text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Nas universidades, duas visões da capital

      
As telas que fazem um tributo à imigrante oriental, que completa 90 anos, estão no Espaço de Artes da Universidade Cidade de São Paulo: valores da terra natal e brasileiros aparecem mesclados Elaine Marinho Um ato diferenciado, arraigado por traços incomuns e fundamentado pelos conceitos estéticos vivenciados no Japão e adaptados para no Brasil. Assim é a obra de uma das mais importantes pintoras do País, Tomie Ohtake. Para fazer um tributo à artista, que completa 90 anos, o Espaço de Artes Unicid, da Universidade Cidade de São Paulo, no Tatuapé, exibe a mostra A Arte Contemporânea Nipo-Brasileira - Gerações. Enquanto isso, a Universidade São Marcos inaugura o projeto Cultura Viva, com a exposição São Paulo - Zona Leste, do artista plástico Garibaldi, no Shopping Sílvio Romero.

? uma homenagem a uma artista única, que misturou valores da terra natal com os do Brasil. A obra de Tomie é ímpar e particularizada. ? um reconhecimento à contribuição da artista para a arte brasileira, comenta o curador da primeira mostra, João J. Spinelli. Para fazer o tributo, foram reunidos pela primeira vez artistas descendentes de japoneses de várias gerações.

São expoentes nipo-brasileiros que tem uma relação com o Brasil. Os valores da terra natal ainda estão arraigados com cada um. São pessoas,que, apesar da idade, entendem o que Tomie já passou ao longo de sua vida.

No centro cultural, podem ser vistas instalações, fotografias, pinturas, gravuras, esculturas
e vídeos que aliam, como a artista homenageada, a técnica, a sabedoria oriental e a tecnologia à arte contemporânea.

Tomie nasceu em 1913, em Kyoto. No Brasil, radicou- se em 1936. Sem abolir o passado nipônico, somou valores plásticos apreendidos e vivenciados aqui.

A exposição vai até 14 de novembro, tem coordenação de Márcia Molina Fonseca e curadoria adjunta de Elizabeth Leone.

Faz parte do projeto Arte na Universidade e conta com apoio institucional da Prefeitura de São Paulo e patrocínio da Universidade Cidade de São Paulo. Abre de segunda a sextafeira, das 10 às 21 horas, e sábados, das 10 às 14 horas. A entrada é franca.

Já com a proposta de difundir a cultura local, a Universidade São Marcos expõe até dia 15 o Cultura Viva, com São Paulo - Zona Leste, do artista plástico Garibaldi, que morou na Penha por mais de 38 anos. O projeto visa a resgatar as raízes de artistas da região e a mostra faz parte das comemorações dos 450 anos da cidade. A entrada é gratuita.

Resgate - Os quadros fazem um resgate de alguns bairros da zona leste, nas décadas de 70 e 80.
Naquela época esses lugares tinham características bucólicas, pareciam zonas rurais.
Os arranha céus ainda não faziam parte das paisagens. A mostra é uma espécie de memória, comenta
Garibaldi.

No local, o público vai poder ver quadros com pinturas em óleo sobre cartão e tela e xilogravuras. As imagens exibem Vila Rica, Vila Ré, Belenzinho e Vila Esperança. O artista retratou tudo que estava em sua volta. Os traços são bastantes expressivos. Já as cores não são fiéis, pois Garibaldi criava as tonalidades a partir do óleo, da tempera de ovo, do guache, da técnica mista e da xilogravura. A obra é simplificada, formando um conjunto, comenta o curador, Enock Sacramento.

Foram escolhidos para essa exposição cerca de 40 quadros, que estão nos corredores da universidade. As obras ocupam um andar inteiro. O destaque fica por conta da reverência à esquina da Rua Herval com a Saturnino de Brito, no Tatuapé. O artista retrata os arredores do Córrego Tatuapé, há quase três décadas. Hoje, no mesmo lugar, observase a Avenida Salim Fará Maluf.

A mostra ficará aberta para a visitação até o dia 15 de novembro, quando cederá espaço para obras de outros artistas da região. Abre terça, quarta e sexta-feira, das 12 às 18 horas; quinta-feira, das 12 às 22 horas; sábado e domingo, das 15 às 18 horas. ■ Universidade Cidade de São Paulo - Rua Cesário Galeno, 475, telefone 6190-1310. Universidade São Marcos - Shopping Sílvio Romero (Rua Coelho Lisboa, 334, telefones 6193-3131 e 6197-6847)

Fonte: O Estado de S.Paulo
  • Fonte:

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.