text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Universidades

      
Os professores e servidores técnicos-administrativos da Universidade Federal do Pará (UFPA) e da Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA) e os servidores públicos federais da educação profissionalizante (Sinasefe) permanecem em greve. A principal exigência é o reajuste emergencial do salário-base em 18%. Ao todo, 42 universidades federais estão paralisadas.

Os grevistas estão indignados com a nova postura do Ministério da Educação (MEC), que após ter as propostas de negociação rejeitadas pelas categorias de trabalhadores, desistiu do diálogo e vai repetir as mesmas propostas em projeto de lei a ser enviado ao Congresso Nacional. Assim, as negociações serão transferidas aos deputados federais e senadores. Sindicalistas do Pará e de outros Estados estão saindo em caravana a Brasília, onde realizarão ato público contra essa atitude do governo federal, amanhã e quarta-feira, 23.

A secretária-geral da Associação dos Docentes da UFPA, Solange Calcagno, anuncia que amanhã terá assembléia de avaliação do movimento, no Auditório Setorial Básico, às 10 horas. E, logo mais às 17 horas, no mesmo local, ocorre a abertura dos Encontro dos Professores, com a presença do professor Chico de Oliveira, da Universidade de São Paulo (USP). O evento vai debater as organização sindical, greve, conjuntura política, reforma universitária, novo Estatuto da UFPA e a política do governo para as universidades federais. O encontro será aberto ao público e terá continuidade nas tardes de quarta e quinta-feiras, 23 e 24.

  • Fonte:

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.