text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Mau uso da Internet sabota estudo

      
Diante do computador conectado à Internet, qualquer criança pode assinar uma tese acadêmica. Para inquietação de professores, instituições e pais, endereços eletrônicos oferecem trabalhos escolares e universitários prontos sobre qualquer tema. Escolas e universidades estão despertando para o problema e começam a adotar medidas para coagir o plágio. Os sites da Internet que se aproveitam da indolência de estudantes tanto vendem trabalhos e teses feitos sob encomenda quanto os colocam à disposição gratuitamente.

Nos gratuitos, basta escolher a página e optar pelo trabalho mais parecido com o tema proposto pelo professor. - Aí é só colocar no editor de texto, mudar a fonte e imprimir com meu nome - diz um estudante de 13 anos, aluno de 8ª série em escola da Capital. Nas dezenas de sites que se apresentam como fontes gratuitas de consulta, esse processo não leva mais de cinco minutos. ? o caso do que leva o nome sugestivo de www.zemoleza.com.br e contabiliza mais de 450 mil acessos.

O acervo da página é de cerca de 4 mil trabalhos prontos. Os professores estão aprimorando os métodos de avaliação para voltar a formar bons estudantes em vez de hábeis copiadores. Grande parte dos mestres viu-se obrigada a se precaver, restringindo a abrangência dos temas das pesquisas. A conclusão é de que não há mais espaço para pedidos clássicos como "Fale sobre a Revolução Russa". Uma consulta para esse tema no site de busca www.google.com indica 7 mil páginas para consulta. A solução encontrada, neste caso, seria limitar o tema à "participação dos grupos políticos durante a revolução".

Além de tornar mais específico o assunto, Maurício Marczwski, professor do Colégio Anchieta, na Capital, decidiu exigir a citação das fontes de pesquisa. Ele também cobra uma crítica separada do aluno sobre o tema. Para Helena Sporleder Côrtes, professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), a solução é estimular a valorização da ética desde as séries iniciais, impedindo que a prática avance até a universidade.

A necessidade de motivação é destacada pela professora Eliane Schlemmer, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos): - O tema precisa, se possível, associar a pesquisa a situações reais. O professor de história Marcelo Paiva revela: - Já tive caso de quatro cópias idênticas de trabalhos, em que só o cabeçalho era diferente. A Universidade Federal de Pelotas (UFPel) estuda maneiras de impedir a pirataria. A pró-reitora de Graduação, Anne Moor, propõe a defesa oral com a pesquisa por escrito. Na semana passada, a pró-reitora teve um exemplo de como a cópia se dissemina: ela própria recebeu uma oferta de um site.

Na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) a recomendação é para os professores acessarem periodicamente sites para identificar plágios. No ano passado, um aluno de Jornalismo foi flagrado e recebeu zero. Há alunos que recorrem ao serviço pago oferecido por sites como o www.trabalhosprontos.com.br, direcionado a universitários e com promessa de exclusividade.

O lema do Trevo Quatro Folhas é sigilo na confecção de teses, dissertações e monografias. - Recebi um e-mail oferecendo o serviço sem nunca ter consultado a página. Não tenho interesse - reclama Bolívar Torres, 20 anos, aluno do 5º semestre de Jornalismo na Pontifícia Universidade Católica (PUCRS). Os sites não se constrangem em lucrar. Em www.minadeideias.com.br, um candidato a uma bolsa de estudo consegue em quatro dias um trabalho, em "embalagem discreta", desembolsando R$ 150. Se aderir ao plano de sócios, leva, por R$ 800, monografia, projeto de pesquisa, 20 trabalhos prontos, cinco trabalhos com temas personalizados, além de uma redução nos prazos.

- Se eu fizesse o trabalho, ficaria bem pior do que o pronto na Internet - tenta justificar uma estudante de 14 anos, matriculada na 8ª série. A indolência já colocou a garota numa situação embaraçosa. - Entreguei um trabalho sem tirar o rodapé onde aparecia o nome da página na Internet. Ganhei zero - lembra. * Colaboraram Fábio Schaffner e Marcos Giesteira

COLA VIRTUAL
Veja o que anunciam os sites que vêm sendo usados por alunos para cometer plágios:

Zé Moleza
"O Zé está dando a maior moleza! Você a um click da nota 10!"

Mundo Acadêmico
"Não somos digitadores! Somos desenvolvedores de trabalhos. O Mundo Acadêmico elabora trabalhos com qualidade exemplar, com um preço acessível, a maior qualidade, segurança e rapidez. O trabalho é desenvolvido exclusivamente para você."

Tarefa Escolar
"Somos uma equipe de professores formados e não de universitários ainda em formação. São trabalhos minuciosos e bem elaborados, o que garante sempre uma excelente nota."

School Suchs
"Click here and your homeworks worries will disappear." ("Clique aqui e suas preocupações com trabalhos de casa irão desaparecer.")

Mina de Idéias
"Se você está em uma situação de emergência, produzimos o seu trabalh em 24 horas. Monografias, projetos, trabalhos comuns, teses e dissertações: enfim, tudo o que você precisa para concluir os seus estudos sem dores de cabeça."

Trabalhos Prontos
"Se você chegou até aqui é porque realmente precisa de um auxílio rápido e seguro. Na Mepel Digitus você encontra a maneira mais rápida e segura para a elaboração de seu trabalho acadêmico."

O Portal dos Estudantes
"Os trabalhos estão divididos por matéria, e as mesmas estão em ordem alfabética. Ao clicar sobre uma delas, uma nova página abrirá com a lista
dos trabalhos disponíveis."

Leia mais:

Cola online e ética no conhecimento

Solução também está na web

Envolvidos estão longe de punição

Fonte: Zero Hora
  • Fonte:

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.