text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Uma necessidade

      
A Comissão de Educação da Câmara está convocando todas as partes interessadas para discutir a necessidade de regulamentar o direito de greve nas universidades federais.

? uma idéia bem oportuna. Como mostrou levantamento do GLOBO, os professores deixaram de trabalhar 978 dias nos últimos 25 anos - o equivalente a mais de três anos letivos. Não é preciso lembrar que o maior prejudicado, nisso tudo, é o estudante. A paralisação de 2005 está completando hoje 85 dias.

A idéia da Comissão de Educação, na verdade, deveria aplicar-se a todo servidor público. A greve no serviço público, que entrou em cena com a Constituição de 1988, é diferente das demais - e por isso é que precisa ser regulamentada. Ao iniciá-la, o servidor sabe que não está correndo maiores riscos. No final da paralisação, é comum que se consiga o abono dos dias parados. Nesses casos, o término da greve é aleatório, e acaba acontecendo por uma espécie de cansaço geral.

Os professores argumentam que também é praxe, nesse caso, a reposição das aulas. Mas quem conhece um pouquinho do assunto sabe que o que se repõe, nesses casos, não compensa o prejuízo: o ritmo de ensino e aprendizado tem os seus tempos certos. E é muito comum que, nessas condições, o estudante acabe perdendo o ano.

Todos os cidadãos brasileiros têm, obviamente, o direito de discutir as suas condições de trabalho. Mas a verdade é que o direito de um termina quanto começa o do outro.

Do modo como estão as coisas, as práticas reivindicatórias tendem a prejudicar a seriedade da própria causa. Como disse o ex-ministro da Educação Cristovam Buarque, uma greve que ultrapassa cem dias mostra que a universidade não é mais necessária da forma como está estruturada. Imagine um banco parado por cem dias.

O que o ex-ministro está apontando é uma espécie de deslocamento da realidade, que acaba prejudicando a discussão sobre o ensino superior público no Brasil. A sucessão infindável de greves dá ao ensino público um aspecto de terreno inviável, de que procura fugir quem tem condições para isso. Assim se aborta uma discussão séria.

  • Fonte:

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.