Notícias

Resumo: Romantismo para Enem e vestibulares

      
Resumo: Romantismo para Enem e vestibulares
Resumo: Romantismo para Enem e vestibulares  |  Fonte: Universia Brasil

Universia Enem: plataforma estudos grátis

Acesse aqui

O romantismo é o movimento seguinte ao neoclassicismo do século XVIII. É a arte das paixões, não necessariamente no sentido amoroso, mas sim no apego a ideais e sentimentos. O movimento é dividido em três gerações, e a primeira delas aparece com frequência na Fuvest.

Para saber tudo sobre esse movimento, a Universia Brasil preparou, em parceria com o professor de literatura do Anglo Vestibulares André Koloszuk, um resumo sobre tudo o que o vestibulando precisa saber sobre o romantismo. Confira:

Contexto Histórico

O romantismo foi criado num contexto de inquietação política e grandes revoluções como a Revolução Francesa, ele abrange o século XVIII e grande parte do século XIX. A burguesia se consolidava no poder e com isso passou a existir a necessidade de produzir arte voltada para ela. O resultado disso é o romantismo: uma arte feita pela burguesia, para a burguesia, retratando a burguesia. Portanto, entender a mentalidade burguesa da época é vital para entender as suas obras.

Enquanto isso no Brasil...

Entre 1823 e 1831, o Brasil também estava passando por problemas políticos. Dom Pedro I estava se mostrando um imperador autoritário e aflorando nos brasileiros um nacionalismo luso-fóbico que se mostra nas obras românticas. Na política dois grupos se opõe: os monarquistas (que defendiam as ações de D. Pedro) e os liberais (que defendiam diferentes graus de independência). Na literatura, os reflexos disso foram três grandes temas de romance: o indianista, os históricos e os regionalistas.

Principais Características

O romantismo é a arte da emoção e da subjetividade. Ela vem em oposição ao racionalismo do neoclassicismo, mas ao invés de contrapor as regras científicas com as doutrinas da religião (como fizera o barroco com o classicismo), o romantismo adota o antropocentrismo do classicismo e a teatralidade do barroco para tratar de um novo assunto: os sentimentos pessoais e as ideologias.

Os temas favoritos do romantismo são as diferentes paixões: pela nação, pela arte, pela mulher, pela ideologia, pela revolução. Nos vestibulares, é comum que sejam cobradas as três maiores correntes do romantismo. São elas:

Primeira geração: romances indianistas, a nacionalidade e a idealização o índio.
Segunda geração: romances de folhetim, ultrarromânticos e emotivos.
Terceira geração: condoreirismo, geração engajada e politizada.

Principais Artistas

José de Alencar

José de Alencar

Primeira Geração do Romantismo
1829-1877

O escritor brasileiro José de Alencar foi o autor de Iracema, uma obra típica da primeira geração do romantismo. A obra faz parte de uma trilogia indianista, juntamente com “O Guarani” e “Ubirajara” . O livro trata do romance entre a índia Iracema e um colonizador português, num grande simbolismo para a formação do Brasil.

Alvares de Azevedo

Alvares de Azevedo

Segunda Geração do Romantismo
1831-1852

Alvares de Azevedo foi um poeta brasileiro, mais conhecido nos vestibulares como o autor da coletânea de poemas Lira dos Vinte Anos. Tratam-se de poemas emotivos e que incluem pela primeira vez na história o cotidiano brasileiro.

Castro Alves

Castro Alves

Terceira Geração do Romantismo
1847-1871

Castro Alves foi o poeta brasileiro autor de obras politizadas como “O Navio Negreiro” . Ele era um defensor ferrenho defensor do fim da escravidão e isso era evidente nas suas obras.

Romantismo na arte:

A Liberdade Guiando o Povo de Eugène Delacroix

liberdade-liderando-o-povo

3 de maio de 1808 de Francisco de Goya

tres-de-maio-de-1808-francisco-de-goya

A Dama de Shalott de John William Waterhouse

john-william-waterhouse-a-dama-de-shalott

Como cai

Oh! Bendito o que semeia
Livros... livros à mão cheia...
E manda o povo pensar!
O livro caindo n’alma
É germe – que faz a palma,
É chuva – que faz o mar.

Vós, que o templo das idéias
Largo – abris às multidões,
P’ra o batismo luminoso
Das grandes revoluções,
Agora que o trem de ferro
Acorda o tigre no cerro
E espanta os caboclos nus,
Fazei desse “rei dos ventos”
–Ginete dos pensamentos,
–Arauto da grande luz!...
(Castro Alves)

(FUVEST-SP)

O tratamento dado aos temas do livro e do trem de ferro, nestes versos de “O livro e a América”, permite afirmar corretamente que, no contexto de Espumas flutuantes,

a) o poeta romântico assume o ideal do progresso, abandonando as preocupações com a História.
b) o entusiasmo pelo progresso técnico e cultural determina a superação do encantamento pela natureza.
c) o entusiasmo pelo progresso cultural contrapõe-se ao temor do progresso técnico, que agride a natureza.
d) o poeta romântico abre-se ao progresso e à técnica, em que não vê incompatibilidade com os ciclos naturais.
e) o poeta romântico propõe que literatura e natureza somem forças contra a invasão do progresso técnico.



Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.