text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Telefonia via internet exigirá formação especial

      
Elis Monteiro

Só do Skype - programa de telefonia via internet ou redes internas de empresas - já são mais de 170 mil downloads por dia e cerca de 70 milhões de usuários cadastrados. Se, por enquanto, esse movimento ainda é sentido mais fortemente lá fora, o impacto causado pela chegada da telefonia IP (a transmissão de voz através da internet ou intranets) começa a surtir efeito também aqui no Brasil.

Este ano, operadoras como Telefônica, Telemar e Brasil Telecom, entre outras, já anunciaram testes de Voip (programas de Voz sobre IP) e pensam em alternativas para sobreviver nesse novo mundo. Enquanto isso, surgem oportunidades para os profissionais que se anteciparem à adoção da tecnologia.

Voz sobre IP já faz parte dos cursos de Telecom Há algum tempo, a maior parte dos cursos de telecomunicações - graduação e MBAs- já oferece disciplinas que englobam o estudo da Voz sobre IP. Mas a primeira leva de profissionais técnicos para atuar no segmento deve ser treinada pelas operadoras de telefonia fixa e móvel e empresas do segmento de Tecnologia da Informação (TI).

De acordo com Luis Antônio Jóia, coordenador dos MBAs de tecnologia da Fundação Getúlio Vargas (FGV), os bons profissionais não serão pegos de surpresa com a mudança do mercado:

- A Voz sobre IP é uma tecnologia de ruptura. Ela vai romper com os modelos de negócios tradicionais. O mercado sofrerá uma paulada, mas espera-se que os profissionais da áreas tenham pensamento estratégico, que vai sendo desenvolvido durante anos.

Ainda segundo o coordenador da FGV, os MBAs não formarão os profissionais da área técnica, e sim os gestores de negócios na mudança de rumo do mercado:

- MBA é um curso de business , de gestão empresarial. Não se deve esperar que estes profissionais desçam aos detalhes de bits e bytes . O papel da tecnologia em qualquer MBA é o de um martelo: eu preciso dizer para o que o martelo serve para que você não leve uma martelada.

O MBA em telecomunicações da FGV inclui o estudo de Voip na disciplina tecnologias emergentes. Já no MBA da Universidade Federal Fluminense (UFF), há uma disciplina batizada de Redes Digitais/Telefonia IP.

Apesar de Voz sobre IP fazer parte da grade curricular há alguns anos, o mercado já se prepara para um déficit de profissionais especializados na tecnologia, principalmente na área técnica. Segundo Eduardo Prado, consultor de novos negócios e tecnologia, as universidades vão ter de se adaptar rapidamente porque as operadoras vão precisar de profissionais de integração de sistemas e de negócios:

- O desespero das operadoras vai provocar uma demanda nas universidades. Mas a primeira demanda por profissionais será suprida pelas próprias operadoras e pelas empresas de infra-estrutura de redes, como a Cisco, que terá que treinar pessoal especializado em Voip.

Dois ou três anos, estima o consultor, é o prazo que as universidades vão precisar para incluir a disciplina de Voz sobre IP oficialmente na grade curricular - não apenas como extensão da disciplina de novas tecnologias.

Mundo corporativo abraçará a Voip mais rapidamente - E não é só de profissionais que dêem conta do mundo Voz sobre IP que o mercado necessitará daqui para a frente. Outras três áreas que precisarão muito de especialistas serão a de convergência fixo-móvel, mobilidade e Wi-Max - complementa Prado.

De acordo com uma pesquisa realizada pela empresa de consultoria IDC, o segmento corporativo já é responsável, atualmente, por cerca de 25% das receitas de voz das operadoras de telefonia fixa e será, espera-se, o que vai abraçar mais rapidamente o novo mundo da telefonia IP.

- Vai existir a necessidade de profissionais mais tecnicistas, mas principalmente de profissionais que consigam ligar a área técnica aos processos de negócios - completa Jóia, da FGV.

  • Fonte:

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.