text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Prêmio Ciência & Inovação

      

Pesquisadores encontraram no Prêmio de Ciência & Inovação o caminho para atingir seus mais diversos objetivos. A busca pela aproximação da universidade com a indústria; espaço para pesquisas de doutores que vivem fora das regiões Sul e Sudeste; uma vitrine para expor idéias que precisam de um simples empurrão para serem colocadas em prática; e até incentivos para o desenvolvimento de novas tecnologias à serviço da população foram os destaques desta categoria. Confira!

Aproximação com a indústria

Natural de Porto Alegre, a pesquisadora da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) Tatiana Louise ·vila de Campos Rocha decidiu participar do prêmio por incentivo de pessoas que conheciam e acreditavam em seu projeto de descobrir modificações para dar mais resistência e utilidade à borracha e, ainda, pelo apoio demonstrado pela Petroflex, empresa que produz borracha sintética, em investir em sua idéia. Apoio este que vem, sem dúvida, dos resultados de sucesso obtidos em suas pesquisas. Em pneus, por exemplo, a mudança na composição da borracha elaborada por ela faz com que o produto tenha mais aderência ao asfalto molhado durante a frenagem, tornando o carro mais seguro.

Para Tatiana, que pretende pesquisar também materiais alternativos para o mercado de borracha e plástico, o prêmio é muito importante porque permite um reconhecimento dos trabalhos já elaborados pelos pesquisadores e serve como incentivo para continuar trabalhando em novas descobertas.

Além disso, a pesquisadora encara esta como mais uma chance de aproximar o pesquisador acadêmico com a indústria, já que, muitas vezes, idéias boas e com perfil comercial não são levadas à frente graças à burocracia e ao distanciamento entre estes dois setores, algo que, em sua opinião, só contribui para a estagnação da pesquisa no país. "Este panorama tem que mudar. Minha intenção é utilizar este prêmio para difundir esta idéia e incentivar a aproximação dos pesquisadores com as empresas para que exista uma cooperação efetiva, assim como em meu caso", ressalta.

Clique para conferir detalhes do trabalho premiado.

Buscando oportunidades

Para o geógrafo, doutor em Economia, professor de Estudos Ambientais e de Planejamento Regional e Urbano da UNIFAP (Universidade Federal do Amapá) Jadson Luís Rebelo Porto, a falta de oportunidades para recém-doutores, especialmente para quem vive fora das regiões Sul e Sudeste, foi o motivo principal de sua inscrição. "Um edital em que podem participar recém-doutores da região norte do país, por exemplo, onde a maior parte dos doutores possui este perfil, não poderia ser desperdiçado. Certamente é uma oportunidade ímpar", revela.

Segundo ele, por causa das limitações geográficas geradas pela distância de sua região em relação aos pólos de pesquisa do Brasil e pela falta de investimentos em pesquisas em seu estado não é difícil encontrar pesquisadores que tiveram seus projetos abortados. Justamente por isso ele considera a iniciativa ainda mais importante. "O prêmio dá a oportunidade de ampliar e discutir idéias permitindo que os recém-doutores possam levar seus projetos adiante. Isto porque, ao concluírem suas teses, eles têm a chance de executá-las, bem como expandi-las com novas frentes de discussão e informação", diz.

Com o projeto inscrito na categoria Responsabilidade Social, sua intenção é capacitar moradores locais para atuarem como monitores ambientais, ordenando as atividades de ecoturismo, atuando como educadores ambientais e criando novos mercados de trabalho/fonte de rendimentos das comunidades localizadas na Bacia do rio Maracá. O projeto foi orçado em R$ 50 mil, coincidentemente o mesmo valor do prêmio.

Considerando este fator, o pesquisador sabe bem qual o destino que dará ao benefício agora que foi contemplado. "Como a área de pesquisa escolhida encontra-se distante dos grandes centros, no interior da Floresta Amazônica; como também o objeto de estudo envolve a educação formal e ambiental, terei a oportunidade de estimular os alunos da Escola Família do Maracá a ter acesso a informações destinadas ao ecoturismo, preservação do patrimônio espéleo-arqueológico e as políticas públicas de organização territorial em um estado que possui 58% de sua área protegida", encerra.

Clique para conferir detalhes do trabalho premiado.

Vitrine para boas idéias

De Maringá (PR) vem outro ganhador do Prêmio de Ciência & Inovação. Oceanólogo com doutorado em Zootecnia e pós-doutorado na UEM (Universidade Estadual de Maringá), Danilo Pedro Streit Jr. buscou no prêmio um incentivo para melhorar questões ambientais que têm impacto direto em seu estado.

Preocupado com os efeitos da ação do homem na natureza, ele procurava uma forma de divulgar e captar recursos para seu projeto de recuperação de espécies nativas de peixes de piracema de bacias hidrográficas impactadas, em especial, a do rio Paranapanema, que cruza os estados do Paraná e São Paulo. "Em um concurso como este em que temos grandes instituições envolvidas, certamente isto funciona como vitrine para expor seu trabalho e buscar recursos para colocá-lo em prática", afirma.

No fim das contas, além de ter seu trabalho exposto, o oceanólogo conquistou um dos prêmios, o que o deixa muito feliz pelo reconhecimento da excelência de seu trabalho e pela oportunidade de lutar para que ele saia do papel. "Uma premiação desta magnitude poderá proporcionar reconhecimento tanto do pesquisador, quanto do grupo a que ele pertence, assim como da instituição à qual ele está ligado. Além disso, a premiação confere um `selo de aprovaçãoï, o que poderá contribuir para a captação de recursos para a execução de um projeto de vanguarda como foi apresentado", conclui.

Clique para conferir detalhes do trabalho premiado.

Apoio para desenvolver a idéia

Após concluir seu doutorado pela USP (Universidade de São Paulo), o biólogo Wladimir Jimenez Alonso vinha tentando viabilizar uma atividade científica de cunho social exportando serviços que demandam o desenvolvimento de ferramentas estatísticas e computacionais de ponta. Desta maneira, criou um projeto para o desenvolvimento de uma plataforma para a análise de séries temporais epidemiológicas. O objetivo é, de forma inédita, tratar temas relevantes em saúde pública, gerando empregos para pessoas formadas no Brasil.

Pensando nisso, e de olho na natureza do concurso que visa premiar idéias inovadoras, o pesquisador não teve dúvida: "O prêmio estimula a viabilização de projetos de extensão e o desenvolvimento de uma ponte tecnológica entre o meio acadêmico e o empresarial. Em um país onde a tradição neste sentido está ainda aquém da necessária para a plena geração de empregos e riqueza baseados em conhecimento de ponta, não poderia deixar de investir nesta idéia", explica.

E o investimento deu retorno. Agora, como vencedor do prêmio, ele acredita que poderá dar início ao desenvolvimento deste projeto em Santa Catarina, onde mora atualmente, aproveitando a demanda de especialistas da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina). "Pretendo alugar um local de trabalho em uma incubadora tecnológica em uma região próxima à UFSC para aproveitar a circulação de especialistas e de parcerias. Também contrataria dois estagiários talentosos do setor informático para auxiliar na implementação do projeto e adquiriria o equipamento complementar necessário", diz.

Clique para conferir detalhes do trabalho premiado.


  • Fonte:

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.