Aviso de cookies

Por meio de cookies próprios e de terceiros, coletamos informações para fornecer melhores serviços a todos os usuários. Compilamos informações estatísticas sobre a sua navegação para mostrar uma publicidade que tenha relevância com seus hábitos de navegação. Sempre que quiser, poderá desativar os cookies do seu browser. Se continuar navegando, consideramos que aceita os termos da política de utilização de cookies.

text.compare.title

text.compare.empty.header

Atualidade universitária

 
Crédito: Shutterstock.com

 

Os estudantes cotistas de baixa renda matriculados em universidades federais em cursos de carga horária intensiva (5h por dia) receberão, a partir de maio, o valor de R$ 400 para ajuda de custo com os estudos. Segundo informações do jornal Folha de S. Paulo, o valor é o mesmo pago atualmente aos bolsistas do Pibid (Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência).

 

» Universitário de baixa renda terá bolsa assistência de R$ 400
» Programa de cotas nas universidades paulistas começa em 2014
» Plano de cotas de SP deve investir R$94,6 milhões até 2021

 

A intenção do governo é dar um cartão a esses estudantes, como hoje ocorre com beneficiários do Bolsa Família. O repasse, assim, não será feito pela universidade federal onde o aluno estará matriculado, mas diretamente pelo MEC (Ministério da Educação).

 

Em um primeiro momento, o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, disse que o repasse da quantia será feito da forma tradicional, por meio da instituição de ensino onde o aluno está matriculado.

 

Mercadante afirmou que "não é realista" garantir o ingresso desse aluno na universidade sem garantir uma ajuda financeira para sua permanência na instituição. "Um aluno de baixa renda, de uma família pobre, que entra num curso de medicina e vai no mínimo [estudar] 5 horas de aula por dia, além das tarefas que ele tem...Imaginar que ele possa ficar 6 anos sem nenhuma renda complementar não é realista."

 

 

Cotas nas universidades federais: justiça ou injustiça social? Veja opiniões e comente

 

O ministro ainda disse que a "contrapartida" para o benefício será o desempenho acadêmico do aluno. "O mérito vai ser considerado", afirmou o presidente do Inep, órgão responsável pelo Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), Luiz Cláudio Costa. Isso deverá ser definido em regulamentação da bolsa.

 

"Um aluno que se acomodou, que não tem desempenho acadêmico, que não teve presença na escola, não tem porque receber a bolsa. Por sinal, não ficará, vai ser jubilado", completou o ministro.

 

 



Tags:
Comentar

Comentários

    Ver mais 20 resultados

    Comente

    Ver mais