text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Ensino médio é o que mais cresce, mostra censo

      
Com 4,6% de crescimento no número de matrículas, o ensino médio foi o que mais recebeu novos alunos, este ano, segundo os dados preliminares do Censo Escolar 2002 divulgados ontem pelo Ministério da Educação. O recorde de matrículas ocorreu no Nordeste, com aumento de 12% no número de alunos. O censo também revelou um crescimento de 36% nas matrículas de alunos com deficiência visual, auditiva, mental e superdotados em turmas do ensino regular.

Em compensação, o aumento das matrículas foi de apenas 1% para o conjunto dos níves da educação básica (creche, pré-escola, classes de alfabetização, ensino fundamental, ensino médio, educação de jovens e adultos e educação especial) . No caso específico do ensino fundamental, houve redução de 0,2% nas matrículas. Permaneceu estável também o ingresso de jovens e adultos na educação básica, apesar da explosão de matrículas no Norte (13%) e no Nordeste (23%).

"As diferenças regionais estão diminuindo", afirmou o ministro da Educação, Paulo Renato Souza, para quem o Censo 2002 consolida as tendências de expansão da educação básica. "Os resultados são muito satisfatórios", avaliou, afirmando que a tendência é o País chegar a uma situação de equilíbrio em que o crescimento de matrículas no ensino fundamental seja proporcional à da taxa de natalidade. Ele observa que é natural que a cada ano menos crianças de 6 e 7 anos sejam matriculadas nas escolas, por causa da queda na taxa de natalidade.

No início do governo, a situação era inversa. Havia uma massa de crianças com idade para freqüentar o curso fundamental, mas fora da escola ou repetindo de ano, sem avançar. A distorção aos poucos foi corrigida, o que aumentou o fluxo de promoção dos alunos e levou à redução das matrículas de 1.ª a 4.ª série em 1,6%, em relação ao ano passado.

Na faixa de 5.ª a 8.ª, no entanto, continua havendo crescimento na maior parte do País. De 2001 para 2002, houve acréscimo de 1,6% no total de estudantes. Mas em São Paulo, onde a correção do fluxo foi mais acentuada, o fenômeno verificado de 1.ª a 4.ª série está se repetindo nos últimos quatro anos do ensino fundamental, com queda de 4% nas matrículas em 2002.

Além disso, tem melhorado o desempenho dos alunos. A distorção idade-série já caiu 40%, segundo Paulo Renato. O Ministério da Educação ainda não possui dados sobre repetência e evasão. Só divulgará em novembro com os dados definitivos do Censo 2002, mas a previsão do ministro é de manter a tendência de queda.

Dos alunos do ensino fundamental, mais da metade está matriculada em escolas municipais. De acordo com o censo, dos 35,3 milhões de alunos, 50,3% freqüentam colégios mantidos por prefeituras. Esse índice era de 33% em 1996. Os governos estaduais respondem por 41% dos estudantes de 1.ª a 8.ª série. No ensino médio, porém, 84% das matrículas foram feitas nas redes estaduais.

Professores - O censo revelou também uma redução no número de professores leigos e aumento de professores com nível superior.

Pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), daqui a cinco anos todos os professores deverão ter diploma de curso superior. "A meta é muita ambiciosa, mas é possível chegar lá", garantiu Paulo Renato.

Fonte: O Estado de S. Paulo


  • Fonte:

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.