Notícias

Enem 2018: tudo o que você precisa saber sobre a edição deste ano

      

Em 2017, a prova do Enem sofreu novas alterações — depois de vários anos sendo aplicada em um fim de semana, agora ela acontece em dois domingos consecutivos. Além disso, na edição de 2018 o processo de solicitação de isenção da taxa do exame mudou, e agora é feito antes do período de inscrições.

Quer entender melhor essas e outras mudanças? Neste texto, vamos explicar tudo o que você precisa saber sobre o Enem, desde a preparação para o exame até o momento de usar a nota para se inscrever na universidade, confira!

Afinal, você sabe para que serve o Enem?

O Enem foi criado pelo Ministério da Educação para avaliar a qualidade do ensino médio brasileiro. No entanto, com o passar do tempo e com a criação de programas como o Sisu, o ProUni e o Fies, a prova foi ganhando espaço como forma de acesso ao ensino superior e assumiu o lugar dos vestibulares tradicionais, principalmente para as universidades públicas.

Até 2016 o Enem também podia ser usado por maiores de 18 anos para conseguir a certificação do ensino médio. Porém, a partir da edição de 2017, essa função voltou a ser do Encceja, o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos.

Além das universidades brasileiras, a partir de 2014 o Enem também passou a ser aceito como forma de entrada em universidades de Portugal. A primeira a aceitar a nota do exame como forma de inscrição foi a Universidade de Coimbra, e hoje já são 29 universidades portuguesas que assinaram o acordo com o INEP, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, responsável pela aplicação do exame.

Como deve ser a preparação para o exame?

O Enem cobra conteúdos de todos os anos do ensino médio. Por isso, o ideal é começar a pensar na prova logo que terminar o ensino fundamental — quanto mais tempo de preparação você tiver, mais seguro se sentirá no dia do exame.

O Enem permite que estudantes do ensino médio que ainda não estão no terceiro ano se inscrevam como “treineiros”. Isso quer dizer que a partir do primeiro ano você já pode participar. No entanto, apenas para conhecer o exame e treinar, já que sua nota não será válida.

Principalmente no último ano do ensino médio, ter uma rotina de estudos bem organizada é essencial para ser capaz de revisar todo o conteúdo necessário antes da prova. Confira algumas dicas importantes e veja como organizar seus estudos:

Crie um plano de estudos

A primeira coisa a fazer é organizar aquilo que deve ser estudado. Como fazer isso?

  • pesquise sobre as matérias que caem no Enem;
  • faça uma lista com tudo o que precisa ser visto;
  • estabeleça prioridades: quais conteúdos você tem menos domínio? O que você mais precisa estudar? Se sua prioridade for matemática, por exemplo, você saberá que necessita dedicar mais tempo de estudo a essa matéria do que às outras;
  • crie um cronograma dividindo seu tempo disponível entre os conteúdos, de acordo com o quanto precisa se dedicar a cada um;
  • lembre-se de incluir tempo para fazer e corrigir exercícios ;
  • treine a redação;
  • pesquise sobre os assuntos que mais caem no exame e tente dar prioridade a eles quando for montar seu plano de estudos. Apesar de cobrar o conteúdo de todo o ensino médio, alguns assuntos específicos são mais comuns no Enem. Um exemplo é a Química Orgânica, que sempre está presente nas provas de Ciências da Natureza e suas Tecnologias.

Encontre um local adequado para estudar

Para se concentrar, nada melhor do que um local silencioso, bem iluminado e confortável na medida certa. Monte um ambiente de estudos agradável, que ajude você a manter o foco, e tire de perto todas as distrações indesejadas.

Atenção: se você estuda em casa, nada de exagerar no conforto. Se tentar estudar deitado na cama ou na frente da TV, por exemplo, pode até dar certo no começo, mas seu rendimento certamente não será o melhor.

Da mesma forma, fica muito mais difícil se concentrar nos estudos se algo estiver te incomodando, como uma cadeira dura ou um local barulhento. Seu ambiente de estudos não precisa ser muito elaborado, mas conforto e tranquilidade na medida certa ajudarão você a render mais.

