text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Aos novatos, com carinho

      
Leonardo Maia

A troca é das boas. No lugar dos trotes - alguns deles com conseqüências desastrosas -, mais de oito horas de ótima programação musical, que deve agradar a públicos distintos. Com portões abertos desde 13h e shows marcados para as 16h30, a Recepção Calourosa da Universidade Federal da Bahia (Ufba) deve ir madrugada adentro. No cast do evento, que acontece no Campus de Ondina, atrações como Gilberto Gil, Nação Zumbi, Gerônimo e Zéu Britto. Abrindo, a banda campeã e as duas vice-colocadas do II Unifest, Festival Universitário de Música da Bahia. A entrada, extensiva a pessoas que não estudam ou trabalham na Ufba, é trocada por dois quilos de alimentos não-perecíveis, a serem doados para o Programa Fome Zero, do governo federal.

Com expectativa de reunir 15 mil pessoas, a Recepção Calourosa marca também os 60 anos da maior universidade da Bahia. Por esse motivo, a escalação de grupos musicais é a mais ambiciosa da história do projeto, que já está na quarta edição. Nos outros três anos, participaram artistas como Tom Zé, Margareth Menezes, Armandinho, Lazzo e Ilê Aiyê. Na escolha do line-up, a idéia é priorizar artistas que se preocupam com a educação universitária e prezam pela qualidade musical, como atesta o organizador do evento, Paulo Dourado: Sempre buscamos gente inquieta, que encarne o espírito universitário. Artistas com algum tipo de pesquisa musical elaborada, que promova um diálogo com as raízes populares, mas com uma cara contemporânea.

Todos os artistas que participarão da Recepção Calourosa, realizada com recursos da Petrobras e do Banco do Brasil, vão receber apenas um cachê simbólico, entrando no espírito filantrópico da iniciativa. As atrações se mostraram simpáticas à causa. Esse é um momento de crise do ensino público, é preciso resgatar não só a cultura da universidade, mas também a própria universidade, explica Paulo Dourado, que é coordenador de Arte e Cultura da Ufba.

Este ano, pela primeira vez, um grupo de fora da Bahia foi convidado a participar do evento: Nação Zumbi. Dourado enfatiza que optou por uma banda nordestina, mais precisamente pernambucana, na intenção de valorizar a cultura da região. Com um público cativo entre os universitários, o grupo liderado pelo vocalista Jorge Du Peixe e pelo guitarrista Lúcio Maia vem apresentar pela segunda vez o show do mais recente disco, Futura. Com sonoridade mais mellow, investindo em timbres eletrônicos e sofisticando ainda mais a pegada percussiva, o grupo liderou o movimento do mangue beat, quando ainda era encabeçado por Chico Science. Hoje, consolidou-se como uma das melhores bandas do Brasil, com um trabalho que costuma atingir o gosto da crítica e do público. No repertório, não devem faltar clássicos como Da lama ao caos, Maracatu atômico e Manguetown e músicas mais recentes como Blunt of Judah, Meu maracatu pesa uma tonelada e Hoje, amanhã e depois.

Mas bem antes da Nação Zumbi invadir o palco, são os grupos A Terceira Ordem, A Dor e o Mar e Kamikase que fazem soar os primeiros acordes. Eles dividiram os louros do Unifest e vão ter a oportunidade de mostrar o que sabem para um público maior. Logo depois, o cantor Zéu Britto, acompanhado da banda Ceguêra de Nó, promete um show com performance teatral, letras irreverentes e muita criatividade. Formado em teatro pela própria Ufba, Zéu atuou em especiais como Sexo frágil, da Rede Globo. Pérolas como A dama de ouro (do filme Lisbela e o prisioneiro) e Soraya queimada (de Meu tio matou um cara) devem figurar no show.

Aulas - Um dos momentos mais interessantes da noite está programado para 19h30. A aula-show do ministro da Cultura, Gilberto Gil, que é formado em administração pela Ufba e recebeu no ano passado o título de doutor honoris causa pela instituição, deve mesclar discursos e sucessos do artista, no formato voz e violão. Muito não se sabe, porém, sobre a participação de Gil. Ele não mandou um roteiro da apresentação, pois estava em missão diplomática em Londres. Mas participará do evento mais como artista do que como ministro, esclarece Dourado.

Logo antes de Nação Zumbi, quem assume o palco é um antigo aluno da Escola de Música da Ufba, o cantor Gerônimo. O artista vem reunindo um público fiel nas apresentações que realiza às terças, nas escadarias da Igreja do Passo. Com mais de cem músicas ensaiadas com sua banda, Gerônimo deve tocar canções próprias e versões de artistas do quilate de Dorival Caymmi. Pretendo colaborar para o amadurecimento da cabeça dos estudantes, além de aproveitar a oportunidade de mostrar meu trabalho musical para pessoas que muitas vezes não conseguem ver. Sinto que vai ser uma grande aula de música, anima-se Gerônimo, que afirmou ainda que gostaria de voltar à Ufba para concluir o curso.

Antes e durante os shows, o público poderá circular pelos estandes da Feira de Co-nhecimento. Nos intervalos estão programados também pronunciamentos do DCE, Assufba e Apub, além de discursos do reitor Naomar de Almeida Filho e do ministro da Educação, Fernando Haddad. *** 13h - Recepção dos Calouros 16h30 - Bandas vencedoras do Unifest 17h45 - Zéu Britto e Ceguêra de Nó 19h30 - Aula-show de Gilberto Gil 21h - Gerônimo e banda 22h30 - Nação Zumbi

  • Fonte:

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.