Tuesday :: 02 / 09 / 2014

AdemásNotícias | Arte por dia | Enem 2014 | Livros grátis | Cadastre-se | MAPA DEL SITIO

Noticia

Conheça formas simples de fazer uma boa redação

Saiba como triunfar na parte mais importante do vestibular


ImprimirImprimirEnviar a un amigo EnviarPDFPDF

Da Redação

Dicas dos professores para desenvolver uma boa redação
Dominar a língua e ter bom repertório. Só é possível ter boa argumentação se o candidato se mantém informado.
Tirar proveito da leitura. O estudante pode tentar pegar um texto dissertativo e responder às seguintes perguntas: qual a questão posta em debate no texto? Qual a posição do redator? Que argumentos ele usa para defender sua proposta? Quais argumentos o redator rebate?
O aluno deve entrar nos sites das universidades que prestará vestibular e conferir quais foram os temas pedidos em processos seletivos dos anos anteriores.
Estudar o tema com calma e montar um esquema para a redação
Revisar o esquema proposto e redigir o texto.
Reler a redação depois de alguns dias. Isso evita que o candidato vicie em seu texto e não perceba os erros cometidos.

Boa parte dos estudantes sabe que a redação pode ser o fator que classificará ou o reprovará nos grandes vestibulares brasileiros. Passar noites em claro a estudar matérias com as quais não se têm afinidade pode ser em vão se o aluno não souber como estruturar o texto e não tiver boa argumentação. Mas como treinar para algo para o qual não há uma fórmula que diferencie o certo do errado? Como evitar erros que podem zerar a prova e colocá-lo fora da disputa pela sonhada vaga? Para ajudar o vestibulando, o Universia conversou com especialistas que dão dicas de como obter uma boa nota em redação. Conheça também nosso guia para uma redação nota 10.

Mesmo quem já tem bom texto precisa de prática. Professores são unânimes nesse ponto. A prática é a única maneira para os alunos corrigirem seus pontos fracos e melhorar partes que já estão boas. "Quando os alunos recebem suas redações corrigidas pelos professores, devem revisá-la e fazer uma leitura crítica, sem ter pena de si. Dessa forma é possível reconhecer os próprios erros", explica a coordenadora de Língua Portuguesa do cursinho Etapa, Célia Passoni.

A coordenadora aposta também no método de reescrever o texto. "Depois de ler a redação com olhar crítico, o estudante pode reescrevê-la para corrigir todos os pontos que achou fracos. Ele pode pedir para que outra pessoa a leia e a corrija. Dessa forma, é possível pegar os erros que permaneceram, como exageros ou repetições", avalia Célia. De acordo com ela, o momento em que o aluno lê com olhar crítico é o que chega mais perto do método usado pelas bancas avaliadoras.

Mas não são apenas os erros gramaticais que podem descontar pontos na hora de redigir um texto para o vestibular. A direção em que o texto vai pode chegar a zerar a prova e reprovar o candidato. "O aluno deve estar atento ao que é pedido no enunciado da redação. Se o tema proposto é um e a dissertação foge do assunto, é certo que será reprovado. Os estudantes ficam muito preocupados em decorar regras gramaticais porque acreditam que um bom texto é aquele correto gramaticalmente. Eles esquecem de dar atenção à proposta", revela o coordenador de gramática, texto e redação do cursinho Anglo, Francisco Platão Savioli.

As bancas examinadoras dos vestibulares são bem rígidas com a correção das redações. Fazem isso para avaliar o grau de conhecimento dos candidatos. "Esse é o momento em que a banca avalia se os estudantes estão atentos aos fatos que acontecem ao seu redor ou se eles se alienam em um 'mundo próprio'. As universidades querem que indivíduos bem informados e com bons conhecimentos ocupem as vagas que oferecem. Essa rigidez também serve para evitar que alunos consigam usar textos decorados", afirma Savioli.

Para ter bom conteúdo e conhecimentos do desdobramento dos fatos ao redor do mundo, a leitura é essencial. "Não adianta que o aluno leia várias revistas e jornais para se manter informado. ? necessário que ele aproveite a leitura. Sempre proponho um exercício para meus alunos: que eles peguem um texto dissertativo de um jornal ou revista e responda a algumas perguntas. Peço que digam qual a questão posta em debate no texto? Qual a posição do redator? Que argumentos ele usa para defender sua proposta? Quais argumentos o redator rebate? Esse exercício melhora a qualidade dos textos dos estudantes e os faz aprender a como construir uma boa retórica. E eles só precisam se dedicar cerca de 20 minutos por dia", diz Savioli.

Bruna procura reescrever todas as redações para melhorar o desempenho nos pontos apontados como fracos pelos professores.

Essa exigência que os professores cobram dos alunos com relação às próprias redações é seguido à risca pela estudante Bruna Daniele da Silva Dias, que pretende prestar Vestibular para o curso de Engenharia Química. Além de escrever os textos propostos durante o cursinho, ela treina por conta própria. "Entrego as redações pedidas pelos professores e faço outras também, que levo para os plantonistas corrigirem. Tento fazer pelo menos um texto por semana", comenta a estudante que tenta redigir mais de um texto na semana para compensar quando não consegue escrever.

A estudante sabe que a prática é necessária para conseguir se sair bem mesmo sob pressão. "Não adianta esperar a idéia surgir sozinha, é preciso ter prática para poder avaliar as idéias válidas e as que não acrescentam nada ao texto", declara Bruna. Ela acrescenta que fora os estudos, procura ler jornais e revistas para manter-se atualizada. "Além disso, ter contato com o formato de texto dos jornais me ajuda a desenvolver a argumentação", acredita ela.

Bruna explica que não escreve sua redação no mesmo momento que lê o tema proposto. "Primeiro organizo minhas idéias, coloco a tese e faço as argumentações. A partir desse esquema, monto a conclusão e depois escrevo o texto final", afirma. Ela diz ainda que aquelas redações que entrega aos plantonistas rendem boas dicas. "·s vezes, os monitores sugerem que eu as reescreva. Quando meus erros são indicados, tento reformular os pontos fracos e isso me faz aprender. Se tive erros ou usei idéias fora do foco, refaço e sinto melhora em meu desempenho".

Para praticar argumentação, a estudante aposta na reescrita de textos com a tese contrária. "Quando vou refazer um texto, muitas vezes escolho redigir baseada em argumentos contrários. Essa prática ajuda a melhorar minha retórica e serve para avaliar se consigo ter bons argumentos para defender o lado oposto", comenta Bruna.

Savioli ressalta que os alunos que se comprometem com os estudos e com a aprendizagem na redação podem mudar muito no decorrer do ano. "Muitos estudantes iniciam o cursinho com redação ruim. Mas os que se empenham, buscam soluções para as questões que não entendem e se propõe a reescrever os textos, melhoram muito a performance e podem alcançar pontos mais altos que conseguiriam no começo do ano", alerta o coordenador.







RSS   


Comentarios para esta noticia

 

Publicidad

Publicidad