text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

O bom negócio por trás do ensino

      
A proliferação das instituições de ensino superior é um fenômeno nacional. No Rio Grande do Norte não é diferente. Em todo o Estado, já são sete instituições particulares, voltadas para a formação de profissionais de nível superior, na disputa pela preferência - e pelo bolso - do consumidor. Como o número de vagas oferecidas pelas universidades públicas não atende à demanda de candidatos, as instituições privadas tornaram-se um grande atrativo para quem quer (e pode pagar) um diploma universitário.

''Nos últimos quatro anos, o Ministério da Educação credenciou cerca de 4 mil cursos de nível superior, estimulando a criação de novas faculdades'', revela o chanceler da Universidade Potiguar (UnP), Paulo Vasconcelos de Paula. Para Daladier Pessoa, diretor da Farn (Faculdade Natalense para o Desenvolvimento do Rio Grande do Norte), o crescimento das instituições privadas, decorre do aumento da demanda de alunos oriundos do ensino médio, aliado a falta de expansão das universidades públicas.

''Hoje a procura pelo ensino superior é muito grande, o que força um aumento no número de vagas'', defende. Segundo dados do último Censo Escolar realizado pelo IBGE, as universidades e faculdades potiguares já formaram 26.114 estudantes em nível de graduação e mais 3.571 concluíram cursos de mestrado ou doutorado. A estimativa é de que mais 10 mil novos profissionais sejam formados até o final de 2004. Atualmente, cerca de 15 mil estudantes estão matriculados nos cursos de graduação das instituições privadas. As mensalidades cobradas variam entre R$ 250,00 e R$ 1058,00. Os cursos mais caros são os da área de Saúde, como Odontologia (R$ 1058,00) e Fonoaudiologia (R$ 777,00).

Já os cursos da área Humanística, especialmente as licenciaturas, são os mais baratos. A mensalidade de Padagogia, por exemplo, não ultrapassa os R$ 350,00.

Concorrência

Dentre os cursos mais concorridos, o de Direito é o mais requisitado pelos candidatos. As mensalidades oscilam entre R$ 418,00 (na Farn) e R$ 565,00 (na UnP). Entretanto, é o curso de Administração, o que possui maior oferta de vagas. Somente em Natal, são oferecidos mais de 10 cursos nesta área, cujas mensalidades variam de R$ 300,00 a R$ 434,00. Em menos de um ano, duas novas faculdades se instalaram em Natal. A Faculdade de Ciências Empresariais e Costeiros de Natal (Facen) e a Faculdade Câmara Cascudo, iniciaram seus processos seletivos, com mensalidades que não ultrapassam os R$ 300,00. Juntas, essas instituições estão oferecendo 900 novas vagas até o fim do ano.

Crescimento

''O próprio mercado vai regular o crescimento desses cursos, levando em consideração a qualidade, o preço e a localidade dos estabelecimentos'', acredita o chanceler da UnP. Na opinião dele, alguns cursos já estão muito difundidos e correm o risco de não preencherem todas as vagas. A qualidade dos cursos oferecidos é outra preocupação. Dados do último Provão realizado pelo MEC, revelam que o desempenho dos alunos das instituições particulares está abaixo das médias atingidas pelas universidades públicas. Dentre os piores desempenhos, destacam-se os cursos de Engenharia Civil e Farmácia, da UnP, ambos com conceito E. ''Além do provão, O MEC avalia as universidades de três maneiras: através do projeto pedagógico, qualificação do corpo docente e infra-estrutura oferecida. Em todos os quesitos, fomos bem colocados'', argumenta Vasconcelos.

Fonte: Diario de Natal
  • Fonte:

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.