Aviso de cookies

Por meio de cookies próprios e de terceiros, coletamos informações para fornecer melhores serviços a todos os usuários. Compilamos informações estatísticas sobre a sua navegação para mostrar uma publicidade que tenha relevância com seus hábitos de navegação. Sempre que quiser, poderá desativar os cookies do seu browser. Se continuar navegando, consideramos que aceita os termos da política de utilização de cookies.

text.compare.title

text.compare.empty.header

Atualidade universitária

Do Universia

Você é daqueles universitários que fazem de tudo para terminar logo seus deveres e ir ao bar que geralmente fica ao lado da faculdade? Ou é daqueles que aparece na sala de aula somente na época das provas, porque normalmente sai de casa ou do trabalho e vai direto para o boteco? Se a resposta for positiva para uma dessas perguntas, cuidado. Uma pesquisa realizada pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) revela que o número de jovens alcoólatras (dos 12 aos 20 anos de idade) é cada vez maior.

Dos quase 1.400 estudantes entrevistados na cidade de Campinas, no interior paulista, apenas 13,6% jamais experimentaram bebidas alcoólicas ou qualquer tipo de droga. Entre os que admitiram ter usado alguma droga lícita (álcool, cigarro e tranqüilizantes), 85% admitiram ter experimentado justamente o álcool. Ainda segundo o levantamento, esse grande número se dá graças à facilidade com que os jovens têm de acesso a bebidas alcoólicas. De todos que admitiram ter usado algum tipo de droga, 67,7% disseram ter acesso fácil ao álcool, contra apenas 30% da maconha, por exemplo, e 22,9% que afirmaram conseguir cocaína com facilidade.

Para se ter uma idéia da situação que alguns alunos chegam, o Universia foi até um bar que fica ao lado de uma grande universidade de São Paulo. Lá, três universitários, dois do curso de Publicidade e Propaganda e um de Farmácia permaneceram das 19h30 até as 22h30, durante todo o horário de aula. Eles beberam duas garrafas de cerveja, uma de vinho, e três copos de vodka cada um. Quando questionado se iria ou não para a aula, um deles disse: "Para que ficar sentadinho ouvindo um idiota falar? Prefiro ficar aqui, me divertindo com a rapaziada", debochou um deles. Se ele se preocupa com o seu rendimento escolar? Veja só: "No final do ano colo de algum nerd nas provas e passo de ano", admite o rapaz.

A coordenadora de Psicopedagogia da PUC-RS (Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul), Maria Beatriz Jacques Ramos, diz que a bebida é uma forma de não encarar a realidade. "Ao ingerir a bebida, o álcool pode trazer uma sensação de relaxamento, de alívio. Isso faz com que o jovem busque sempre usar dessa droga para se sentir bem e fugir das decisões importantes a serem tomadas, que aumentam nessa idade", explica ela.

Mas, ao buscar esse "bem-estar", ainda segundo a coordenadora, o jovem fica cada vez mais sensível. "Se quando bebe o estudante acha que seus problemas acabam, naturalmente ele vai querer beber mais e ter menos problemas. E quando se chega a esse ponto, de beber cada vez mais para esquecer a realidade, o jovem torna-se, na maioria das vezes, um alcoólatra", revela.

Um exemplo vivo

A professora de Educação Física Nika Gonçalves - a pedido dela, seu nome verdadeiro não será revelado - passou por tudo o que o alcoolismo pode causar. Ela diz que teve quatro momentos desde que começou a beber: a fase ovelhinha, depois a fase palhaça, a leoa e por último, a fase porca. "Ovelhinha porque, no começo, quando bebia na faculdade, eu era boazinha e dócil. Depois fui para a fase palhaça, quando achava que era engraçada. Aí vem a fase leoa, quando me tornei agressiva com todos a minha volta, inclusive minha família, e, por fim, a fase porca, quando não cuidava mais do meu corpo e de minha higiene", explica ela.

