ? preciso ver o estudante inserido no mercado de trabalho. Quanto mais os seus alunos tiverem sucesso, melhor será a imagem do curso."





    Tags:

    Perfil:



    RSS   


    Comentarios para esta noticia

     

    Suscríbete a nuestro boletín de noticias


    Publicidad

    Publicidad