Aviso de cookies

Por meio de cookies próprios e de terceiros, coletamos informações para fornecer melhores serviços a todos os usuários. Compilamos informações estatísticas sobre a sua navegação para mostrar uma publicidade que tenha relevância com seus hábitos de navegação. Sempre que quiser, poderá desativar os cookies do seu browser. Se continuar navegando, consideramos que aceita os termos da política de utilização de cookies.

text.compare.title

text.compare.empty.header

Atualidade universitária

Por Lilian Burgardt

"Existe muito mais trabalho entre os croquis e as passarelas do que supõe nossa vã filosofia". Adaptações shakesperianas à parte, é o que dizem especialistas no mundo da moda quando querem mostrar que o setor tem muito mais a oferecer do que oportunidade para quem sonha com o glamour do estilismo. Ocupando o oitavo lugar em produção têxtil do mundo, o Brasil é um mercado em franca expansão. Sendo assim, a cada ano, novos postos de trabalho são abertos, ampliando o leque de opções para quem se forma ou se especializa em Moda.

Embora as escolas brasileiras de moda dêem uma atenção especial para o design, a fim de formar cada vez mais talentos para fortalecer a marca Made in Brazil no exterior, o País oferece inúmeras oportunidades em outras áreas. Detalhe: a grande demanda do mercado por tais profissionais, além de ampliar o leque de oportunidades, quase sempre vem acompanhada de uma boa remuneração. Estes fatores fazem com que profissões que vivem à sombra do estilismo possam se tornar brilhantes opções de carreira. Hoje, por exemplo, o Brasil carece de bons modelistas, profissionais que dão forma ao sonho do estilista dentro das confecções. A grosso modo, seria o mesmo que comparar o estilista ao arquiteto e o modelista ao engenheiro. Em Santa Catarina, pólo têxtil brasileiro, a cada ano, cresce a busca por tais profissionais. Movimento que se estende de Norte a Sul do país, conforme o aumento da produção brasileira.

Como não poderia deixar de ser, a lei da oferta e da procura tem influência direta sobre a faixa salarial destes profissionais. Em uma grande confecção, por exemplo, um estilista pode ganhar em torno de R$ 5.000,00 e um modelista R$ 6.000,00. "Há boas vagas. O que existe é pouco profissional interessado em trabalhar 'nos bastidores da fama'", afirma a diretora de marketing do Ibmoda (Instituto Brasileiro de Moda), Luciane Robic. Segundo ela, isso é notado nos próprios bancos escolares, já que as escolas e disciplinas de modelagem são as menos freqüentadas pelos estudantes. "Todos querem criar. Ver o seu nome à frente de uma confecção", explica.

A coordenadora do curso de Desenho de Moda da FASM (Faculdade Santa Marcelina), Raquel Valente, atribui esse comportamento "blasé" com as outras profissões pelo ofuscamento que o estilismo causa. "Quando se fala em Moda, a imagem do estilista surge na cabeça das pessoas porque têm o glamour, mas além disso, estes são os profissionais lembrados pela mídia quando se fala do assunto", diz. "Um bom exemplo disso é o caso dos tecidos inteligentes. Todos se lembram quando eles chegaram ao mercado e podem até lembrar quais as marcas que os utilizam, já o nome do modelista...", diz.

Além dos "engenheiros da moda", outra profissão que demanda mão-de-obra no setor é a de produtor de moda. Assim como na televisão, o produtor é aquele que faz acontecer. Seu papel na indústria da moda é alinhar a criação e a confecção de forma que o resultado tenha viabilidade comercial. Para isso, o profissional precisa fazer estudos e mais estudos de mercado e de perfil de consumidor. Hoje, este profissional não encontra só boas oportunidades que permitem trocar de emprego com a rapidez da moda, mas também, construir uma carreira bem-sucedida dentro de uma determinada indústria, e o melhor: sendo muito bem pago por isso.

? o caso da produtora de moda, Ivna Barreto de Menezes Pereira, de 24 anos. Apesar da pouca idade, Ivna tem experiência de sobra em seu currículo. Aos 20 anos a jovem trocou o Ceará por São Paulo e começou uma carreira de sucesso. Hoje, quatro anos depois da migração e de já ter passado por empresas como Zoomp, Ellus, Colcci, Alexandre Hercovitch, entre outras, ela se consolidou como produtora de moda e atende cerca de 15 empresas diferentes. "Meu trabalho é identificar a necessidade das empresas e fazer um estudo de mercado encontrando soluções para que seus produtos sejas bem comercializados. O que mais gosto é o dinamismo, já que a cada seis meses tenho que começar tudo do zero", brinca. A cada troca de coleção, ou seja, primavera/verão e outono/inverno, os estudos e as metas são completamente diferentes, fazendo o trabalho ser ainda mais desafiador. "A gente não pára. Por isso, para ser produtor, tem que gostar mesmo de mudança", friza. A remuneração de um profissional com o perfil de Ivna gira em torno de R$ 3.500,00 por mês.

A área de marketing em moda também cresce a olhos vistos. Responsável pela identidade da marca e pela sua fixação na cabeça do consumidor, este profissional tem que entender muito de estratégia de vendas mas, sobretudo, de tendências de moda. ? o que faz Jeniffer de Freitas, 33 anos, responsável pela identidade da Nike. Formada em Marketing, "por acidente" migrou para a área de moda. Ela conta que sempre quis trabalhar com grandes marcas, mas não imaginava o quanto precisaria estar integrada com o business para desenvolver este trabalho. "No começo da carreira trabalhei na Trifil. Quando decidi me especializar fazendo um MBA em moda surgiu o convite para trabalhar no grupo Valdac, holding que detém as marcas Siberian e Crawford, depois veio esta oportunidade na Nike", explica. O trabalho de Jeniffer é alinhar o planejamento de coleção com a divulgação da marca, que também muda de acordo com o ritmo da moda. Uma profissional como ela não encontra dificuldades para mudar de emprego. "As propostas acabam caindo no seu colo", diz. A remuneração? Em torno de R$ 5.000,00 e R$ 6.000,00.

Os consultores de moda também são profissionais valorizados no mercado. Segundo Luciane Robic, o Brasil tem um potencial enorme para comercialização dos produtos têxteis e de confecção. O que falta, são profissionais experientes, não apenas bons vendedores, mas que entendam de tendências e possam percorrer o Brasil levando os produtos das confecções para outras regiões mais distantes. "O mercado interno é um grande consumidor. ? preciso identificar as necessidades dos diferentes pólos de consumo para expandir os negócios de região para região. Aí, o que conta não é só uma boa lábia, mas o expertise e o conhecimento das novidades do mercado, além do feeling em relação ao perfil dos consumidores das diferentes regiões", encerra.

  • Fonte:


Tags:
Comentar

Comentários

    Ver mais 20 resultados

    Comente

    Ver mais