Busque materiais de qualidade

Se você está se preparando sozinho para o exame, é essencial que busque um bom material de apoio. Apostilas, vídeos, resumos — é possível encontrar muita coisa na internet, mas é importante pesquisar bem sobre o material e ter certeza de que ele é bom. Caso contrário, em vez de ajudar nos seus estudos, pode acabar atrapalhando.

Uma boa alternativa é o material oferecido pelo MEC por meio da plataforma online Geekie Games Enem. Além de material de estudo, a plataforma também oferece vários simulados.

Faça simulados

Testar seus conhecimentos é essencial para descobrir suas falhas e conseguir identificar os pontos nos quais tem mais dificuldade. Ou seja, o “efeito de testagem” é uma ótima forma de fixar o aprendizado.

Ao fazer simulados, você ainda aprende a controlar seu tempo, conhece melhor a prova e consegue entender como o conteúdo é abordado. Faça o máximo de simulados que puder, de preferências com questões dos anos anteriores, ou que sejam parecidas com as que aparecem no Enem.

Treine a redação

A prova de Redação é uma das mais temidas pelos vestibulandos, provavelmente por ser a única parte dissertativa, por exigir conhecimentos multidisciplinares e porque zerá-la anula a validade do exame.

Por esses e outros motivos, treinar a redação é fundamental. O ideal é fazer no mínimo um texto por semana, dependendo do tempo que ainda tem para se preparar antes da prova oficial. Pesquise temas prováveis, leia sobre assuntos da atualidade e faça os textos dentro do padrão exigido pelo Enem.

Invista em um cursinho

Não é impossível conseguir uma boa nota no Enem estudando sozinho, existem inúmeros casos de sucesso que mostram isso. No entanto, se for uma alternativa viável, a ajuda de um cursinho pré-vestibular pode tornar o processo muito mais rápido e fácil.

Afinal, no cursinho você terá apoio dos professores, monitorias para tirar dúvidas, um bom material, além de várias dicas de pessoas que são especialistas nos assuntos cobrados, que podem ajudar muito na hora do exame.

Existem diversas opções de cursinhos preparatórios, basta encontrar aquela que é mais adequada para você. Além dos cursinhos presenciais, por exemplo, também é possível optar por modelos online, que costumam ser mais baratos e permitem mais flexibilidade.

Lembre-se de que o preparo psicológico também é importante

Além de dominar bem os conteúdos, para alcançar um bom resultado no Enem o candidato precisa estar psicologicamente preparado. Isso porque a pressão é alta, são muitas horas de prova e o exame é cansativo.

Quando estiver se preparando para o Enem, lembre-se de que ele não é sua única chance. Mesmo se não for bem no primeiro ano, sempre haverá uma nova prova no ano seguinte. Confie em sua preparação e lembre-se de que o que cai no exame não é nada além do conteúdo estudado durante o ensino médio.

Quais são os prazos do Enem e quais documentos são necessários para se inscrever?

O Enem não tem um calendário fixo. Todos os anos um novo calendário é divulgado, com os prazos de inscrição e com a data da prova. O calendário do Enem 2018 já está em andamento e as inscrições para a edição estão encerradas — terminaram no dia 18 de maio.

Este ano, o período de solicitação de isenção da taxa do exame, que é de R$ 82, passou a ser separado do período de inscrições. Os candidatos interessados tiveram do dia 2 ao dia 11 de abril para pedir isenção da taxa e, se fosse o caso, para justificar ausência na edição de 2017.

A justificativa de ausência deve ser feita caso o participante tenha faltado em algum dos dois dias de prova no ano passado e queira pedir isenção do valor da inscrição para o exame de 2018.

Em seguida, no dia 7 de maio começou o prazo de inscrições do Enem, que foi até o dia 18 de maio. Para se inscrever o candidato precisava ter em mãos os números de identidade e CPF, nome completo da mãe, além de algumas outras informações básicas sobre a família e a escola em que cursa ou cursou o ensino médio.

Mesmo aqueles candidatos que pediram e conseguiram a isenção da taxa do exame tiveram que fazer a inscrição. Para os candidatos que não tiveram isenção da taxa, o prazo para pagar o boleto de inscrição foi até o dia 23 de maio.

Para os candidatos que querem participar da prova usando o nome social, o prazo determinado para solicitação ficou definido entre os dias 28 de maio e 13 de junho.

