Aviso de cookies

Por meio de cookies próprios e de terceiros, coletamos informações para fornecer melhores serviços a todos os usuários. Compilamos informações estatísticas sobre a sua navegação para mostrar uma publicidade que tenha relevância com seus hábitos de navegação. Sempre que quiser, poderá desativar os cookies do seu browser. Se continuar navegando, consideramos que aceita os termos da política de utilização de cookies.

text.compare.title

text.compare.empty.header

Atualidade universitária

Crédito: Divulgação

 

A palavra Folclore vem da junção de duas palavras da língua inglesa: folk e lore (povo e saber). Fácil prever que, unidas, passam a significar o saber tradicional de um povo. Folclore é o que passa pelas tradições, costumes e superstições das classes populares. Para que vire folclore é preciso que apresente as seguintes características:

 

Tradicionalidade: vem se transmitindo de geração a geração

Oralidade: é transmitido pela palavra falada

Anonimato:
não tem autoria

Funcionalidade: existe uma razão para o fato acontecer

Aceitação coletiva: há uma identificação de todos com o fato

Vulgaridade:
acontece nas classes populares e não há apropriação pelas elites

Espontaneidade:
não pode ser oficial nem institucionalizado

 

As características de tradicionalidade, oralidade e anonimato podem não ser encontradas em todos os fatos folclóricos, como no caso da literatura de cordel (tipo de poesia popular, originalmente oral, e depois impressa em folhetos rústicos expostos para venda e pendurados em cordas. Explora a rima e alguns poemas são ilustrados com xilogravuras), no Brasil, onde o autor é identificado e a transmissão não é feita oralmente.

 

Curioso é que a literatura de cordel surgiu na França, mas, hoje, desapareceu da cultura francesa, enquanto no Brasil virou folclore. Por que fatos assim acontecem? Segundo especialistas, quanto mais uma sociedade se urbaniza e evolui tecnologicamente, mais fácil o folclore desaparecer. "As festas de natureza religiosa permanecem enquanto a fé persiste. As outras festas tradicionais devem a sua continuidade aos significados e funções que lhes são atribuídas pelas comunidades, sendo renovadas e re-funcionalizadas e re-significadas quando ocorrem mudanças culturais", explica Roberto Benjamin, ex-presidente da Comissão Nacional de Folclore e professor da UFRPE (Universidade Federal Rural de Pernambuco).

 

Segundo Rosane Volpatto, terapeuta e mestra de Reiki, que se dedica à pesquisa dos arquétipos das deusas e dos mitos e lendas brasileiras, as festas juninas se tornaram tão populares por sua identificação com as camadas mais simples da população, o que corresponde à maior parte dos brasileiros. "São festejos animadores de esperança, que não exigem grandes trajes ou despesas, pois quanto mais simples forem as vestes, mais apropriadas são para a ocasião. Para complementar, tais festas correspondem a um estado de regressão à primeira infância, o que faz o povo esquecer qualquer tipo de privação econômica ou conflito de valores", disse. Além das festas juninas, do Natal e do Carnaval, as principais festas folclóricas brasileiras são:

 

1 - Festa do Divino: em honra do Espírito Santo, de raízes açorianas, e presente principalmente no Centro-Oeste do Brasil. A invocação do Espírito Santo originou-se da fé dos açorianos, quando das catástrofes naturais que infligiam o arquipélago. O isolamento das ilhas contribuiu para que o culto se arraigasse e permanecesse nos Açores, enquanto que, praticamente, desaparecia em Portugal. Os emigrantes açorianos levaram o culto ao Divino Espírito Santo para o Brasil, EUA, Canadá e áfrica, onde ainda hoje são repetidas as antigas cerimônias.

 

A crença no Espírito Santo é reconhecida como um dos principais focos das formas de religiosidade popular do Centro-Oeste, ao contrário do que acontece no Nordeste e Sudeste do país, onde outros santos padroeiros, como os juninos, ocupam lugar. A festa está intimamente ligada ao período da mineração de ouro e se conservou especialmente nas velhas cidades goianas do século XVIII, sendo rara e pouco solene nas cidades que foram fundadas depois do ciclo do ouro. A festa do Divino Espírito Santo realiza-se no Domingo de Pentecostes, festa móvel católica, que acontece sempre cinqüenta dias depois da Páscoa, em comemoração à vinda do Espírito Santo sobre os apóstolos de Jesus Cristo

 

2 - Festa de Nossa Senhora do Rosário: dada como padroeira dos escravos africanos, permanece cultuada pelos afro-descendentes em várias regiões do País. A festa é realizada no primeiro domingo de outubro, quando a igreja realiza missa solene, coroação de Nossa Senhora, almoço para a comunidade. Nesse dia, o povo sai em procissão pelas ruas, cantando e acompanhando a banda de música, as crianças vestem-se de anjos, cumprindo as promessas dos pais, os irmãos e irmãs carregam os andores, o rei e a rainha as coroas, lembrança dos reisados e congadas.

 

A devoção a Nossa Senhora do Rosário se origina por volta de 1200, em Colônia (Alemanha). Logo a devoção se propagou, sendo levada também por missionários portugueses ao Congo. No Brasil, ela foi adotada por senhores e escravos. No caso dos negros, ela tinha o objetivo de aliviar-lhes os sofrimentos infligidos pelos brancos. Os escravos recolhiam as sementes de um capim, cujas contas são grossas, denominadas "lágrimas de Nossa Senhora", e montavam terços para rezar. Hoje a Irmandade do Rosário dos Homens Pretos é uma referência para movimentos de consciência negra, porque apresenta uma tradição religiosa que remonta aos tempos dos primeiros escravos.

 

3 - Bumba-meu-boi: as comemorações diferem segundo a região e o tempo. No mês de junho, as festividades acontecem na terra amazônica, no Rio de Janeiro e no Mato Grosso do Sul. Já no Nordeste ele está ligado às festas do ciclo de Natal. Boi-Bumbá é uma mistura de culturas. As suas figuras predominantes são, além do Boi, em que se destaca um cabloco rude e valente, que é conhecido como "cabra-bom", que se ufana da distinção e a pleiteia como honra, o Pai Francisco, a Mãe Catirina, o Vaqueiro, o Caçador, o médico e o Pajé. O enredo deste festival resgata uma história típica das relações socio-econômicas do período colonial, marcado pela monocultura, a criação extensiva e a escravidão.

 

4 - Boi-de-mamão: é uma versão catarinense dos folguedos do bumba-meu-boi. O primeiro registro em Santa Catarina desta folia é de 1871. Foi utilizado um mamão verde para fazer a cabeça do boi, daí seu nome atual. A manifestação acontece entre o Natal e o Carnaval.

 

 



Tags:
Comentar

Comentários

    Ver mais 20 resultados

    Comente

    Ver mais