text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Alunos querem ver planilhas

      
Os estudantes das faculdades particulares já podem preparar os bolsos para o aumento das mensalidades a partir de janeiro. As maiores instituições de ensino superior do Distrito Federal já anunciaram seus reajustes, que variam entre 9% e 11%. A inflação prevista pelo mercado financeiro para 2003 é de 9,69%. Os reajustes já estão definidos no UniCEUB (11%), Católica (10,87%), ãUDF (9,89%) e Iesb (9%). Os recursos dos reajustes, segundo as faculdades, serão utilizados para comprar livros e equipar laboratórios.

O anúncio dos aumentos causou indignação nas representações estudantis que vêm realizando assembléias e manifestações nos últimos dias. O próximo passo será uma paralisação nacional das aulas no dia 13 (quinta-feira). Os alunos reivindicam ter acesso às planilhas de custos detalhadas de cada instituição para analisar quais são os aumentos devidos em cada caso. Com isso, resolveríamos o problema definitivamente para não ter que ficar fazendo campanhas todos os anos. Cerca de 30% das pessoas abandonam o curso ao longo do ano por causa da inadimplência, afirma o vice-presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), Leandro Cerqueira, responsável pela articulação no DF. As faculdades se recusam a tornar públicos esses dados.

O movimento ganhou a adesão até mesmo dos alunos de instituições que ainda não definiram o valor do reajuste, como na Euro-Americana. A faculdade promete apresentar o aumento no início de dezembro, o que preocupa os estudantes. Vão apresentar quando os alunos estiverem de férias, por isso já estamos nos articulando para começar a agir agora mesmo. afirma o presidente do Centro Acadêmico de Direito, Odilon Mariz de Lima. A UNE vem liderando manifestações dos alunos da UPIS e da UNIP, que também não informaram a taxa de aumento.

Esta semana o desligamento da rádio interna do Iesb causou indignação nos alunos. A diretoria mandou desligar o equipamento depois que representantes dos Centros Acadêmicos e Leandro Cerqueira, da UNE, anunciaram a paralisação nacional. Segundo a diretora-geral do Iesb, Eda Machado, a rádio foi desligada porque foi utilizada por alunos sem autorização de professores. A rádio é um laboratório do curso de comunicação. Você não pode permitir que entre uma pessoa e comece a dizer mentira sobre a sua instituição, afirma.

OS REAJUSTES
UniCEUB 11%
Iesb 9%
Católica 10,87%
ãUDF 9,89%
UPIS indefinido
UNIP indefinido
Euro Americana indefinido
Fonte: Instituições de ensino

Fonte: Correio Braziliense
  • Fonte:

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.