Notícias

RESUMÃO REDAÇÃO ENEM: como escrever a introdução

      
RESUMÃO REDAÇÃO ENEM 2017: como escrever a introdução
RESUMÃO REDAÇÃO ENEM 2017: como escrever a introdução  |  Fonte: Universia Brasil

Escrever uma redação é por si só um grande desafio para os candidatos do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), mas dentro dele existe outro: descobrir a melhor forma de começar o texto.

Uma introdução poderosa é fundamental para uma boa nota, uma vez que é ela quem guiará a redação. Além disso, um começo impactante com certeza prenderá a atenção do corretor da prova e fará com que ele leia seus próximos parágrafos com atenção redobrada.

Pensando nisso, preparamos este post com dicas de como escrever a introdução da sua redação no Enem.

O que minha introdução deve conter?

A estrutura do texto dissertativo pode ser dividida em três partes: introdução, desenvolvimento e conclusão. A introdução tem como principal finalidade situar e direcionar o leitor para dentro do texto. Para que isso ocorra, ela deve ser elaborada de uma forma bem definida, objetiva e resumida.

Uma boa introdução deve garantir que o leitor mantenha o interesse ao longo da leitura. Assim como em um filme, o texto elaborado pelo estudante deve surpreender o leitor evitando que ele preveja o seu desfecho logo no começo. Existem diversas formas de começar um texto, algumas mais simples, outras mais elaboradas.

Como posso começar meu texto?

A melhor forma de começar um texto varia de acordo com o tema proposto e com o tipo de argumentação que pretende fazer. Por isso, é importante que você conheça o máximo de opções possíveis e escolha a melhor para cada ocasião. Abaixo consta a lista com 12 opções adequadas para a prova de redação do Enem.

1. Declaração: forma mais comum de começar um texto. O aluno deve elaborar uma declaração forte e surpreendente, capaz de prender a atenção do leitor.

Exemplo: É um grave erro não se dedicar aos estudos.

2. Definição: a definição é uma maneira simples e usada principalmente nos textos dissertativos. Ela pode ocupar todo o primeiro parágrafo.

Exemplo: O mito, entre os povos primitivos, é uma forma de se situar no mundo.

3. Divisão: explicita, já no começo do texto, a direção que o autor vai tomar ao longo do parágrafo.

Exemplo: Predominam ainda no Brasil duas convicções errôneas sobre o problema de exclusão social: a de que ... e a de que ...

4. Oposição: essa forma de introdução cria um contraste que vai conduzir a argumentação.

Exemplos:
A) De um lado, temos ... De outro, ...
B) Vários motivos me levaram a este livro. Dois se destacam pelo grau de envolvimento: raiva e esperança.

5. Alusão histórica: você pode utilizar o seu conhecimento sobre fatos históricos na hora de começar a redação. Isso ajudará o leitor a situar-se no tempo, entendendo melhor a dimensão das questões abordadas ao longo do texto.

Exemplo: Após a queda do Muro de Berlim, acabaram-se os antagonismos leste-oeste e o mundo parece ter aberto de vez as portas para a globalização.

6. Pergunta: a pergunta não deve ser respondida imediatamente pelo autor. Utilize-a para chamar a atenção do leitor para prendê-lo ao texto. Certifique-se de que ela será respondida ao longo da sua argumentação.

Exemplo: Será que é com novos impostos que a saúde melhorará no Brasil?

7. Frases nominais: são aquelas que não contém verbo. Esse tipo de frase pode ser usado no começo do texto, seguidas de uma explicação.

Exemplo: Um sucesso. Essa é a conclusão dos professores após a aplicação das provas.

8. Citação: a citação facilita a continuidade do texto, podendo sensibilizar o leitor.

Exemplo: “Flor do Lácio/Sambódromo/ Lusamérica/ Latim em pó." Como tantos outros poetas já o fizeram, Caetano Veloso homenageia, nestes versos, a língua pátria.

9. Enumeração: geralmente contém demonstrações concretos.

Exemplo: Mouse, delivery, e-mail, home-banking, fast-food: esses são apenas alguns poucos exemplos de termos estrangeiros já incorporados ao vocabulário de grande parte da população brasileira.

10. Adjetivação: consiste no uso de frases compostas somente por adjetivos, que funcionará como base para o desenvolvimento do tema.

