text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Professores graduados em sala de aula

      
Gente como Anette Maia (37 anos), que preferiu terminar os estudos na faculdade de Pedagogia antes de alfabetizar turmas de sete a dez anos. Para ela, esse deveria ser o caminho natural da formação. ''A escola é um espaço que centraliza alguns valores como universais, mas lida com tantas realidades diferentes, que deveria formar melhor o professor a fim de trabalhar com essa diversidade'', acredita O conselheiro da Câmara Básica de Educação Carlos Jamil Cury dá razão às palavras de Anette.

Segundo ele, a falta de capacitação dos professores de ensino fundamental é um dos responsáveis pela evasão escolar. ''O professor sem formação universitária não tem preparo para aliar ao ensino o tratamento psicopedagogo do aluno, importante para motivá-lo a continuar nos bancos escolares'', diz.

As aulas de pedagogia incentivaram Anette a trabalhar valores entre seus alunos, além do ensino curricular ''As crianças e suas diferenças são um desafio que me faz aprender algo novo a cada dia'', conta. Um dos objetivos do Ministério da Educação é dar melhor formação para os 2.341.951 docentes em sala de aula distribuídos nas cidades e no campo. ''? necessário o investimento na formação inicial e na informação continuada'', afirma a presidente do Inep e ministra interina do Ministério da Educação, Maria Helena Guimarães.

Além de melhorar a formação de professores, ela propôs a meta de ampliar o tempo de permanência do aluno na escola para, no mínimo, cinco horas. O Censo verificou que de 1996 a 2001, a média de tempo que um aluno passava na escola aumentou de três horas e meia para quatro horas e quinze minutos diários. ''O ideal seria mesmo um mínimo de cinco horas diárias na escola. Com tempo para lazer, esporte e para o aprendizado das disciplinas normais'', afirma Maria Helena. Formação De acordo com a Lei de Diretrizes e Bases LDB, aprovada em 1996, todos os professores de ensino fundamental devem ter licenciatura até janeiro de 2007.
Para tanto, o MEC criou o Programa de Formação de Professores em Exercício (Proformação).

Ele oferece um curso semi-presencial para docentes sem magistério que dão aulas nas quatro série iniciais e classes de alfabetização. Está disponível para professores da rede pública nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste do Brasil. No Distrito Federal não há nenhuma agência formadora, nome dado aos centros de ensino regionais do Proformação. ? que, segundo o MEC, quase não existem professores da rede pública do DF sem o curso normal.

O currículo da professora de ensino fundamental Ana Dalcin, 41 anos, é um exemplo de como os estudantes do DF têm situação privilegiada em relação aos demais estados brasileiros. Além de formação em pedagogia, ela tem pós-graduação em administração escolar. Mesmo assim, a professora conta que quando entrou em sala de aula sentiu a necessidade de ter mais conhecimentos.

E agora acha que os tem. ''Não pelo fato isolado de ter feito uma faculdade, mas também por causa das leituras e da possibilidade de troca de experiências que uma faculdade pode dar'', afirma. Para ela, não é a faculdade que forma o bom professor. ''Quem quer se esquivar do compromisso com o aluno faz isso com ou sem diploma'', diz Ana. Ela acredita que a qualidade do ensino depende do professor gostar do que faz. ''Até mesmo os programas de incentivo à formação do governo só funcionam assim'', opina. Agora, Ana pretende se especializar em Gestão Escolar. Mas não pensa em trocar a sala de aula por um emprego ligado a administração e à gestão. ''Eu gosto do contato com o aluno'', admite.

Educação no Brasil - Estamos Bem

* Dos 35.298.089 alunos matriculados no ensino fundamental, 78% têm entre 7 e 14 anos de idade. Isso indica que a maior parte dos estudantes cursam a série compatível com a idade. Em 1998, esse índice era de 76%

* De 1998 a 2001, o número de alunos especiais matriculados nas escolas regulares aumentou em 54%.
* No mesmo período, a porcentagem dos matriculados nas instituições que só atendem portadores de deficiência cresceu 17%. Essa diferença é o resultado do processo de ensino inclusivo

* Em quatro anos, a quantidade de turmas nas séries conclusivas da educação fundamental e do ensino médio cresceu em 29 mil.

* Ao mesmo tempo, houve uma queda de 22 mil turmas da 1ªsérie do ensino fundamental

Estamos Mal

* No ensino médio, 54% dos estudantes matriculados têm mais de 17 anos.

* A porcentagem elevada é um reflexo dos estudantes que estavam fora da escola ou completaram o nível fundamental acima da faixa etária adequada

* Existem 9.412.918 jovens e adultos entre 15 e 29 anos que estão matriculados em escolas de ensino fundamental e dividem espaço com crianças que estão no fluxo normal. O número de estabelecimentos de educação - 30.544 - de jovens e adultos no Brasil é pequeno para atender esse contingente de alunos atrasados. Cada escola teria de abrigar cerca de 260 mil alunos

* Dos alunos matriculados no ensino médio, 612.093 foram reprovados em 2000. Entre os estudantes das séries fundamentais, o número de repetência chegou a 3.824.495

Fonte: Correio Braziliense
  • Fonte:

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.