text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Orientação vocacional: clique aqui e escolha sua profissão!

      
orientação vocacional
Encontrar nossa vocação profissional não é um percurso fácil, mas há muitas formas de torná-lo menos penoso.  |  Fonte: iStock

Não é incomum que estudantes cheguem ao último ano do Ensino Médio sem ter ideia do curso de graduação que querem frequentar, ou mesmo em que área desejam atuar. Antes de prestar o Enem, uma boa ideia é procurar ajuda especializada. Diversas instituições e profissionais oferecem programas de orientação vocacional no Brasil, que vão muito além do tradicional teste.

A orientação vocacional também serve para universitários insatisfeitos com o seu curso, graduados que querem explorar outra área e até mesmo profissionais que desejam fazer mudanças em suas carreiras. Seja qual for a sua situação, vale a pena ler as informações e dicas que trouxemos a respeito desse assunto, além das nossas sugestões de orientações e testes gratuitos!

O que é vocação profissional e como encontrar a sua

Para início de conversa, é preciso lembrar que a ideia de que só há uma vocação e um percurso certo para cada um de nós é um dos mitos que dificultam ainda mais esse difícil processo de escolha. Na verdade, as pessoas têm vários interesses e aptidões diferentes, que apontam para caminhos diversos. Por isso, eleger uma vocação profissional geralmente é muito difícil!

A orientação vocacional é um dos caminhos possíveis para quem está no meio desse labirinto. Porém, antes de mais nada, há atitudes que você pode tomar para dar os primeiros passos rumo à desejada definição da sua vocação. Confira alguns deles, abaixo.

“Conhece-te a ti mesmo”

Não se sabe quem disse pela primeira vez a famosa frase “conhece-te a ti mesmo”, mas não é a toa que um dos maiores filósofos da história ocidental, Platão, tenha citado esse aforismo em seus escritos. O autoconhecimento era essencial para os gregos da Antiguidade e permanece vital para os brasileiros do século XXI.

Antes de sair por aí desesperado para conhecer o máximo de todas as profissões, condições de mercado, salários e possibilidades de crescimento, e assim decidir sobre qual carreira seguir, é preciso procurar conhecer a si mesmo. As pessoas não têm só uma aptidão, elas têm várias aptidões. É preciso identificar suas afinidades.

A tarefa de conhecer a si mesmo compreende o entendimento de uma série de fatores, como habilidades, influências e aptidões. É normal que exista a dúvida na hora de decidir a respeito da carreira. Autoconhecimento é a chave para se fazer uma boa escolha. Toda decisão envolve riscos, escolher é abrir mão entre vários caminhos. Toda vez que você faz uma escolha é normal que você fique em dúvida, porque normalmente se escolhe algo para perder menos.

Antes de mais nada, dedique um tempo para se conhecer, a partir de algumas perguntas. Você pode fazer esse exercício mentalmente, mas anotar as suas respostas, criar listas e mapas mentais costuma ser mais eficiente.

Questione-se:

  • Quais são os principais valores que regem a sua vida?

  • Quais são as suas principais motivações?

  • O que é importante para você e por quê?

  • Quais são os seus hobbies?

  • Que atividades deixam você se sentindo cheio(a) de energia?

  • Quais são as suas principais habilidades?

  • Você é introvertido ou extrovertido?

  • Prefere trabalhar em equipe ou sozinho?

  • Prefere estar rodeado de pessoas ou gosta de passar horas na frente do computador?

  • Como você deseja contribuir para o mundo e como quer ser lembrado(a)?

Como você deve ter percebido, essas são questões que envolvem não apenas gostos e habilidades, mas também motivação e valores. Afinal, embora a afinidade com o trabalho e o desejo de realizá-lo sejam importantes, pesquisas revelam que os profissionais mais felizes são aqueles que sentem que estão contribuindo de alguma forma para a sociedade e enxergam valor em seu trabalho.

Com as suas respostas em mente – ou em uma folha de papel –, comece a pesquisar profissões que se adequem às suas preferências. Se quiser, faça uma lista de prós e contras para cada uma delas.

