text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Arte do Dia: Especial Dia Internacional da Mulher com 3 pintoras que revolucionaram a arte

      
Arte do Dia: Especial Dia Internacional da Mulher com 3 três artistas mulheres que revolucionaram a arte
Arte do Dia: Especial Dia Internacional da Mulher com 3 três artistas mulheres que revolucionaram a arte  |  Fonte: Reprodução

Mulheres talentosas produzindo obras de encher os olhos não faltam. É só olhar para os trabalhos de mulheres como Iris Scott, Mary Cagnin e Daniella Cabizuca para perceber que elas estão por aí, fazendo arte e deixando o mundo mais belo.

Mas o mundo da arte nem sempre foi tão acolhedor para as mulheres. Por isso, no Dia Internacional da Mulher, o Um Pouco Mais de Arte Para Sua Vida homenageia três artistas que lutaram para um mundo com mais arte, e menos preconceito.

A seguir, descubra as histórias e aprecie as obras da brasileira Abigail de Andrade, da mexicana Frida Kahlo e da francesa Rosa Bonheur.

Abigail de Andrade

Abigail de Andrade

Nascida em 1864 no Rio de Janeiro, Andrade foi uma das primeiras mulheres pintoras brasileiras.

A maior parte da vida de Abigail de Andrade é uma incógnita. Além do seu nascimento em 1964, suas obras e sua morte em 1891, pouco foi descoberto. Porém, uma das certezas sobre ela é que Andrade foi a primeira mulher brasileira a percorrer o seu caminho como artista. Numa época em que a arte só poderia ser um passatempo para mulheres, ela conseguiu, em vida, se estabelecer como uma pintora talentosa.

Mas isso não mudava o fato de que até 1889, as mulheres eram proibidas de estudar arte na Escola Nacional de Belas Artes, já que a sociedade da época acreditava que cuidar do lar era a vocação exclusiva das mulheres. Mesmo assim, em março de 1882, com apenas 18 anos, Andrade conseguiu um espaço para participar da primeira exposição da Sociedade Propagadora das Belas Artes. Seus trabalhos foram expostos como amadores, mas ainda assim receberam críticas positivas.

Seu maior legado foram as suas obras, com o seu cunho realista e cores ousadas. A influência de técnicas européias é clara nas suas pinturas, com o realismo e o retrato da vida no campo e do cotidiano. Abaixo, vemos uma das obras do seu período inicial, quando o seu olhar era voltado para o dia-a-dia no lar:

Dica: Clique na imagem para uma versão maior!

nome-da-obra
FICHA TÉCNICA - ESTENDENDO A ROUPA

Autor: Abigail de Andrade
Ano: 1888
Técnica: Óleo sobre Tela

Frida Kahlo

Frida Kahlo

Frida Kahlo nasceu em 1907, no México, e morreu em 1954. Kahlo mudou o mundo da arte com os seus retratos crus da feminilidade.

Frida Khalo (1907-1954) é um dos grandes ícones femininos do mundo da arte. Nos seus autorretratos, ela fazia questão de desafiar os padrões de feminilidade, desenhando pelos faciais em si mesma que até hoje são retratados como "indesejáveis" pela sociedade. Mas isso era apenas uma parte dos seus retratos sem censura da vida feminina.

Sua carreira começou depois de um acidente de trânsito que a fez abandonar os seus estudos anteriores, de medicina, e passou a pintar.

Ela usava muito simbolismo para retratar ela mesma, sua cultura, e o mundo ao seu redor. Na obra "O Abraço de amor do Universo, a Terra (México), eu, Diego e Senhor Xolotl", disposta abaixo, ela foi um pouco mais longe e colocou a sua vida, dentro de um retrato do universo.

Na obra, Kahlo segura o seu marido Diego Rivera como um bebê. Ele tem o corpo e a cabeça de um homem, mas a postura de um bebê, o que é um símbolo da necessidade de cuidado feminino que ele precisava. As pinturas da artista são muito biograficas, e aqui ela destaca a importância que o papel de esposa tinha na vida da mulher.

Segurando os dois está a Mãe da Terra Asteca, Cihuacoatl, e acima de todos, no céu, está a Mãe Universal, cuidando de todos.

o-abraco-de-amor-do-universo-a-terra-mexico-eu-diego-e-senhor-xolotlabre
FICHA TÉCNICA - ABRAÇO DE AMOR DO UNIVERSO

Autor: Frida Kahlo
Onde ver: Coleção Particular
Ano: 1949 
Técnica: Óleo sobre Masonita

Rosa Bonheur

Rosa Bonheur

A francesa Rosa Bonheur nasceu em 1822 e é considerada a maior artista mulher do século XIX.

Rosa Bonheur foi uma das primeiras mulheres a construir uma carreira com a pintura da vida silvestre. A artista encontrou uma situação um pouco mais favorável no mundo da arte que a sua contemporânea brasileira Abigail de Andrade. Ela recebeu educação artística, mesmo que tenha sido dada de forma relutante, e cresceu numa família que amava arte.

No início da vida, sabe-se que ela foi uma criança teimosa. Ela foi expulsa de várias escolas, demorou a aprender a escrever e desenhava intensamente desde pequena. Na vida adulta, ela fazia a rebeldia de usar calças (o que era mais prático na observação de animais).

Logo em vida, ela atingiu grande sucesso, o que abriu as portas para outras mulheres que queriam se dedicar mais completamente às artes. Mesmo que fosse permitido educar mulheres em artes, elas eram esperadas a levar isso como hobbie. Com a ascensão de Bonheur, muitas outras mulheres puderam seguir o caminho profissionalmente.

pastores-dos-pireneus-rosa-bonheur
FICHA TÉCNICA - PASTORES DE PIRINÉUS

Autor: Rosa Bonheur
Onde ver: Coleção Particular
Ano: 1888
Técnica: Óleo sobre Tela

Coloque essa arte na sua vida:

» Mulheres na História
» Mais sobre o Dia da Mulher


Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.