text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Universidade e responsabilidade social

      

Na tarde de segunda-feira, o ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Patrus Ananias, participou da mesa-redonda "Universidade e desenvolvimento social" durante o 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária, em Belo Horizonte. "A universidade deve construir novos paradigmas de conhecimento no campo das políticas públicas, para criar possibilidades de integrar o desenvolvimento econômico com o desenvolvimento social", afirmou. Para ele, o papel da universidade é produzir conhecimento e ampliar as suas fronteiras, levando-o e buscando-o no povo.

Ele defendeu ainda a integração das políticas públicas no país. De sua parte, Ananias afirmou que tem procurado integrar seu ministério aos outros.

Além do ministro, falaram a reitora da UFMG, Ana Lúcia de Almeida Gazzola, e o coordenador editorial no Brasil da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), Célio da Cunha.

O representante da Unesco, Célio da Cunha, em sua exposição, falou sobre as principais ações dessa agência internacional, ao longo da história, na busca do desenvolvimento social em todo o mundo. Citou, entre outras, a "Declaração Mundial de Educação para Todos", da Tailândia, a "Declaração de Salamanca", que abordou a questão dos excluídos, e a "Declaração de Hamburgo", que discutiu o analfabetismo no mundo.

Cunha abordou também outras questões, como a necessidade de se considerar a educação superior como um bem público, e da importância de seu papel na mudança da sociedade. "Nunca o destino da humanidade dependeu tanto da qualidade de seu ensino superior", disse.

Ao citar palavras do presidente Lula da Silva, convocando o país à luta contra a exclusão social, a reitora Ana Lúcia Gazzola argumentou que a universidade brasileira tem contribuído para isso. "Ao contrário do que muitos dizem, a universidade brasileira não é uma torre de marfim", afirmou. Segundo a reitora, o que falta é visibilidade aos inúmeros projetos de extensão que são realizados e que contribuem diretamente para a meta de inclusão social.

Debates

Pela manhã, no ciclo de debates "Metodologia participativa em extensão universitária", foi apresentado o livro "Pesquisa-Ação Integral e Sistêmica: Uma Antropopedagogia Renovada", de André Morin, professor da Universidade de Montreal - Canadá, com tradução de Michel Thiollent, da Universidade do Rio de Janeiro, ambos presentes no debate. Recém-lançado no Brasil, o livro é resultado de 30 anos de experiências educacionais no Canadá e em outros países, inclusive o Brasil, e expõe a teoria, as técnicas e os procedimentos utilizados em pesquisa-ação, numa perspectiva participativa e sistêmica.

Trata-se de conhecimento baseado nas práticas educacionais e sociais dos grupos envolvidos e que se revela de grande utilidade para desencadear mudanças ou melhorias de diversos tipos no mundo da educação. Participaram dos debates a professora Pierrette Cardinal, da Universidade de Montreal, e Targino Araújo Filho, pró-reitor de Extensão da Universidade Federal de São Carlos.

No outro debate da manhã, "Responsabilidade Social: Conceito e Contexto", Henriette Krutman, do Instituto de Pesquisas do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, disse que "é importante conceituar e contextualizar a responsabilidade social antes de praticá-la". Segundo a debatedora, a ação socialmente responsável está diretamente ligada à extensão universitária.

Henriette ressaltou ainda a importância das redes de mobilização, que são parcerias entre instituições dos diversos setores da sociedade para a prática da responsabilidade social. "As redes potencializam o trabalho, e a universidade é a produtora de conhecimentos nessa parceria."

Ricardo Young, presidente do Instituto Uni-Ethos, enfatizou o fato de que a globalização é um modelo de desenvolvimento econômico insustentável, que vem acelerando a destruição ambiental, a exclusão social e a concentração de renda, e que se não optarmos por outro modelo de desenvolvimento, com outras alternativas, vamos nos defrontar com a extinção do ser humano.

Ricardo Scarioli, presidente do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), fechou o debate afirmando que a empresa é a instituição que mais rapidamente capta as transformações da sociedade, e por isso tem uma responsabilidade, um papel de ator muito forte.

Fonte: UFMG

  • Fonte:

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.