Pesquise sobre diferentes profissões, até as mais inusitadas

Muitas profissões deixaram de existir com o tempo. Hoje, ser vendedor ambulante de enciclopédias parece impensável. No entanto, muitas profissões também foram criadas nos últimos anos, como é o caso dos analistas de redes sociais e profissionais de Marketing Digital.

É importante ter isso em mente ao escolher sua carreira e pesquisar habilidades que estão em alta ou que tendem a ser valorizadas nos próximos anos. Afinal, se você já apresenta alguma dessas habilidades ou tem interesse em desenvolvê-la, isso pode ser um bom ponto de partida para encontrar uma profissão que, além de ter a ver com você, também oferecerá boas oportunidades de carreira no futuro.

Há uma grande quantidade de cursos disponíveis atualmente e esse número tende a continuar crescendo. No entanto, alguns deles são pouco conhecidos e mal divulgados ou não desfrutam do status de cursos mais tradicionais. Medicina, Engenharia e Direito, por exemplo, são cursos muito conhecidos e disputados, mas o mesmo não acontece com Biotecnologia ou Navegação Marítima. Isso acaba por deixar o mercado das profissões tradicionais mais saturado e as notas de corte nos vestibulares dessas carreiras cada vez mais altas.

Leve em consideração ainda mais dois pequenos conselhos: não se deixe influenciar pelos modismos nem pelas opiniões alheias.

Pesquise detalhes dos cursos desejados

Busque se informar a respeito não só do objeto de estudo e das disciplinas dos cursos que lhe interessam, mas também acerca da sua parte pragmática: investigue a duração dos estudos, as dificuldades durante o curso, as saídas profissionais, as instituições onde você pode estudar, a flexibilidade da formação, a importância de saber idiomas, os custos, o estágio e a facilidade que você terá para encontrar um emprego.

Participe de eventos nas universidades

Aproveite a oportunidade oferecida por diversas universidades do país de conhecer de perto as suas faculdades e os seus cursos, em feiras e eventos para estudantes.

O principal evento da categoria, e que vale muito a pena conhecer, é a Feira USP, realizada pela principal universidade do país e uma das instituições de ensino superior de maior prestígio da América Latina, a Universidade de São Paulo (USP).

A Feira Usp de profissões trata-se, na realidade, de duas feiras: uma itinerante, que acontece desde 2001 e divulga no interior do estado de São Paulo os cursos de graduação dos campi localizados no interior, e a feira da capital, que apresenta todo os campi, museus e órgãos da universidade para os estudantes.

As visitas são monitoradas pelos alunos e professores da USP, que expõem as suas atividades e experiências com os cursos aos quais pertencem. Por ser organizada por professores e alunos, a feira aproxima ainda mais os futuros universitários da realidade do dia a dia do estudante de nível superior brasileiro.

Busque muitas informações, mas sem se desesperar

Justamente a quantidade de informações e de opções que, por um lado, pode ser uma saída, por outro cria outro problema na indecisão do vestibulando: o medo de errar. Começar algo e descobrir que não é aquilo que se quer é algo a se pensar na hora de escolher conscientemente. Isso não deve ser motivo de desânimo. Se a escolha for planejada, sólida e consistente e ainda assim houver a decepção, ela não será tão intensa, pois houve antes uma avaliação da situação, não foi uma ação baseada no impulso.

Lembre-se: embora encontrar a sua vocação profissional seja muito importante, nenhuma escolha é definitiva. Dedique-se ao seu processo de autoconhecimento, colete informações e empenhe-se em tomar a melhor decisão possível, mas nada de desespero, hein?

E qual é a melhor forma de buscar informação? Não há uma resposta correta para essa questão, mas sim várias possibilidades. Tudo é válido, desde a Internet até conversas com profissionais ou estudantes das áreas de interesse.

Converse com profissionais da área

Agora que você já tem uma lista de profissões que julga interessantes, é hora de saber mais sobre elas na prática. Além de participar de feiras universitárias e de emprego, converse com profissionais que já atuam na área.

Não tenha vergonha de entrar em contato com pessoas cujo trabalho você considera interessante. Talvez você consiga até mesmo passar um dia com esse profissional em seu local de trabalho. Estamos falando de uma decisão importante para a sua vida, então este é o momento de dar o seu melhor, afastar a timidez e entrar de cabeça nessa investigação.

