Notícias

Fake news: segredos para fugir delas enquanto você estuda para o Enem

      

Estudos recentes do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês), conforme revelado pelo jornal Estadão, identificaram que informações falsas têm 70% mais chances de se espalhar na internet do que as verdadeiras.

Os dados levantados são preocupantes, uma vez que essa disseminação aumenta os riscos de o leitor obter e divulgar notícias irreais. Diante desse contexto, os estudantes devem estar atentos para evitar cair em "pegadinhas" na hora de estudar para o Enem.

Por isso, separamos 8 segredos para os alunos fugirem das chamadas fake news. Não deixe de conferir!

1. Consulte a página oficial do Enem

Para obter informações sobre a realização das provas, o cronograma e as inscrições, consulte sempre a página oficial do Enem. Trata-se da fonte mais confiável para que você não perca nenhuma etapa do processo.

As consultas em sites desconhecidos não são recomendadas pelo fato de que, geralmente, as notícias são incompletas e/ou imprecisas. Caso deseje consultar outras fontes, procure jornais online que você conheça e que tenham certa credibilidade no mercado.

2. Questione a veracidade das notícias

Um dos segredos para fugir das fake news é manter sempre uma postura desconfiada diante das notícias, evitando ser levado por dados inverídicos e pela parcialidade das manchetes.

Manter-se em alerta quando a informação diz respeito a uma temática com a qual você concorda é ainda mais importante. Muitas pessoas acabam divulgando fontes falsas por desejar que aquilo seja verdade ou por querer impor uma opinião ou convicção pessoal. Portanto, busque a neutralidade e o espírito investigador diante das publicações.

3. Leia todo o conteúdo das matérias

É na manchete que os jornalistas ganham seus leitores, e a lógica usada pelos divulgadores de fake news não é diferente. A criação de um título chamativo ou polêmico é uma técnica muito usada e, na maioria das vezes, irresistível aos olhos do público.

Por esse motivo, torna-se necessário ter cautela ao abrir qualquer conteúdo, buscando sempre ler as matérias na íntegra. Isso permite um melhor entendimento acerca da veracidade da informação.

Avaliar interesses políticos e ideológicos que estão por trás da notícia também pode ser importante para, além de reconhecer informações sensacionalistas, desenvolver um senso crítico do mundo.

4. Analise a credibilidade do site

Uma das grandes dicas para identificar notícias falsas é avaliar a credibilidade do site divulgador. Por meio do URL, é possível perceber se trata-se de um jornal respeitado ou se é mais um blog desconhecido.

É claro que é totalmente possível que páginas não famosas divulguem dados verídicos. No entanto, meios de comunicação já consolidados no mercado tendem a ter uma maior cautela ao noticiar, visto que a própria reputação da empresa é colocada em jogo. Dessa forma, a probabilidade de ter acesso a um conteúdo falso é bem menor.

5. Verifique a data da publicação

A divulgação de notícias fora de contexto e com datas antigas também pode caracterizar oportunismo. Isso é prejudicial, uma vez que as pessoas podem confundir o contexto ou relacionar a informação a uma situação diversa da realidade.

É necessário, portanto, verificar a data em que o dado foi divulgado, em que situação e diante de qual contexto histórico. À primeira vista, essa dica pode não parecer tão relevante. Entretanto, ela é fundamental para uma interpretação coerente do que está escrito.

6. Preste atenção em erros de formatação ou gramática

Erros na língua portuguesa podem dar indícios de fake news. Isso porque, geralmente, os sites que divulgam esse tipo de notícia não têm compromisso com sua credibilidade. É raro, por exemplo, notar erros grosseiros de ortografia e pontuação em jornais conhecidos e que operam em todo o Brasil. Portanto, ao ler as matérias, note se há qualquer incoerência na linguagem.

7. Cheque no Google

Um dos mecanismos para checar a veracidade da informação é buscar saber se mais veículos divulgaram a notícia. A dica, portanto, é pesquisar no Google se o dado saiu em mais sites confiáveis.

Depois de fazer essa breve análise, perceba também se a notícia foi divulgada da mesma forma e se não há distorções ao longo do texto. A manipulação de fatos é comum.

À primeira vista, fazer essa avaliação pode parecer fácil. Entretanto, as manipulações podem se dar por meio de uma linguagem muito sutil e, ao mesmo tempo, parcial. Isso faz com que, mesmo sem saber, o leitor absorva ideias atribuídas a interesses específicos. A partir do momento em que o aluno sabe fazer essa interpretação, sem dúvida estará apto a exercer seu senso crítico e aproveitá-lo na prova do Enem.

8. Verifique o clickbait

O termo clickbait se refere aos conteúdos divulgados na internet e que são destinados à geração de receita de publicidade. Por meio de manchetes sensacionalistas e chamativas, esse tipo de postagem tem por objetivo atrair leitores e incentivar o compartilhamento online.

O estudante deve estar atento porque, mesmo que a informação não esteja 100% incorreta, a matéria pode estar incompleta, prejudicando a formulação de uma opinião final pelo leitor.

A era digital e a liberdade de imprensa podem servir como grandes aliadas da democracia. Entretanto, é necessário ter muita cautela, pois trata-se de um terreno perigoso e que pode ser alvo da má-fé de alguns. O caso das fake news prova essa tese.

Os meios comunicativos, que poderiam ser facilitadores do acesso à informação, acabam por prejudicá-lo. Diante da repercussão e da importância do tema, diversas redes sociais têm tomado medidas apropriadas para conter a propagação de notícias falsas em suas plataformas. O próprio Facebook tem se movimentado, criando políticas mais rígidas que visam combater as fake news por meio da remoção e da redução dessas notícias divulgadas.

Em síntese, é necessário que o estudante tenha cautela ao se informar e ao estudar. Por trás de inocentes manchetes há interesses políticos, financeiros e ideológicos que devem ser avaliados. Assim, além de garantir uma nota 1000 na prova do Enem, você ajuda a preservar a seriedade do jornalismo e a imparcialidade da imprensa.

E então? Gostou das nossas notícias? Para não perder nenhum de nossos conteúdos, assine a newsletter!



Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.