Aviso de cookies

Por meio de cookies próprios e de terceiros, coletamos informações para fornecer melhores serviços a todos os usuários. Compilamos informações estatísticas sobre a sua navegação para mostrar uma publicidade que tenha relevância com seus hábitos de navegação. Sempre que quiser, poderá desativar os cookies do seu browser. Se continuar navegando, consideramos que aceita os termos da política de utilização de cookies.

text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

 

Por Roberto Machado

Diferente dos monstros criados pelo gênio da animação Ray Harryhaussen em stop motion no primeiro Fúria de Titãs (1981), o diretor Louis Leterrier traz para o público uma versão recheada de efeitos especiais. A conversão para o formato 3D depois de editado, no entanto, acaba por confundir o espectador na hora dos combates mitológicos.

A paixão não é mais o indutor de Perseu. Diante da crise de existência e do reconhecimento de sua origem como filho de Zeus, ele tem a missão de salvar a princesa Andrômeda para proteger a cidade de Argos das ameaças de destruição de Kraken - monstro enviado por Hades (Deus do Inferno). Os ataques visam punir os humanos que deixaram de adorar os deuses.

A obra deixa de lado os aspectos mitológicos e prioriza cenas de ação. Uma princesa em perigo e um herói que fará de tudo para alcançar seu objetivo. Tudo isso no melhor estilo hollywoodiano de um filme de ação.

Fúria de Titãs
Gênero: ação, aventura, épico
Direção: Louis Leterrier
Duração: 118 minutos
Classificação: 14 anos

Essa sexta-feira, 21 de maio, é marcada pela estréia de um tema que parecia ter sido esquecido pela indústria cinematográfica, à mitologia grega. Com elenco estelar, locações elaboradas e dezenas de efeitos especiais, Fúria de Titãs chega às salas de cinema do Brasil e se distância do enredo original, do mito e da filmagem do clássico de 1981, que levava o mesmo título. Ainda sim, propõe uma discussão sobre a importância das histórias dos deuses gregos na atualidade.

O filme começa com um impasse entre Zeus (Liam Neeson) que, junto dos outros seres do Olimpo, precisa da adoração dos humanos para manter seu papel de criador imortal, e o rei da cidade de Argos, que pretende dar início a era dos homens. Para resolver a desavença aparece Hades (Ralph Fiennes), senhor das profundezas, que faz com que o povo escolha entre o sacrifício da princesa Andrômeda e a fúria do monstro Kraken. É nessa hora que Perseu (Sam Worthington) - criado por pescadores mortos na primeira investida de Hades - descobre ser filho de Zeus e inicia sua jornada de vingança contra os deuses. Na visão do semideus, eles são uma ameaça à vida na Terra e, principalmente, à sua origem.

Segundo Susana Mesquita Barbosa, professora de filosofia da Universidade Mackenzie, a mitologia grega surgiu a partir da necessidade que o homem tinha de explicar seu próprio mundo. "Coincidência ou não, os temas giravam em torno de questões morais e embates humanos que serão sempre atuais", afirma a professora. Para ela, esses conceitos estão presentes até hoje, principalmente, por causa das freqüentes dúvidas sobre a existência humana. Perguntas como "Quem sou eu?", "De onde vim?" e "Para onde vou?", apesar de frequentes, não possuem respostas precisas.

O enredo de Louis Leterrier traz uma versão a essas questões. O próprio Perseu, em busca da besta aquática de Hades, o Kraken, mostra como sua batalha vai além dos combates criados por computação gráfica e seres mitológicos como a Medusa (transformava seus inimigos em pedra apenas com um olhar) e o barqueiro (fazia o transporte das almas para o mundo dos mortos depois de receber uma moeda). Sua luta interna carrega as próprias dúvidas que a humanidade tenta desvendar faz séculos. "O maior embate de Perseu é por autoconhecimento. Até certo ponto, ele não se importa com o caminho que precisa trilhar, busca apenas por respostas", analisa Susana, que compara sua atitude com a condição humana. "As respostas que o semideus persegue não são diferentes daquelas que questionamos todos os dias. O que ele percebe é que o importante é a jornada em si, que nos dá experiência e confiança, e não o fim", enfatiza ela.

Também é possível acompanhar, paralelo à missão de Perseu, como os deuses (Zeus e Hades) interferem no acontecimento dos fatos para proteger seus próprios interesses dentro da trama, o que revela uma relação de cumplicidade entre deuses e humanos, diferente da relação que atualmente se tem com a religião. "Esperamos apenas por recompensa em consequência das nossas atitudes, diferente dos deuses gregos que, além terem contato com os humanos, até tinham filhos com eles, o caso do próprio Perseu", compara ela.

Mas na opinião de Susana, o enredo não é totalmente fiel à mitologia grega. A perspectiva de vingança que o personagem principal demonstra se distancia da história original que atribuía uma visão mais filosófica à jornada Perseu. "Não é uma vingança contra Hades ou Zeus, mas sim contra a descoberta de sua origem. Isso causa a perda do controle sobre o rumo de sua própria vida", afirma ela.

Mesmo não seguindo pontualmente o original, Fúria de Titãs carrega o efeito de causa e consequência comum nas histórias gregas. O que para a professora de filosofia propicia um distanciamento natural, até porque os mitos remetem a outra época, com diferentes valores sociais e crenças religiosas. "A ideia de um Deus onipresente traz tranquilidade, determina caminhos e transfere responsabilidade. É como criamos explicação para o desconhecido", diz Susana.

Processo que, no entanto, funcionaria como incentivo à curiosidade de estudantes sobre as grandes tragédias gregas. É o que afirma Suzana, que aposta no poder do clássico para o desenvolvimento intelectual dos alunos. "A filosofia não é regional, ela é conhecida e discutida no mundo inteiro de diversas maneiras diferentes. Esse é um dos incentivos para que ela seja estudada", defende ela. O estudo da mitologia é importante, não apenas para cursos específicos, como história e filosofia, mas também em diversas áreas do conhecimento, principalmente por sua idade e riqueza de relatos, como exemplifica a educadora. "Tanto para cultura geral, como para especializações sobre o mundo das ideias e fundamentação de cursos com base na própria mitologia, esse tipo de conhecimento nunca é demais e se estende até pelo direito e a matemática", destaca ela.

O filme não chega a ser uma aula sobre mitologia, mas Susana recomenda tanto para aqueles com a curiosidade por mais um lançamento da indústria cinematográfica, como para aqueles que se interessam por mitologia e querem ver os personagens dos livros vivos nas telonas, mas ela faz uma advertência: "É uma boa opção para os amantes de cinema, mas ele, por si só, nunca substituirá a riqueza da obra original", lembra a professora da Universidade Mackenzie.

  • Fonte:


Tags:
Comentar

Comentários

    Ver mais 20 resultados

    Comente

    Ver mais