Notícias

Google lança site que mostra a energia consumida

      
(Crédito: Reprodução)
(Crédito: Reprodução)

 

O Google, gigante da Internet, acaba de criar o Google Green, uma página na internet que tem como objetivo mostrar ao mundo quanta energia é consumida e quanto contaminamos o meio ambiente a cada busca realizada, vídeo visto no Youtube ou e-mail enviado via G-mail.

 

» Google homenageia o fisiologista que descobriu a vitamina C
» Fotos: Google surpreende com seus escritório espalhados pelo mundo
» 4 razões para acreditar que o Google Plus vai ajudar na hora de conseguir emprego

 

Centenas de pessoas usam o Google como página inicial. Seus doodles são motivo de furor quando aparecem. O Youtube é o maior canal de vídeo do planeta. O G-mail é um dos maiores gestores de correio eletrônico do mundo. Todas essas ações de busca e envio de informações consomem uma quantidade enorme de energia. Foi pensando nisso que a companhia lançou o site, que visa manter os usuários informados e melhorar a sua eficiência energética.

 

Para ter uma ideia, o consumo do Google é de 2.6 milhões de megawatts, consumo aproximado de 20.000 famílias. Esse dado supõe que, de toda a energia do mundo, somente o Google consome 0,01 do total. O número representa 1% do que consomem todas as bases de dados do mundo.

 

Estes dados de consumo extrapolado de CO2 supõe, de acordo com o que foi publicado no novo site, que em 2010 o buscador emitiu 1,46 milhões de toneladas de CO2.

 

Já para os usuários, dividindo o consumo pela quantidade de buscas, de e-mails enviados e de vídeos assistidos, também é possível encontrar dados interessantes. A cada 100 buscas realizadas no Google são geradas e emitidas na atmosfera 20 gramas de CO2. Três dias contínuos de exibição de vídeos no youtube gerariam aproximadamente 3 quilos de CO2 e cada usuário do G-mail consome 2,2kWh, o mesmo que 1,2 quilos de dióxido de carbono.

 

Mas apesar de a companhia se orgulhar de gastar a metade da energia que a maioria de seus concorrentes e da eficiência dos seus centros de dados, por enquanto apenas 25% das suas fontes de energia provém de fontes renováveis. Em 2012 a empresa espera que essa porcentagem suba para 35 e no futuro chegue a ser 100% verde.

 

 



Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.