• Quem é você?

Notícias

Conheça Olympia, de Edouard Manet

      
Crédito: Wikipédia
Crédito: Wikipédia

 

A obra de hoje no projeto Um Pouco de Arte para sua Vida é do pintor Edouard Manet. Olympia causou muita controvérsia na França napoleônica.

 

 

» Confira a lista de todas as obras de arte

» Sobre o projeto "Um pouco de arte para sua vida"

 

A representação explícita do descanso de uma cortesã francesa era muito diferente de outras imagens que o artista fez para representar o ambiente social. Ainda que a imagem possa ser situada num contexto mais amplo de nus femininos e que a pose lembre a obra Vênus de Urbino, de Ticiano, Olympia causou muito escândalo devido ao seu caráter expressamente não alegórico e da representação de uma mulher sem roupa fora do conceito de nu clássico.

 

Na arte do século XIX, os nus eram aceitáveis, desde que retratassem ninfas clássicas e figuras divinas. Enquanto nisso, Manet pintava Victorine Meurent, modelo e sua companheira, em um ambiente contemporâneo.

 

A modelo aparece adornada com uma orquídea rosada no cabelo, joias e calçados que chamam a atenção para a sua nudez artificial e sua condição de cortesã. O chinelo solto é um símbolo da perda da inocência, assim como a orquídea é uma representação tradicional da sexualidade.

 

Na obra, o pintor promove a ideia realista de que a arte pode retratar a vida cotidiana de uma forma direta. A pintura não tem o estilo idealizado e uniforme dos nus classicos, assim como a luz implacável acrescenta um toque de brutalidade à cena. A mulher olha para fora da tela de modo confrontador, com uma falta de modéstia perceptível e a empregada negra, totalmente vestida, representa outro ponto controverso na pintura.

 

 

4 detalhes de Olympia se destacam:

1. A mulher nua:

O nu, alegoria da arte canônica, era considerado o mais elevado exemplo da realização artística. No entanto, este não foi o caso de Olympia, tida como mera representação de uma mulher sem roupas. Seus adornos a definem como uma cortesão, e foi por isso que lhe foi atribuída uma posição inferior à das outras figuras nuas que aparecem em quadros da época romântica.

 

 

2. A empregada de Olympia:

A empregada negra chama-se Laura e é usada como modelo profissional na pintura. Em pé, totalmente vestida, Laura segura um buquê de flores, provavelmente enviado por um cliente para a sua patroa. Olympia parece indiferente à presença da empregada. Essa distância emocional é reforçada pela separação física das figuras.

 

 

3. Gato preto:

O gato preto, símbolo da superstição, indica a condição de tabu da cena representada. Posicionado ao lado da empregada negra, o gato chama a atenção para os estereótipos da feminilidade e sexualidade negra que circulavam na época em que o quadro foi exibido.

 

 

4. Buquê de flores:

Símbolo clássico da sexualidade feminina, o buquê chama a atenção para a carga erótica da cena. O motivo floral aparece novamente na colcha sobre o divã da modelo, realçando ainda mais a sua condição de cortesã comum.

 

Olympia

 

 

Ficha Técnica - Olympia:


Autor: Edouard Manet
Onde ver: Museu d'Orsay, Paris, França
Ano: 1863
Técnica: Óleo sobre tela
Tamanho: 1,30 m x 1,90 m
Movimento: Realismo

 

 



Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.