Friday :: 25 / 07 / 2014

MaisNotícias | Arte por dia | Enem 2014 | Livros grátis | Cadastre-se | MAPA DO SITE

Noticia

Boa redação demanda leitura e treino

Administrar tempo também é essencial ao escrever no vestibular


ImprimirImprimirEnviar a un amigo EnviarPDFPDF

Por Roberto Machado

Dicas para uma boa redação

- Leia livros, jornais e revistas para ajudar a enriquecer o seu vocabulário e aguçar sua criatividade

- Escreva sobre um mesmo assunto em modalidades diferentes de texto para ficar mais afiado para qualquer proposta de redação

- Mande cartas para amigos e parentes para sair da rotina de estudos sem deixar de treinar

- Treine temas de vestibulares passados e busque por redações comentadas para conhecer o panorama do que é pedido no vestibular

- Busque por assuntos e temas do seu dia a dia para variar ainda mais nos textos

- Leve seus textos para amigos, ex-professores e familiares, um olhar de fora e críticas construtivas vão te ajudar a melhorar a escrita cada vez mais

- Marque o tempo que leva para escrever, assim saberá quantos minutos terá que reservar para a redação no vestibular

- Sempre leia com atenção o enunciado da questão para não perder o foco na hora de escrever

- Não perca tempo com rascunhos, se for realmente necessário pontue o que acha importante em tópicos

- Se você se sentir mais a vontade para começar a prova pela redação vá em frente, mas lembre-se: não existe uma regra para isso, nesse momento é melhor confiar na sua intuição

- Saiba também administrar a quantidade de linhas que você tem para escrever, ou pode ficar sem espaço para terminar o seu texto

A menos de quatro meses para os vestibulares de verão, o calendário não poupa os estudantes sobre a importância da preparação para a disputa por uma vaga no Ensino Superior. O cuidado, no entanto, deve ser redobrado com a redação. A redação é tão importante quanto todas as outras etapas da avaliação. É o que garante Maria Luiza Ferraro, coordenadora pedagógica da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina). "O texto não está isolado do resto do processo seletivo. Ele serve como base para a interpretação de todas as outras questões da prova. Há ainda uma nota de corte que se não atingida pode levar o candidato à eliminação, mesmo que seu desempenho nas demais matérias tenha sido exemplar", afirma. Ela, portanto, atribui o sucesso no vestibular à maneira como os alunos se preparam para a redação.

O primeiro passo, segundo Maria Luiza, é investir na bagagem cultural. "Mantenha a leitura em dia e reserve um tempo para frequentar o cinema e o teatro. Essas atividades ajudam bastante na parte criativa", aponta ela. Paralelamente a esse investimento é preciso produzir. "Ninguém aprende matemática sem praticar, assim como ninguém desenvolve habilidades de escrita sem escrever", compara. É por esse motivo que ela enfatiza a necessidade da prática contínua da escrita.

De nada adianta treinar sem saber se os caminhos percorridos estão corretos. A professora aponta a importância dos professores ou mesmo da própria família, que além de lerem os textos, devem opinar e incentivar a produção dos textos. "O olhar de fora ajuda a fazer uma boa avaliação da situação", diz Maria Luiza. Para melhorar o texto e a capacidade de raciocínio, ela recomenda a busca por temas novos em lugares diferentes. "O estudante pode buscar por novos assuntos em jornais, revistas ou vestibulares antigos, assim como redações comentadas. São todas boas fontes para pesquisa", aconselha.

Um mesmo tema também pode servir para escrever textos em diversas modalidades, como diz Sandra Duarte Ferreira, coordenadora do vestibular da UFES (Universidade Federal do Espírito Santo). "Um assunto em comum para escrever uma narração, uma descrição, um texto opinativo ou uma dissertação. As possibilidades são variadas e irão ajudar no treino", diz ela. Outra prática também eficaz é mandar cartas para amigos e parentes contando histórias ou mesmo sobre o treino para o vestibular.

Sandra aponta ainda a importância da administração do tempo. "Treinar em casa é ótimo para descobrir quanto tempo se leva para construir cada texto", afirma. A professora da UFSC acrescenta. "Cronometre sempre o quanto demora a escrever e busque por uma média adequada à duração das avaliações", aconselha Maria Luiza, que chama atenção daqueles que são acostumados a passar a redação a limpo. "Na hora da prova ele não terá esse tempo", adverte ela.

Para Lillian Passarelli, coordenadora da correção da redação da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), do mesmo jeito que os vestibulandos devem manter o foco em seus textos, é preciso se desprender de alguns hábitos. "Os estudantes não devem usar frases feitas ou fazer rodeios fingindo entender do assunto", conta ela, que confessa ser possível perceber claramente quem faz isso e quem, efetivamente, passou por todas as etapas da preparação. E isso não apenas na hora de escrever. "Aqueles que leram jornais, reescreveram os textos e foram atrás de ajuda não apenas fogem da superficialidade do assunto como também conversam e se expressam melhor", analisa Lillian.

À hora da prova

Depois de tanto esforço e dedicação chegou finalmente o momento de fazer a redação do vestibular. É nesse momento que a coordenadora de correção da PUC-SP chama a atenção para pontos que devem ser levados em consideração. "Em primeiro lugar, preste atenção na proposta da redação. Em muitos casos, por causa da preocupação em escrever, o estudante despreza as orientações da prova", conta Lillian, que orienta ao planejamento prévio do que será escrito. "Pontue os elementos principais, assim fica mais difícil de perder o foco e o tempo", aconselha ela.

A coordenadora também tranquiliza aqueles que ainda não sabem como se portar em relação à nova gramática. "A determinação legal é que as novas regras sejam usadas definitivamente apenas a partir de 2012. Por isso ainda não a usamos", explica Lillian.

Embora não exista uma regra, nem uma fórmula a ser seguida na hora de escrever a redação, a coordenadora da UFSC recomenda uma estratégia. "Não comece por aquilo que você tem dúvida. É preciso começar por onde existe mais afinidade com o assunto, seja química, física, português ou a própria redação", opina Maria Luiza. Lillian, no entanto, vê mais vantagem em começar pela redação. "É preciso respirar fundo e começar por ela, já que algumas pessoas ficam sem tempo e param o texto na metade", sugere.







RSS   


Comentarios para esta noticia

 

Publicidad

Publicidad