Notícias

6 alternativas para pagar a faculdade quando não se tem dinheiro

      

1. FIES

O FIES é um programa do Governo Federal que financia o valor parcial ou integral das mensalidades de cursos de graduação de instituições privadas. Para se inscrever no processo seletivo, é preciso acessar o Sisfies, o Sistema Informatizado do Fies.

A seleção dos participantes é feita com base na nota obtida no ENEM. O estudante que obtiver o mínimo de 450 pontos na média da prova e nota diferente de 0 na redação tem direito a se inscrever na seleção do FIES. Além disso, é preciso ter renda familiar per capita de até 3 salários-mínimos e 20% de comprometimento dessa renda com as mensalidades.

A taxa de juros é de 6,5% ao ano, um valor bastante inferior se comparado a de outros financiamentos. O período de carência é de 18 meses e a amortização varia de acordo com a duração do curso, sendo 3 vezes o período de duração regular do curso, acrescidos de 12 meses.

2. Financiamento estudantil dos bancos

O financiamento estudantil privado é uma opção bastante utilizada por estudantes que querem fazer seu curso de graduação em uma faculdade particular e não têm condições financeiras para arcar com as mensalidades. Normalmente, as instituições financeiras permitem financiar entre um semestre a um ano de faculdade e a dívida pode ser paga no dobro desse tempo.

Os juros aplicados nessa modalidade costumam ser bem mais em conta que os de um empréstimo tradicional, mas mesmo assim são bem mais altos que os juros do FIES.

A principal vantagem do financiamento estudantil privado é que para contratá-lo não é preciso se encaixar nas especificidades exigidas pelo FIES, como comprovação de necessidade financeira e bom desempenho no ENEM.

Para contratar um financiamento estudantil é preciso ser correntista do banco em questão. Se você ainda não tem uma conta naquele banco, precisará abrir uma. As condições gerais, como taxas de juros e prazo para pagamento, variam de acordo com a instituição financeira.

3. Financiamento estudantil de empresas de crédito

Algumas instituições financeiras são especializadas em financiamentos. A contratação pode ser feita diretamente pela internet. Nos sites de algumas empresas, é possível até mesmo fazer uma simulação para saber exatamente quando você vai quitar sua dívida e qual será o montante necessário para a operação.

Uma das vantagens é a possibilidade de utilização do limite de crédito para quitar até 2 mensalidades do curso que estejam em atraso (para alunos com o curso em andamento). Os estudantes que possuem desconto ou bolsa junto à Universidade podem usar o financiamento para pagar o valor restante da mensalidade.

4. ProUni

O ProUni é um programa do Ministério da Educação que oferece bolsas de estudos parciais ou integrais em instituições privadas de ensino superior. Para conseguir a bolsa integral, é preciso ter renda familiar per capita de até um salário-mínimo e meio. Quem tem renda familiar per capita de até três salários-mínimos pode ter bolsa de até 50%. Se o candidato contemplado com bolsa parcial não tiver condições financeiras para pagar a outra metade do valor da mensalidade, pode recorrer ao FIES para financiar o valor devido.

As inscrições são feitas uma vez ao ano, em datas previamente estipuladas. Para se candidatar ao ProUni é preciso ter participado do último ENEM e obtido média no exame de, no mínimo, 450 pontos e nota diferente de zero na redação. As notas obtidas no exame são consideradas como critério para a ordem de distribuição das bolsas, ou seja, candidatos com melhores notas têm mais opções de cursos disponíveis.

As bolsas do ProUni valem para toda a duração do curso, mas o recebimento da bolsa é interrompido se o estudante não for aprovado em, no mínimo, 75% das disciplinas cursadas em cada período letivo.

5. Bolsas de estudos de programas

Alguns programas ou projetos, do Governo ou de instituições particulares, ofertam bolsas de estudos. Confira!

Bolsa Universidade

O Bolsa Universidade é um convênio estabelecido entre o Governo do Estado de São Paulo e as instituições privadas de ensino superior, por meio da Secretaria de Educação, que custeia 50% do valor da mensalidade do curso de graduação, até o limite de R$ 500,00. O restante é assumido pelas universidades.

Como contrapartida, aos finais de semana os bolsistas desenvolvem atividades nas escolas públicas participantes do Programa Escola da Família. As atividades podem ser compatíveis com o curso de graduação do estudante, ou estar de acordo com suas habilidades pessoais, nas áreas Trabalho, Esporte, Cultura ou Saúde.

Bolsas Educação do Santander Universidades

As Bolsas Educação do Santander são bolsas de estudo oferecidas anualmente, direcionadas preferencialmente para alunos com excelente desempenho acadêmico e baixas condições financeiras. O programa tem como objetivo apoiar estudantes no pagamento das suas respectivas mensalidades.

O universitário selecionado é contemplado com uma bolsa-auxílio no valor de R$300 mensais, fornecida durante o período de até 12 meses. São oferecidas 300 bolsas.

Quero Bolsa

O projeto Quero Bolsa oferece bolsas de estudos parciais. Não é necessário comprovar renda ou fazer nenhuma prova para obter o desconto. Para se cadastrar, é preciso entrar no site, consultar as universidades e cursos com bolsas disponíveis e fazer a pré-matrícula no curso escolhido. O desconto é válido até o fim do curso.

Educa Mais Brasil

O programa Educa Mais Brasil disponibiliza milhares de bolsas de estudo, com até 70% de desconto. No ato da inscrição online, você tem acesso aos percentuais disponíveis para o curso pretendido. A bolsa é válida para o período acadêmico em que o aluno foi contemplado, podendo ser renovada semestralmente, até a conclusão do curso.

6. Bolsas de estudos da universidade

Uma alternativa ao estudante são as bolsas e auxílios oferecidas diretamente pelas universidades.

As bolsas de estudos oferecidas pelas universidades privadas seguem variados critérios de oferecimento:

  • auxiliar alunos que comprovem insuficiência de renda;

  • premiação por bom desempenho no vestibular ou no curso;

  • parentesco com outros alunos;

  • quando um aluno entra na universidade por indicação de outro aluno;

  • quando o aluno faz estágios na própria universidade ou presta serviços em departamentos da universidade.

Como você pôde conferir neste artigo, são várias as opções para quem vai fazer um curso de graduação em uma instituição privada e não quer ou não pode comprometer seu orçamento. Escolha a melhor alternativa, de acordo com o seu caso. O importante é não desistir de fazer o curso de graduação que você deseja!

Quer mais informações sobre maneiras de pagar a faculdade? Baixe gratuitamente nosso e-book Guia do Financiamento Estudantil.



Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.