Notícias

Conheça a jovem que conseguiu uma bolsa na Lehigh University

      
Conheça a jovem que conseguiu uma bolsa na Lehigh University
Conheça a jovem que conseguiu uma bolsa na Lehigh University  |  Fonte: Tiago Queiroz/Divulgação Ismart

Considerada ambiciosa por ter como meta entrar em alguma das melhores universidades de São Paulo, a jovem Marina Sutija, de 19 anos, não poderia imaginar que seus sonhos a levariam ainda mais longe. Estudando Engenharia Química na Lehigh University, nos Estados Unidos, onde conseguiu uma bolsa de estudos, Marina agora quer poder usar seus conhecimentos para contribuir com a sua comunidade. Entre os objetivos, buscar formas de tratar os rios Pinheiros e Tietê.

Moradora de Carapicuíba, na região metropolitana de São Paulo, a estudante sempre foi incentivada a se dedicar à educação para alcançar seus objetivos. “Meus pais me ensinaram desde muito nova que a educação tem um poder transformador muito grande e que poderia me levar aos destinos mais altos, ao alcance dos meus sonhos. E que, apesar da nossa família não ter recursos financeiros, o dinheiro nunca deveria ser uma barreira entre o conhecimento e eu”, explica.

Foi seguindo esse conselho que ela começou a querer se graduar em uma universidade de excelência. Estudante de escola pública até o nono ano, Marina conquistou uma bolsa para cursar o Ensino Médio em uma escola particular. Foi nessa época em que percebeu que poderia, além de tentar os vestibulares no Brasil, buscar uma oportunidade fora do país.

Veja as outras histórias da série Brasileiros de Destaque

“No primeiro ano [do Ensino Médio] eu comecei a planejar como eu poderia conseguir uma bolsa numa universidade nos EUA”, conta. A rotina era puxada e o processo de adaptação foi difícil, mas ela não desistiu. “Encarei, com o suporte dos meus pais, cada desafio sabendo que eles me fariam mais forte, me preparariam para outros mais difíceis, e, finalmente, me levariam para a faculdade dos meus sonhos”.

Auxiliada pelo programa Ismart, que dá a chance de alunos de baixa renda e bom desempenho estudarem em colégios particulares, e já havia levado Marina para o Colégio Sidarta, a jovem teve a chance de sentir como seria a experiência de estudar fora ao conseguir uma bolsa para um curso de verão em Yale. “Eu pude reforçar a minha ideia de estudar fora e ver se aquilo era mesmo tudo o que eu imaginava. Para a minha alegria, era. Cada dia era mais inspirador e cheio de novidades que o outro. E eu não só estive em um ambiente acadêmico americano, como também tive aulas relacionadas ao meu curso (Engenharia e Química) com estudantes de graduação de universidades estadunidenses, com quem eu pude trocar experiências e tirar dúvidas”, explica.

Ao voltar do curso de verão, a rotina de estudos se intensificou. Marina se dividia entre estudar para o vestibular tradicional e para os processos norte-americanos. Em meio a isso, ela ainda se preparava para o TOEFL, certificado de proficiência em inglês exigido pelas instituições. “Algo que eu acredito que tenha feito diferença foi a minha organização. Eu sempre gostei de anotar e fazer planos para tudo o que eu gostaria de fazer no dia ou na semana, dividindo meu tempo para ler os livros e fazer simulados”.

Com a ajuda da Education USA, uma instituição dos Estados Unidos que dá oportunidades acadêmicas a alunos brasileiros, a estudante encontrou o estilo de instituição que buscava. “Eu cheguei à conclusão de que o que eu buscava era uma faculdade de médio porte. O que fez eu me apaixonar por Lehigh não foram só esses atributos, mas também o fato de que ela os une com um dos melhores programas de engenharia e pesquisa do país”, conta.

Já no segundo semestre nos Estados Unidos, Marina conta que o maior desafio foi se adaptar ao ritmo, mas nada que ofuscasse a felicidade de estar na Lehigh. “Aqui, cada dia me proporciona uma surpresa diferente. Mesmo sabendo que eu teria aula com professores brilhantes, é impressionante e inspirador ir para a aula às oito da manhã e ouvir um professor fazer, apaixonadamente, do conceito mais simples de cálculo algo belo e cheio de riqueza”.

Para o futuro, ela deseja retribuir aquilo que conquistou ajudando o local de onde veio, em especial, no que for relacionado ao meio ambiente. “A minha razão de buscar o melhor ensino no mundo não foi somente para mudar a minha realidade, mas também a realidade da minha comunidade no Brasil. Eu acredito que para fazer a mudança no mundo é preciso começar em casa. E a minha casa é o Brasil. Eu quero voltar depois que me formar e aplicar a minha pesquisa no país, com o objetivo de alcançar o meu maior sonho: mudar a forma como nós nos relacionamos com a água”, explica.

Quem tiver interesse em conhecer o programa, o Ismart está com bolsas abertas para estudantes da rede pública. Para os jovens que têm o mesmo sonho, Marina deixa um recado:



Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.