text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Incentivo aos atletas

      
Eneila Reis

A Faculdade Upis está abrindo 100 novas bolsas-estudos para atletas. Os valores financiados podem variar de 30% a 100% do total, dependendo do rendimento obtido pelo aluno. Para concorrer ao benefício, é preciso passar primeiro no vestibular em um dos 15 cursos oferecidos, previsto para janeiro. Já participam do programa aproximadamente 120 estudantes. A Upis treina atletas no vôlei, natação, futebol, futsal, atletismo, karatê, tãkwondo, tênis de mesa, tênis, Kung-fu, hipismo rural, hipismo e handebol.

De acordo com Flávio Thiessen, coordenador de esportes da faculdade e técnico do time de vôlei masculino, os alunos têm um rendimento bastante satisfatório como atleta e um bom desempenho acadêmico. Temos alunos que já se formaram na graduação e agora estão na pós-graduação. As novas vagas vão garantir a renovação. O intuito do projeto, em primeiro lugar, é o lado social. Depois, vem o marketing esportivo. O esporte é um divulgador da faculdade, de uma imagem vitoriosa, afirma Thiessen.

Na opinião de ângela Lavalle, 24 anos, atleta do vôlei de praia e estudante do 8º semestre de administração, o apoio da Upis foi essencial. No esporte que pratico, não tenho salário e a bolsa da faculdade foi um grande incentivo. Outro detalhe importante de ter um curso superior é que, no vôlei de praia, o atleta joga normalmente só até uns 40 anos. E eu já tenho um filho para criar, o Anthony, de 5 anos, diz.

Estudos Lucélia Peres, 24 anos, aluna do 6º semestre de Administração, mostra que é possível conciliar a atividade física com o estudo. Vice-campeã da última São Silvestre, uma das mais tradicionais provas de rua do país, ela gostaria que outras faculdades seguissem o mesmo caminho. Tenho boas notas. Treino o dia todo e de noite estudo. Quando viajo para alguma prova, encho a mala de livros. Ainda bem que existem professores compreensíveis e colegas que me ajudam, explica.

Na avaliação do jogador de vôlei Marcus Vinícius, 26 anos, do sexto semestre de direito, todos os países que despontam no esporte só o fazem porque investem nos atletas desde a faculdade. ? importante o Brasil se desenvolver nesta área. ? possível formar bons profissionais e atletas ao mesmo tempo, conta.

Para o nadador Fabrício Villar, 22 anos, no 7º semestre do Comércio Exterior, a chance de aliar o esporte com os estudos fez com que ele não abandonasse a natação. Houve um período que parei só para estudar, mas surgiu a oportunidade na Upis de fazer as duas coisas, conta o recordista nos 100m nado costas no Centro-Oeste.

Alexandre Sampaio, o Foguinho, 28 anos, um dos precursores no projeto da Upis como jogador de futsal, se formou em administração e hoje faz pós-graduação, em gestão de pessoas. Fiz o que gosto, ou seja, jogar bola. Em contrapartida, só melhorei meu currículo, acredita.

  • Fonte:

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.