Exemplo: Equivocada e pouco racional. Esta é a verdadeira adjetivação para a política educacional do governo.

11. Apresentação de dados estatísticos: consiste na utilização de índices numéricos, fornecendo dados ao leitor sobre determinado assunto.

Exemplo: Hoje, 75% de todos os lusófonos do planeta são brasileiros.

12. Afirmações de impacto: essa forma de começar o texto consiste em atacar opiniões difundidas pelo senso comum. Entretanto, ela exigirá um esforço dobrado do autor para sustentar o seu ponto de vista com uma boa argumentação.

Exemplo: O projeto do deputado "Fulano" revela-se fruto de extrema ingenuidade e de má compreensão.

O que será levado em consideração na hora de corrigir meu texto?

Ao contrário do que muitos pensam, a correção da redação do Enem não é subjetiva. Pelo contrário, ela segue uma série de critérios (ou competências) bem claros, determinados pelo Inep e amplamente divulgados pelo órgão. Conheça:

Competência 1: domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa

O primeiro critério de correção do Enem é um critério universal cobrado em todas as provas de redação de vestibular do Brasil.

Embora o Enem seja um exame que respeite as variações linguísticas existentes no nosso território, a redação exige a utilização da escrita formal da língua portuguesa. Por isso, você deverá ser capaz de distinguir as linguagens formal e informal. Não utilize gírias, contrações (“pro”, “pra”) e regionalismos. Atente-se também à pontuação.

Para demonstrar domínio da língua formal, é importante que você tenha domínio de ortografia e gramática, principalmente no que diz respeito à crase, concordância (nominal e verbal), regência (nominal e verbal) e pronomes. E lembre-se: o novo acordo ortográfico já está em vigor!

Competência 2: compreensão da proposta e demonstração de repertório

O segundo aspecto que será avaliado na sua redação é a adequação do texto à proposta e a sua capacidade de aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema sem fugir dele. Essa competência avalia as habilidades integradas de leitura e escrita.

No Manual de Redação do Enem 2017, o MEC faz algumas recomendações para que os estudantes atendam às expectativas da Competência 2. Entre elas, estão a leitura atenciosa da proposta da redação e dos textos motivadores, além da utilização de informações de várias áreas do conhecimento como forma de demonstrar que o autor do texto está atualizado em relação ao que acontece no mundo.

A temida fuga total ao tema, que zera uma redação, acontece quando nem o assunto mais amplo nem o tema proposto são desenvolvidos.

Competência 3: selecionar, relacionar, organizar e interpretar

O terceiro aspecto avalia a inteligibilidade do seu texto, ou seja, o seu nível de coerência e a plausibilidade das ideias. O corretor avaliará a forma como você seleciona, relaciona, organiza e interpreta informações, fatos, opiniões e argumentos para defender sua tese. 

Competência 4: demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação

Aqui, o foco é a estruturação lógica e formal da sua redação. Você deverá ser capaz de encadear logicamente o seu texto, seja dentro de cada parágrafo ou no conjunto de todos os parágrafos. Para ser bem avaliado na competência 4, você deverá demonstrar profundo conhecimento de preposições, conjunções, advérbios e locuções adverbiais. Lembre-se de que cada ideia nova deverá ter uma relação clara com as anteriores.

Competência 5: sugerir soluções

O quinto e último aspecto a ser avaliado no seu texto é a apresentação de uma proposta de intervenção para o problema abordado. Sua proposta deve ser coerente com sua tese e com seus argumentos.

A dica para elaborar uma boa proposta é não escrever soluções mágicas, vagas ou genéricas. Tente ser o mais concreto e realista possível: indique a ação sugerida, o meio de executá-la, quem deve tomar parte no processo e qual o efeito esperado da intervenção.

Escrever uma boa redação no Enem é o que pode fazer toda a diferença na luta por uma vaga na universidade. Por isso, estude com afinco e lembre-se de praticar a escrita sempre que possível. Prepare-se para atingir os critérios exigidos em cada competência e, no dia da prova, preste atenção redobrada na proposta e nos textos de apoio que serão oferecidos.

Agora que você já aprendeu como escrever a introdução da sua redação no Enem, que tal checar nossos outros conteúdos? Siga nossas páginas nas redes sociais e tenha acesso a mais textos incríveis. Estamos no Facebook, Twitter, LinkedIn e Instagram.



Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.