Wednesday :: 23 / 04 / 2014

Mais Notícias | Erros inglês | Arte por dia | 700 cursos | Livros grátis | Cadastre-se | MAPA DO SITE

Noticia : Fuvest 2012

O que você precisa saber para entender a obra Iracema, de José de Alencar

Professor apresenta os pontos que se deve prestar atenção no livro de José de Alencar para não deslizar na prova da Fuvest 2012


Imprimir Imprimir Enviar a un amigo Enviar PDF PDF Traducir Traducir

(Crédito: Telnov Oleg / Shutterstock.com)

(Crédito: Telnov Oleg / Shutterstock.com)

 

Quem vai prestar o vestibular da Fuvest (Fundação Universitária para o Vestibular) está contando os dias para a prova. A menos de um mês da primeira fase, o teste de conhecimento sobre os nove livros de leitura obrigatória é um dos que mais coloca medo nos candidatos a uma vaga na USP (Universidade de São Paulo) pela complexidade das obras.




 

» Fuvest 2012: resumo Dom Casmurro
» Justiça mantém decisão que anula questões do Enem apenas para alunos de colégio cearense

 

Clássico da literatura nacional, Iracema, de José de Alencar , é velho conhecido dos vestibulandos. Não é de hoje que é pedido nos vestibulares das universidades brasileiras. Ainda assim, causa confusão principalmente pela linguagem empregada. Se você não teve tempo de ler ou tem dúvida, fique atento para o resumo a seguir que preparamos sobre a “virgem dos lábios de mel.”

 

 

Resumo Iracema, de José de Alencar

Escrito durante o Romantismo, Iracema apresenta as origens da terra natal e o nascimento da figura do brasileiro, representado pelo filho da índia Iracema com o colonizador português Martim.

 

José de Alencar usa uma linguagem especial para desenvolver a trama em torno da relação amorosa entre as personagens. Entender esta maneira diferenciada de escrever é a maior queixa dos estudantes e uma das questões mais recorrentes nos vestibulares. É o que explica o professor de Literatura da Oficina do Estudante, Marcílio Junior. “Para retratar os índios são inseridas partículas do Tupi durante o livro. Uma maneira de questionar e problematizar o povo português.”

 

Na história, Iracema, índia tabajara, se apaixona por Martim, português inimigo da tribo. Por amor, ela abandona seu grupo e se une com o homem branco. Da relação nasce o filho Moacir, enquanto Martim está lutando em outras regiões. Ao voltar, ele encontra Iracema prestes a morrer e parte com o menino, já órfão, para Portugal. Mais tarde, volta ao Brasil para disseminar o cristianismo e ir até o local onde Iracema foi enterrada, chamado de Ceará.

 

Se você ainda pretende ler o livro, fique atento aos detalhes. Ponto e vírgula finalizam os primeiros parágrafos, uma pista do estilo literário adotado. “Alencar usa o artifício do poema na prosa para indicar que está sendo lida uma prosa poética.”

 

 

O que você precisa saber sobre Iracema, de José de Alencar

Obra: Iracema: lenda do Ceará

Autor: José de Alencar


Ano:
1865


Título:
retrata a principal personagem do livro


Ambientação:
a história se desenrola no período da colonização brasileira, em terras cearenses.

 

Enredo: conta o início da miscigenação e formação do povo brasileiro a partir do romance entre a índia Iracema e o português Martim. Personagens principais: Iracema, Martim Soares Moreno, Moacir, Poti (índio pitiguara amigo de Martim), Irapuã (tabajara apaixonado por Iracema), Caubi (irmão de Iracema) e Jacaúna (índio da tribo pitiguara, irmão de Poti).

 

Linguagem: enredo de romance com estilo de prosa poética.

 

Resumo comentado Iracema, de José de Alencar: o guerreiro branco Martim Soares Moreno, amigo dos índios pitiguaras, perde-se nas matas do litoral brasileiro. Nesse cenário é encontrado por Iracema, filha do pajé Araquém, da tribo interiorana dos tabajaras. A virgem leva o jovem branco para sua tribo, onde é recebido como hóspede, mas ao descobrir o combate aos pitiguaras, Martim tenta fugir, mas é impedido por Iracema, sob a proposta de guiá-lo pelas matas com a ajuda do irmão Caubi. Nasce aí o afeto entre as personagens, que logo se transforma em paixão. A situação se complica, quando Irapuã, que também é apaixonado pela índia, tenta matar o branco.

Após uma noite de amor, a qual Martim imaginava ter acontecido apenas em sonho, ele foge, levando Iracema, após revelar a verdade sobre a relação. Os dois partem ao encontro de Poti, chefe dos pitiguaras, que considerava o português um irmão. Foram seguidos por Irapuã e os tabajaras, o que resultou no conflito entre as duas tribos. Martim sofre de banzo, mas não pode levar a esposa para a terra natal. Com o nome indígena de Coatiabo, o guerreiro branco enfrenta combates, enquanto Iracema está grávida. De saudade do amado, a índia definha de tristeza. Ao voltar de uma batalha, Martim a encontra com seu filho, chamado de Moacir, "o filho do sofrimento". Debilitada, entrega a criança e pede para que seja enterrada aos pés de um coqueiro, local que passou a se chamar Ceará.

“Moacir é o símbolo forte do livro, mesmo com pequena atuação. Ele representa o povo brasileiro formado pela índia e pelo português. Da mãe é herdado o amor pela terra, enquanto o pai dá a educação europeia. Na visão de Alencar, esta deveria ser a figura do brasileiro”, comenta o professor de literatura.

Com o filho, Martim volta para Portugal, mas anos depois retorna ao Brasil para ajudar na catequização da fé cristã. Saudoso, ele costumava ir ao local onde Iracema estava enterrada.

 

 






RSS   


Comentarios para esta noticia

 

Publicidad

Publicidad