text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Mudança curricular é necessária para melhorar aprendizado, diz UNESCO

      
Crédito: Shutterstock.com
Crédito: Shutterstock.com

 

As diferenças de qualidade no aprendizado começam desde a educação primária, e seus resultados se perpetuam durante toda a vida já que o aluno provavelmente terá dificuldades em acompanhar e entender o conteúdo futuramente e, assim, ficará mais propenso a reprovações. É o que informa a UNESCO em seu 11° Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos, divulgado no último dia 29 sobre a crise no sistema educacional no mundo.

 

Leia também:
» Infográfico: divulgado o diagnóstico da educação no mundo
» Segundo a UNESCO, países não melhorarão a educação até 2015
» UNESCO aponta 4 estratégias para formar professores melhores
» Veja como os professores podem solucionar a crise na educação mundial

 

Para a organização, algumas mudanças curriculares são essenciais para reverter essa situação. São elas:

 

Garantir que todas as crianças adquiram habilidades básicas
Um ensino primário de má qualidade pode causar problemas de aprendizado durante a vida toda. É importante que todas as crianças aprendam habilidades básicas, como leitura e compreensão de textos, pois esses ensinamentos acompanharão os alunos em todas as disciplinas que eles venham a ter no futuro.

 

Comunicar-se da melhor maneira com os alunos
O modo como o professor se comunica com seus alunos é determinante no entendimento deles e capaz de tornar o aprendizado melhor. Em locais que possuem dois idiomas oficiais, seria ideal que os professores conseguissem falar em ambos – priorizando, claro, a língua materna regional. Entender e ser entendido são partes importantes do processo educativo.

 

Estímulo à leitura
A leitura deve ser estimulada o tempo todo, especialmente com textos sobre atualidades ou que se comuniquem de alguma forma com a realidade dos estudantes. Caso o professor perceba que algum dos alunos está com dificuldades em ler, é essencial que seja oferecida ajuda para que todos aprendam ao mesmo tempo.

 

Oferecer novas oportunidades de estudos
Muitas pessoas reprovam em alguma série e acabam desistindo de seguir adiante com os estudos. O ideal é que sejam criados programas que ofereçam aulas para pessoas que passam por situações desse tipo, e que a duração desses cursos seja menor do que as habituais a fim de estimular a frequência nas aulas.

 

Identificar necessidades individuais
Cada estudante tem um ritmo diferente de aprendizado, portanto é essencial que os professores saibam identificar a necessidade de cada um e desenvolvam técnicas de ensino inclusivas. Uma boa forma de identificar as particularidades de grupos é por meio de análises de nível nacional, como exames e gráficos que demonstram a quantidade de alunos por professor.

 

Levar a tecnologia às salas de aula
A tecnologia nunca tomará o lugar dos professores, entretanto pode ser de grande ajuda: aulas interativas com trechos de filmes e acesso à internet, por exemplo, são formas novas e funcionais de estimular o aprendizado. Para isso, é importante que todos os docentes recebam treinamentos para utilizar os meios modernos da melhor forma – especialmente em regiões menos favorecidas, onde o contato com eles é menor.

 

 


Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.