text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Genes de tumores medem efeitos das células do câncer de pulmão

      
Uma pesquisa da Faculdade de Medicina (FM) da USP com pacientes que extraíram tumores primários do pulmão mediu a concentração de quatro proteínas (p53, AgNOR, MMP 9 e CD 34) usadas como marcadores gênicos da origem das células cancerígenas (oncogênse) e sua difusão pelo corpo humano. O uso dos marcadores para indicar a agressividade e a capacidade de expansão dos tumores poderá antecipar a previsão da ocorrência de metástases (cânceres em estado avançado) e aperfeiçoar o tratamento do câncer de pulmão.

O médico Hélio Minamoto, orientado pelos professores Fábio Biscelgi Jatene e Vera Capelozzi, acompanhou a evolução de 80 pacientes submetidos a cirurgias de extração de tumores em estágio inicial do pulmão, operados em hospitais de São Paulo, Mogi das Cruzes e Marília, entre 1988 e 2001. Dos pacientes operados, 63 apresentaram metástases durante o acompanhamento pós-operatório. Em 31 dos pacientes com metátases foi detectado câncer fora do pulmão.

Minamoto explica que o câncer de pulmão, associado ao uso do cigarro, apresenta elevadas taxas de incidência e mortalidade, o que reforça a necessidade de um diagnóstico mais preciso da doença. "Para aumentar a sobrevida do paciente após a extração de tumores primários, seria preciso aperfeiçoar os métodos de previsão da ocorrência de metátases", afirma.

Diagnóstico
Durante a pesquisa, foram medidas por processos imunohistoquímicos as concentrações de quatro proteínas associadas a oncogênse e a difusão do câncer de pulmão. Duas delas, a p53 e a AgNOR, são conhecidas como "marcadores nucleares" por medirem a agressividade do núcleo da célula tumoral no organsimo. Os outros marcadores indicam a capacidade de as células cancerígenas sobreviverem em tecidos normais ("extra-celulares"): a MMP 9, gelatinase que mede a penetração nos tecidos e a CD 34, que aponta capacidade do tumor de produzir vasos para trazer nutrientes.

O médico explica que os pacientes que apresentaram metástases tinham elevados níveis das quatro proteínas usadas como marcadores. "Se a medição fosse feita antes da operação seria possível dizer que os pacientes com níveis mais elevados têm maiores chances de apresentar metástases mais agressivas", diz Hélio Minamoto. O pesquisador relata que apesar do nível dos marcadores "extra-celulares" nas células da metástase ser baixo, um processo de seleção natural asseguraria a sobrevivência das células mais agressivas, aumentando sua capacidade de desenvolvimento em tecidos fora do pulmão operado.

Segundo o Minamoto, a classificação dos tumores a partir da obervação por microscopia ótica (estadiamento) não consegue diagnosticar a metástase em seu início. "Em muitos casos, tumores semelhantes tem comportamentos biológicos diferentes, o que muda a sobrevida estimada dos pacientes", observa. De acordo com o médico, a tendência é o uso de vários marcadores para diagnosticar o câncer de pulmão (atualmente são conhecidos cerca de 30), numa técnica conhecida como painel de marcadores.

O pesquisador afirma que as pesquisas sobre os marcadores gênicos deverão levar no futuro ao desenvolvimento de medicamentos que inibam a produção das proteínas associadas à origem e à disseminação do câncer de pulmão. "Um paciente cujos tumores apresentem grande capacidade de multiplicação de células cancerígenas poderia tomar remédios antiangiogênicos, que seriam capazes de impedir o crescimento do tumor", explica MInamoto. "Para evitar o aparecimento de metástases no resto do corpo após a extração de tumores, seria possível o uso de antigelatinases como tratamento pós-operatório", calcula o médico.

Fonte: USP

  • Fonte:

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.