Orientação vocacional: o que é e por que fazer?

Você provavelmente já se deparou com algum teste vocacional na Internet. Embora realizar um desses testes on-line seja um ponto de partida válido, há alternativas mais completas e eficientes disponíveis.

Uma delas é a realização de um processo de avaliação e orientação de carreira com um profissional preparado para isso. Além de ter os conhecimentos necessários para guiar você em seu processo de decisão, ele oferecerá uma experiência muito mais personalizada e precisa do que qualquer teste on-line.

No Brasil, há muitos psicólogos especializados em orientação vocacional e também vários coaches se dedicam ao coaching vocacional e/ou de carreira. Lembre-se de que é preciso, no entanto, pesquisar sobre esses profissionais e escolher pessoas realmente qualificadas para ajudar você.

Mas o que é, afinal, a orientação vocacional? E por quê fazê-la? Descubra, a seguir.

O que é orientação vocacional? Por que ela é diferente do teste vocacional?

Há mais de um século, a orientação profissional vem se desenvolvendo e aprimorando na Psicologia. Diversos psicólogos e psicólogas dedicam-se a estudar e aplicar a orientação vocacional, que vai muito além de questões de múltipla escolha e resultados padrões, como acontece com os testes vocacionais que encontramos on-line.

A orientação vocacional reúne um conjunto de técnicas e orientações que auxiliam, de forma individual ou coletiva, a tomada de determinadas decisões. O processo de orientação com um(a) profissional de Psicologia geralmente conta com diferentes etapas, como entrevista, conversa e testes abrangentes. Isso permite uma análise personalizada do paciente e o delineamento complexo do seu perfil, levando em conta as suas particularidades.

Os resultados são múltiplos e alcançados de forma muito mais complexa, com base no diálogo e em uma compreensão mais profunda do paciente, que, por sua vez, pode continuar contando com o apoio de um psicólogo para fazer a sua escolha final.

Por que procurar uma orientação vocacional?

A orientação vocacional é uma ferramenta muito útil no seu processo de autoconhecimento. Embora se conhecer seja importante, isso não é nada fácil – e geralmente uma ajuda é muito bem-vinda.

Na orientação vocacional, o psicólogo age como um orientador, como uma bússola que ajudará você a encontrar as melhores opções de caminhos profissionais de acordo com a sua personalidade, suas aptidões, suas motivações e seus valores. Como detentor de uma série de conhecimentos e técnicas, esse profissional torna muito mais fácil o seu percurso.

A orientação vocacional não faz a escolha para você – mas consiste em uma sólida ferramenta de auxílio nesse processo. Buscar essa ferramenta é especialmente recomendável para dois grupos de pessoas: estudantes prestes a escolher um curso de graduação e profissionais insatisfeitos com a carreira escolhida.

Jovens em idade de conclusão escolar no momento da escolha de qual carreira seguir

Para um jovem, a escolha da carreira costuma ser uma decisão muito assustadora. Quando se tem 17 anos, a imagem que temos da escolha de nossa opção de curso no vestibular é de que estaremos selando todo o nosso futuro a partir daquele formulário de inscrição. 

À medida que ficamos mais velhos, sabemos como existe mobilidade no mercado de trabalho e vemos o quão comum é encontrar profissionais formados em determinada carreira atuando em outra após fazer uma transição no mercado.

Essa realidade, no entanto, não parece óbvia para um jovem. O peso de sua escolha pode ser avassalador, especialmente quando ele não tem ideia sobre qual área seguir. Olhando por este aspecto, uma orientação feita através de testes vocacionais pode lhe dar alguma direção, além de auxiliar no processo de autoconhecimento. Este resultado pode ainda ser aliado a uma vivência através de visitas às empresas inseridas nas áreas de atuação indicadas pelo teste vocacional.

Dessa forma, os jovens profissionais podem restringir seu universo de escolhas e experimentar na prática o mercado na respectiva área para ver se realmente é um caminho do seu agrado.

