text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Clientes aprovam serviço prestado

      
O empresário paulistano Francisco Horácio Fernandes não pensou duas vezes depois de se aposentar no início deste ano, aos 58 anos: comprou sítio em Itatiba (SP), com 96 hectares, onde quer plantar o suficiente para conseguir pagar as despesas do sítio. A experiência rural não é nova para o empresário. Já tive um sítio em S. José do Rio Preto, onde plantava milho e mandioca, mas era longe e eu precisava ficar perto da capital. Então comprei o sítio em Itatiba.

O sítio estava praticamente abandonado e Fernandes percebeu que precisava de ajuda especializada para reerguer o local. Já tinha ouvido falar de universidades que ofereciam consultoria agrícola. Aí procurei a Esalq. O resultado da consultoria, segundo ele, tem sido excelente. Os alunos são ótimos e atenciosos. Fizeram um projeto muito bom. Mapearam o local, fizeram análise do solo, da água, de clima e de mercado. O que eles cobram é muito pouco em vista do que fazem. O que plantar no sítio já foi definido pelo empresário com aval dos consultores: hortaliças, milho, mandioca, banana e figo-da-índia.

Outra sugestão dos alunos foi em relação a uma área de ribanceira, um dos problemas do terreno. Quero aproveitar totalmente o sítio. Para resolver a questão, a Esalq sugeriu uma criação de ovinos de corte, que não requer muito espaço e tem bom retorno. A idéia é começar com cem matrizes. Segundo a análise de mercado dos alunos da Esalq, o que for produzido no sítio do empresário deve ser vendido nos mercados e atacadistas da região. Outra alternativa é o Ceasa de Campinas, que fica a menos de 30 minutos do sítio.

Orientação - Em Paula Cândido, região de Lavras (MG), a Associação de Fruticultores do município também aprovou a consultoria da Terra Jr. Os 23 pequenos produtores, com média de 1,5 hectare, integrantes da associação estavam desistindo da goiabicultura. A produção vinha irregular porque éramos carentes de informação técnica, diz o presidente da associação, Geraldo Vitor Teixeira Filho. Não tínhamos condições financeiras de pagar uma consultoria normal. A empresa júnior foi a alternativa para ajudar o grupo se fortalecer, por um custo viável.

Os consultores da Terra Jr. deram orientações sobre o cultivo, o que melhorar o desempenho de todos. Os consultores buscaram informações precisas sobre a cultura de goiaba de mesa. Num primeiro momento, a consultoria uniu o grupo, criando um esquema para que todos os produtores da associação se engajassem num sistema de produção contínua. Assim, teremos volume de produção e constância na oferta, explica Filho. Antes da consultoria, apenas cinco ou seis produtores tinham constância na produção. Hoje, a expectativa do grupo é colher 500 toneladas da fruta no ano.

Fonte: O Estado de S.Paulo
  • Fonte:

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.