text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Troca-troca de letrinhas

      
A sigla MBA tem tanta força que já rendeu até filhotes nas instituições de ensino. São cursos que trazem siglas parecidas, mas não iguais. A diferença numa letrinha ou noutra, explicam coordenadores, é apenas uma questão de tentar mostrar que o curso tem um foco bastante específico. Mas, avisam, ele também dá a visão generalista para a formação do executivo, característica de um MBA.

O Instituto de Economia da UFRJ oferece, por exemplo, o MBE em Responsabilidade Social e Terceiro Setor. E o Núcleo de Computação Eletrônica (NCE) da UFRJ promove o APM - Programa de Gerência de projetos e o IS Expert - Programa de Sistema de Informação. Já o Ibmec Business School tem o chamado LL.M. Direito Empresarial - as iniciais vem da expressão latina legum magister. Todos MBAs.

Segundo Angélica Fonseca, gerente do NCE, a definição clássica de MBA é mais adequada a cursos que são ligados à área administrativa. Daí, ressalta ela, o A da sigla MBA.

- Quando aparece um MBI, é porque ele vai tratar da área de informação. Metade das aulas é direcionada à administração e a outra metade, à tecnologia.

A Coppe é uma das instituições que mais têm cursos que fogem do tradicional MBA. Tem, por exemplo, o MBE em Meio Ambiente, o MBP em Petróleo e Gás Natural, o MBQ em Gestão de Sistemas de Qualidade e o MTB em Transportes. Segundo o professor Marcos Cavalcanti, essas adaptações são uma resposta às necessidades do mercado:

- Fazer essa referência é uma tendência natural. (Fabiana Ribeiro)

Fonte: O Globo
  • Fonte:

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.