Nika diz ainda, que o mais difícil para um alcoólatra é admitir que tem realmente uma doença. "Quando me diziam que eu bebia demais na faculdade, não aceitava e muitas vezes, partia para cima para agredir essas pessoas", admite. Depois de beber durante 24 anos, um dia ela chegou de uma viagem - pois também trabalhou como guia turística - e não tirou nem seu uniforme. Pegou uma garrafa de conhaque e começou a beber no gargalo. Seu filho, que na época tinha 17 anos, implorou para que a mãe parasse de beber. Nika se lembra até hoje que respondeu ao garoto. "Preciso de ajuda".

Então, o filho teve a idéia de levar a mãe para o AA (Alcoólicos Anônimos). Foi aí que a realidade de Nika começou a mudar. "No começo tive medo, porque o alcoólatra é tão arrogante, que na época tinha receio de encontrar um monte de gente suja, mal-arrumada e cheirando a álcool". Nika faz uma brincadeira: "provavelmente eu achava que estava com cheiro de rosas".

Quando chegou ao local, Nika ficou surpresa com o que viu. "As pessoas estavam bem arrumadas, limpas e aí quem ficou com vergonha fui eu". Mas ela explica que a recepção foi tão boa, que logo essa vergonha passou. "Fui recebida por uma mulher que me deu um abraço caloroso e disse que eu era a pessoa mais importante daquela reunião que começaria em poucos instantes", lembra ela.

Hoje, Nika trabalha no AA, no comitê "Trabalhando com os outros". Trata-se de um grupo de pessoas recuperadas do vício da bebida que dão palestras em escolas, universidades, empresas ou qualquer organização que entrar em contato com o Alcoólicos Anônimos de São Paulo, pelo telefone (11) 3315-9333 ou pelo e-mail da Nika.

O caminho do álcool

Sabe o que acontece com o seu corpo quando você ingere uma bebida alcoólica? O psiquiatra Marcelo Niel, do Proad (Programa de orientação e atendimento a dependentes) da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), diz para onde vai a bebida alcoólica que você ingere no barzinho ao lado da faculdade, ou na balada de fim de semana.

Você pode não saber, mas Niel diz que o álcool vai para todos os órgão do corpo. "Ao ser ingerido pela boca, a bebida vai direto para o estômago, onde é absorvida. Daí, vai para a corrente sanguínea e chega a todos os órgãos do corpo humano, sem exceção", explica ele.

O médico explica que o fígado é o órgão que mais sofre no corpo humano com a ingestão de bebidas alcoólicas. "Cada vez que uma pessoa ingere uma bebida alcoólica, cria-se uma lesão no fígado. O aumento dessas lesões pode causar a cirrose hepática, que se não for tratada no início, pode levar o indivíduo à morte", adverte. Os sintomas dessa doença, segundo Niel, é o amarelamento da pele e a barriga inchada. Além disso, o médico aponta outros problemas. "Num estágio mais avançado, a cirrose pode causar problemas hormonais, já que o fígado é importante nesse processo. O indivíduo pode ter alterações nas unhas, perder pelos e até o apetite sexual", revela.

Para os jovens, o médico diz que o problema é ainda maior. "Num ser humano que tem entre 15 e 25 anos, o cérebro está em formação. Nesse caso, a ingestão exagerada de álcool pode causar perda de memória, de concentração, de raciocínio lógico, e isso pode chegar num estágio irrecuperável", afirma ele. Mas os problemas não estão apenas no fígado e no cérebro. Niel faz questão de frisar que o corpo todo está em risco com o exagero de bebidas alcoólicas. "Todos os órgãos do corpo humano podem ser afetados. Problemas nos rins, nos pulmões, dores por todo o corpo por causa dos nervos, são sintomas normais de um alcoólatra", finaliza.

  • Fonte:


Tags:
Comentar

Comentários

    Ver mais 20 resultados

    Comente

    Ver mais