Profissionais já formados, porém insatisfeitos com a carreira escolhida

Infelizmente, há muitos adultos já formados que não são felizes na área que escolheram. São pessoas disciplinadas, que mantiveram o foco para conclusão dos seus estudos e ingressaram no mercado de trabalho, porém não atuam naquilo que as fazem felizes.

Algumas pessoas carregam essa rotina por toda a vida, mas o ideal é agir diante dos sinais de infelicidade. Se você está em dúvida em relação à sua carreira, pense em sua rotina e reflita se você:

  • Já acorda desanimado;

  • abre mão das coisas que gosta;

  • está sempre cansado, inclusive nos momentos de lazer;

  • fica doente com facilidade;

  • está sempre irritado;

  • fica muito tempo em atividades como redes sociais e Internet.

Para essas pessoas, um recomeço pode ser uma forma de se reinventar e buscar a felicidade e a realização que todos nós merecemos. Uma orientação vocacional pode revelar novas oportunidades a serem exploradas. Nunca é tarde para recomeçar. Basta ter coragem e disciplina!

Lembre-se: orientação vocacional não é resposta divina, nem definitiva

Duas coisas óbvias, mas que precisam ser ditas: nenhum anjo descerá dos céus durante a sua orientação vocacional para definir a sua profissão. Nenhum psicólogo deve ser visto como uma entidade divina que traçará o seu destino.

Em primeiro lugar, o estudante deve saber que essa é uma escolha exclusivamente sua. Buscar auxílio não significa transferir a sua responsabilidade para outra pessoa. Os programas de orientação vocacional trabalham na direção da reflexão. Vale lembrar, no entanto, que recorrer à orientação vocacional não é garantia de acerto e muito menos de bom desempenho no mercado de trabalho.

Saiba também que ninguém vai chegar a você e dizer "faça Arquitetura" ou "faça Medicina". Em geral, estes trabalhos são organizados por psicólogos e são desenvolvidos para que o estudante possa se conhecer melhor e fazer uma escolha que seja condizente com sua personalidade.

Orientação vocacional gratuita ou por preços acessíveis

Em algumas escolas, especialmente nas particulares, os alunos desfrutam de orientação vocacional gratuita. Em São Paulo, por exemplo, os colégios Montessori Terezinha e Domus Sapientiã, ambos na Zona Sul da cidade, incluem a orientação profissional na grade curricular.

Se a sua escola não oferece essa oportunidade, saiba que é possível encontrá-la em outros lugares, gratuitamente ou por preços acessíveis. Instituições como o Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), a Universidade de São Paulo (USP), a Universidade Católica de Santos (UNISANTOS) e a Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), por exemplo, oferecem esse serviço de forma gratuita.

No caso do CIEE, o trabalho geralmente acontece em grupo e começa estimulando o estudante a conhecer e identificar, em sua própria personalidade, gostos, anseios e vocações. Na segunda parte, informações sobre as carreiras e mercado de trabalho são o centro das atenções.

Afinal, de acordo com Renata Mello, psicóloga e supervisora do CIEE, os jovens ainda sabem muito pouco sobre as profissões. A falta de informações, bem como os estereótipos acerca de determinadas ocupações, prejudicam muito a escolha de carreira.

Vale a pena pesquisar se existem iniciativas semelhantes na cidade onde você mora! Sites de universidades e de entidades sem fins lucrativos são um bom lugar para começar a sua investigação.

Precisamos falar sobre o teste vocacional

Assim como a orientação vocacional como um todo, o teste vocacional leva em consideração a personalidade, os interesses, as aptidões, os objetivos e as dificuldades de um indivíduo para identificar as áreas de estudo e as profissões que mais combinam com ele. Porém, é bom saber que os testes vocacionais não são a solução para todos os seus problemas. Entenda melhor a seguir.

O que é teste vocacional?

Um teste vocacional é um questionário que busca analisar e identificar os aspectos individuais que compõem o seu perfil e compará-lo aos perfis comuns de profissionais de uma determinada carreira. O objetivo é encontrar suas aptidões e interesses e então indicar em quais perfis você se encaixa dentro daqueles tipicamente associados a cada profissão.