Quando acontecem as provas do Enem?

Primeiro dia: 4 de novembro, das 13h30 às 19h. Nesse dia os candidatos farão as provas de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, Redação, e Ciências Humanas e suas Tecnologias.

Segundo dia: 11 de novembro.No segundo domingo os candidatos farão as provas de Ciências da Natureza e Matemática e suas Tecnologias, que nesta edição terão meia hora a mais de duração: das 13h30 às 18h30.

O que levar no dia da prova?

Além de toda a preparação antes do exame, algumas coisas são fundamentais no dia da prova para garantir que tudo corra bem.

Começando pelos itens obrigatórios, que todo participante deve levar no dia:

  • um documento de identificação oficial com foto, que pode ser, por exemplo, o RG ou o passaporte;
  • o cartão de confirmação da inscrição;
  • duas canetas esferográficas de tinta preta, no mínimo — vale lembrar que o tubo da caneta precisa ser transparente e que não são aceitas canetas de outras cores.

É recomendável que o candidato chegue ao local de prova com mais de uma hora de antecedência para entrar e se preparar com calma e evitar se deparar com o portão fechado — ele abre às 12 h e fecha às 13 h, 30 minutos antes do início do exame.

Dica extra: leve um lanche e aumente sua concentração na hora da prova

Além dos materiais obrigatórios, é sempre bom levar uma garrafa com água e algum alimento para comer durante a prova, afinal, são cinco horas de duração. Opte por alimentos fáceis de comer, como chocolates, bolachas e barrinhas de cereais. Procure levar coisas leves, que não ofereçam risco de causar nenhum tipo de desconforto, que forneçam energia e que ajudem na concentração.

Como ir bem na prova objetiva e na redação?

Antes de mais nada, é preciso saber organizar seu tempo durante a prova — para isso, todos os exercícios e simulados que você fez durante a preparação para o exame serão de grande ajuda. Conhecer bem a prova e o modo como o conteúdo é cobrado já é uma grande vantagem.

Não se prenda em questões difíceis, que você não sabe como resolver. Se der aquele branco na hora, pule a questão e deixe para voltar nela depois. O tempo é precioso na prova do Enem: são 90 questões por dia, além da redação, que é feita no primeiro domingo do exame — você precisa aproveitar o tempo que tem da melhor forma possível.

Para ir bem na redação, uma boa dica é fazer um esquema com a estrutura do texto antes de começar a escrever. Assim, você consegue organizar as ideias, pensar no que colocar em cada parte do texto e garantir que o conteúdo ficará coerente, coeso e dentro do padrão exigido.

Junto com as questões, você receberá o seu cartão-resposta. Lembre-se de preenchê-lo com muito cuidado, de acordo com as orientações recebidas, principalmente na hora de transcrever a redação. Rasuras anulam a prova, e o cartão não pode ser substituído.

Como conferir os resultados do exame?

O resultado do Enem geralmente é divulgado no início do ano seguinte, ainda no mês de janeiro, no site do INEP. Para acessar o resultado, você precisará entrar na página de participante, usando o número do seu CPF e a senha que cadastrou no momento da inscrição.

As notas são divulgadas separadamente, por área: você verá sua nota na prova de Redação, de Ciências Humanas e suas Tecnologias e assim por diante. Para saber sua média no exame, é preciso somar as 5 notas e dividir por 5.

Para ser aprovado e poder usar a nota no Sisu, ProUni ou Fies, o participante precisa conseguir, no mínimo, 450 pontos no exame, ter comparecido aos dois dias de prova e não ter tirado zero na Redação.

ProUni, Sisu ou Fies? Entenda cada um deles e saiba como usar sua nota do Enem

Sisu

O Sistema de Seleção Unificada (Sisu) é a principal forma de entrada nas universidades públicas do Brasil. As inscrições são feitas por meio de uma plataforma online, usando a nota do Enem, e acontecem duas vezes por ano, geralmente no início do primeiro e do segundo semestre, em janeiro e julho.

Na página do Sisu, o candidato pode consultar todas as vagas disponíveis e escolher duas opções de curso, na mesma universidade ou em universidades diferentes.

