text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

UEL pode ter sido usada em campanha

      
A UEL (Universidade Estadual de Londrina) pode ter sido usada na campanha política de 1996. A possibilidade é colocada pelo ex-chefe da Assessoria de Relações Universitárias (ARU), Ayoub Hanna Ayoub, no depoimento prestado em setembro de 2001, à comissão processante que investigou excesso de gastos em publicidade e propaganda de 1996 a 2000, na gestão do ex-reitor Jackson Proença Testa. Conforme Ayoub, que esteve a frente da ARU de 1998 a 2001, em agosto do ano passado, ele teria recebido na universidade, uma caixa, sem remetente, com vídeos institucionais da UEL.

"Entreguei tudo para a comissão. Em uma delas, da Coordenadoria de Extensão a Comunidade, aparece uma cerimônia de inauguração, e tem imagens do Belinati no meio, que na época era candidato a prefeito, participando de atividades na UEL. Você põe isso na fita e passa a reproduzir", disse. Na época, Jackson e Belinati eram aliados.

Ayoub ainda relatou à comissão, que tomou conhecimento de um depoimento de Alvimar dos Santos, mais conhecido como ''Pai Jacó'', prestado à justiça em uma ação movida pelo ex-sócio do extinto ''Jornal da Boca'', Daniel Ribeiro. ''Esse jornal que passou a se chamar 'O Berro' após uma briga entre os sócios. Ribeiro processou Pai Jacó e pediu para penhorar o computador do jornal. Está escrito no depoimento do pai Jacó que o computador não poderia ser penhorado porque era da UEL'', relatou. ''Ele (Jacó) ia na ARU pedir matérias para pôr no jornal, e dizia 'eu estou recebendo e você tem que me dar material, isso já está pago''.

Ribeiro confirmou que na audiência na 9ª Vara Cível, em 2000, na ação por perdas e danos, Pai Jacó teria falado, em juízo, que os computadores pertenciam a UEL. ''Ele disse que se utilizava de computadores da UEL e que recebia do Itaicy Mendonça a mando do Jackson.'' Mendonça era o chefe de gabinete de Testa, e de acordo com Ayoub, era quem controlava a publicidade da instituição.

Comissão confirma gastos exagerados em publicidade

O relatório da comissão processante apurou que de 1996 a 2000, mais de R$ 7 milhões - corrigidos pelo dólar - foram gastos com publicidade e propaganda. Somente em 96, ano eleitoral, foram gastos quase R$ 2,5 milhões, contra R$ 685 mil gastos em 99. O relatório deverá ser votado hoje pelo Conselho Universitário da UEL. O advogado do ex-reitor, Maurício Carneiro, disse que deverá tomar providências judiciais em relação das declarações de Ayoub. ''O professor Jackson desconhece tais procedimentos e, em momento algum, a máquina foi utilizada em favor de algum candidato.

Existia uma boa convivência com todas as autoridades do estado e do município. Em momento algum houve por parte do professor Jackson pagamentos para qualquer orgão de imprensa que não tenham sido feitos de forma regular pela instituição'', resumiu Carneiro. Procurado pela reportagem, Pai Jacó disse que somente iria se pronunciar após conversar com seu advogado. A Folha tentou entrar em contato com Belinati e Itaicy Mendonça, mas eles não foram localizados

Fonte: Folha de Londrina
  • Fonte:

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.