Aviso de cookies

Por meio de cookies próprios e de terceiros, coletamos informações para fornecer melhores serviços a todos os usuários. Compilamos informações estatísticas sobre a sua navegação para mostrar uma publicidade que tenha relevância com seus hábitos de navegação. Sempre que quiser, poderá desativar os cookies do seu browser. Se continuar navegando, consideramos que aceita os termos da política de utilização de cookies.

text.compare.title

text.compare.empty.header

Atualidade universitária

 
Crédito: Wikipédia / Reprodução

 

Hoje o projeto Um Pouco de Arte para sua Vida homenageia a obra Contraposição de dissonâncias, XVI, do pintor suíço Theo Van Doesburg. O artista, que além de pintor era também escritor, tipógrafo, designer e arquiteto, foi o principal teórico do movimento De Stijl.

 

 

» Confira a lista de todas as obras de arte

» Sobre o projeto "Um pouco de arte para sua vida"

 

Van Doerburg era ávido pela prática de atividades variadas e famoso na vanguarda européia por participar dos movimentos dadaísta, Bauhaus, arte concreta e abstração-criação. Junto com Piet Mondrian, o artista se influenciou, criando pinturas abstradas cruzadas por linhas verticais e horizontais com uma paleta de cores limitada.

 

No entando, a partir de 1924, o artista começou a usar diagonais em sua obra, afirmando que a grade diagonal cria uma tensão dinâmica entre o formato retilíneo da tela e a sua composição. Para ele, essa foi uma inovação que o libertou das verticais e horizontais presas a terra, usadas pelo movimento De Stijl.

 

Van Doesburg batizou essa nova fase de "elementarismo" De Stjil e publicou um manifesto sobre isso no ano de 1926. A mudança de abordagem do artista provocou uma rixa temporária com Mondrian, que entendeu que o amigo não obedecia mais os princípios do neoplasticismo. Foi por esse motivo que Mondrian abandonou o De Stjil.

 

 

3 detalhes de Contraposição de dissonâncias, XVI se destacam:

1. Bordas cortadas:

Muitas formas quadradas e retangulares aparecem na obra de forma incompleta. Todas parecem cortadas pelos limites da tela. Essa falta de coesão visual é deliberada, já que o artista quer que o espectador participe e resolva a tensão criada pela anomalia visual que parece contrária à expectativa de espaço.

 

 

2. Diagonal axis:

Os artistas do De Stijl empregavam em suas obras geometria e fórmulas matemáticas, com o objetivo de criar coesão. Uma linha preta corta a tela do alto à direita até a parte inferior na esquerda e forma um eixo diagonal que divide a pintura em duas.

 

 

3. Retângulo amarelo:

O retângulo amarelo é a nota dissonante na paleta de cores limitada de Van Doesburg. Os artistas do De Stij, que se influenciavam no jazz e na música erudita contemporânea, usavam os contrastes de cores para criar equivalentes visuais de notas ou acordes dissonantes que ouviam. Além disso, foram inspirados por formas geométricas e procuravam criar obras que rejeitassem o uso do simbolismo e da representação de formas naturais orgânicas.

 

Contraposição de dissonâncias, XVI

 

 

Ficha Técnica - Contraposição de dissonâncias, XVI:


Autor: Theo Van Doesburg
Onde ver: Gemeentemuseum, Haia, Holanda
Ano: 1925
Técnica: Óleo sobre tela
Tamanho: 1, 00 m x 1, 80 m
Movimento: De Stijl


Tags:
Comentar

Comentários

    Ver mais 20 resultados

    Comente

    Ver mais