Geralmente, ao fazer um desses testes, você responde a uma série de perguntas e obtém algumas informações sobre si mesmo(a) e sobre as carreiras que têm a ver com você. Atualmente, há diversos testes de orientação vocacional disponíveis on-line, muitos deles baseados em conhecimentos e modelos de Psicologia que permitem identificar traços de personalidade e comportamento. No entanto, também é possível (e recomendável) fazer um teste de orientação vocacional com um(a) psicólogo(a).

Como são padronizados e bastante limitados para traçar o perfil de um indivíduo complexo, os testes vocacionais costumam ser apenas uma parte do processo de orientação vocacional realizado pela Psicologia.

Prós e contras do teste vocacional

Em geral, a primeira solução para os adolescentes é recorrer a um dos mágicos testes vocacionais. Atualmente, porém, os testes, se utilizados isoladamente, não são bem vistos pelos especialistas. Em um serviço de orientação vocacional, você irá se conhecer um pouco melhor, conhecer as nuances das profissões e do mercado de trabalho. Fuja, no entanto, daqueles que prometem mágicas.

Nenhum teste vocacional é um oráculo, nem deve ser encarado como uma resposta definitiva para a difícil pergunta "qual profissão devo escolher?". Ele é, no entanto, uma ferramenta útil no seu longo processo de autoconhecimento, além de possibilitar a descoberta de opções interessantes de estudo e trabalho.

Vários sites oferecem testes vocacionais gratuitos on-line. Assim, não custa nada realizar alguns deles antes de tomar a sua decisão. Com o conjunto de resultados finais, você poderá aprender sobre si mesmo(a), sobre as suas inclinações e as possíveis profissões adequadas ao seu perfil. Guarde os resultados, compare-os entre si e pesquise sobre as profissões recomendadas. Esse processo pode ser vital para tomar, enfim, a sua decisão.

Mas atenção: há muitos testes precários, simplistas e/ou baseados em modelos desatualizados por aí. Seja bastante crítico ao escolher o seu teste e também ao lidar com os resultados.

E vale lembrar mais uma vez: a palavra final é sua. Quem deve decidir seguir ou não determinada orientação é você! O importante é estar consciente dessa decisão. Quando pensamos realmente na escolha e pesamos os fatores prós e contra, a possibilidade de escolher o que se quer de verdade é maior.

Como fazer um teste de orientação vocacional

Você pode realizar um teste de orientação vocacional simples na Internet, adquirir uma avaliação mais complexa, também on-line, ou, como já dito aqui, procurar um(a) profissional de Psicologia, para iniciar com ele(a) um processo de orientação vocacional.

Os testes encontrados na Internet costumam apresentar questões de múltipla escolha e um resultado final relativamente simples, embora alguns serviços pagos forneçam uma descrição de perfil vocacional mais detalhada, acompanhada de informações importantes sobre as profissões sugeridas.

Como fazer um teste vocacional grátis

Decidiu fazer um teste vocacional? Veja alguns testes gratuitos disponíveis on-line por onde você pode começar:


  • Teste Vocacional do TesteVocacional.org: teste simples e rápido que busca descobrir habilidades, aptidões e talentos para indicar opções de carreiras.

  • Teste Vocacional do Quero Bolsa: a Teoria das Inteligências Múltiplas do Psicólogo Howard Gardner é a base deste teste, que apresenta as seis profissões mais compatíveis com as suas habilidades.

  • Teste Vocacional Neora: este teste tem como base o DISC, que analisa os quatro traços básicos de comportamento de um indivíduo: Dominância (D), Influência (I), Estabilidade (S) e Complacência (C). Ao descobrir quais comportamentos são predominantes em você, o teste indicará os cursos que têm mais a ver com o seu perfil.

  • Teste de Personalidade do 16Personalities: a Tipologia de Myers-Briggs é conhecida no mundo inteiro, e uma série de testes têm como objetivo identificar de quais das 16 personalidades descritas por esta tipologia um indivíduo se aproxima mais. Ao descobrir o seu perfil, é possível conhecer as carreiras que melhor se adequam a ele.


Agora você já tem em mãos as ferramentas necessárias para escolher a sua profissão. Saiba mais aqui sobre cursos e instituições de ensino disponíveis no Brasil. 


Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.