A nota de corte do Sisu é calculada de acordo com o número de vagas disponíveis e com as notas dos participantes inscritos. Se são 50 vagas para um curso, por exemplo, os aprovados serão os candidatos inscritos que tiverem as 50 maiores notas.

Depois de conseguir a vaga, o candidato deverá seguir as orientações da universidade para realizar a matrícula. Caso a matrícula não seja efetivada, a vaga volta a ficar disponível para segunda chamada. Se o candidato não for aprovado na primeira chamada é possível ainda se inscrever na lista de espera e aguardar por novas convocações.

ProUni

O Programa Universidade para Todos (ProUni) foi criado com o objetivo de facilitar o acesso ao ensino superior para pessoas de baixa renda.

O programa oferece bolsas em universidades particulares para estudantes que tenham renda familiar per capita de até um salário mínimo e meio, no caso de bolsa integral, ou de três salários mínimos, no caso de bolsa parcial.

Para se inscrever é necessário ter cursado todo o ensino médio em escolas públicas ou com bolsa integral em escolas particulares.

O ProUni também beneficia professores permanentes de escolas públicas que queiram concorrer a bolsas em cursos de licenciatura, normal superior ou Pedagogia. Nesse último caso, a renda não é considerada.

As inscrições funcionam da mesma forma que o Sisu: acontecem duas vezes por ano, em uma plataforma online. A principal diferença entre os dois processos é que o ProUni tem apenas uma chamada, e os estudantes não selecionados precisam manifestar interesse para continuar concorrendo às vagas que forem para a lista de espera.

Vale ressaltar que tanto no ProUni quanto no Sisu o candidato só pode concorrer na lista de espera com sua primeira opção de curso.

Fies

Diferentemente do ProUni, o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) não oferece bolsas. Ele é um dos principais financiamentos estudantis existentes e busca atender estudantes de baixa renda em universidades particulares.

Para se inscrever no programa o candidato precisa já estar matriculado em um curso superior, ter renda familiar máxima de três salários mínimos por pessoa e ter realizado a prova do Enem a partir de 2010 — de modo diferente do Sisu e do ProUni, para se inscrever no Fies não é necessário ter participado da última edição do exame.

Recentemente, o Fies passou por uma série de alterações na tentativa de ampliar o acesso ao programa para mais alunos, inclusive com outros níveis de renda. Para entender melhor as mudanças e a utilização do programa, vale a pena conferir as novas regras do Fies.

Universidades Portuguesas

Desde 2014 várias universidades portuguesas passaram a aceitar a nota do Enem como forma de candidatura para estudantes brasileiros.

Não existe uma plataforma unificada de candidatura, portanto, para saber quais são as regras e formas de candidatura, você deverá consultar a lista de universidades credenciadas e verificar o processo definido no site de cada uma delas.

Quais são os cursos mais concorridos no Enem?

Os cursos mais concorridos são aqueles que têm as notas de corte mais altas, tanto no ProUni quanto no Sisu. Por anos, o topo da lista tem sido ocupado pelo curso de Medicina, que costuma ter médias acima de 800 e chega a ter concorrência de mais de 40 candidatos por vaga em algumas universidades.

Outro curso que não fica atrás, apesar do grande número de vagas disponíveis, é o Direito, principalmente nas universidades públicas. Cursos da área de Engenharia que existem em poucas universidades, como o de Engenharia Aeroespacial, por exemplo, também costumam ter médias bem elevadas.

Além dos cursos específicos, universidades como a UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) e a USP (Universidade de São Paulo), que passou a aceitar a nota do Enem há poucas edições, entre outras, também costumam ter notas de corte altas em quase todos os cursos.

A princípio, o Enem pode parecer muito difícil, principalmente se você ainda não conhece a prova e está participando pela primeira vez, mas no decorrer do tempo, com a preparação adequada, você perceberá que ele não é nenhum bicho de sete cabeças. Seguindo as dicas acima e se preparando com dedicação, as chances de sucesso são altíssimas!

Agora você já sabe tudo sobre o Enem, desde o começo da preparação até a forma como deve usar a nota depois que receber o resultado.

Para ficar sempre por dentro de assuntos como esse e aumentar as suas chances de se sair bem no Enem, assine a nossa newsletter!



Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.