text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Chance de aprender e trabalhar

      
Conciliar uma rotina de trabalho e estudos não é tarefa fácil para os universitários. Mas a oportunidade de aprender, ganhar experiência e ainda receber uma bolsa-auxílio para cobrir as despesas da faculdade faz com que muitos encarem o desafio. O que pode passar despercebido, no entanto, é que para estagiar nem sempre é preciso ir longe. As instituições oferecem oportunidades de estágios, monitorias e projetos de extensão no próprio campus.

"Alunos que escolhem a própria instituição como local de trabalho têm a vantagem de receber a orientação de professores conhecidos e de já estarem ambientados", destaca Célia Bittencourt, assessora de Ensino de Graduação do Centro Universitário de Brasília (UniCeub).

A instituição oferece 133 vagas para monitores bolsistas todo semestre. Cada monitor trabalha 20 horas por semana e, em vez de remuneração, recebe desconto de 40% na mensalidade. O projeto de extensão "Erradicação do Analfabetismo" tem a participação de alunos da graduação a partir do quarto semestre e o desconto é de 25% na mensalidade. Entre os estágios internos, o recrutamento fica a cargo de cada faculdade. O padrão de remuneração é de R$ 300 para 20 horas semanais.

Na Universidade de Brasília (UnB), o foco é atender alunos carentes e também oferecer qualificação profissional. O Programa de Estágio (Proest) tem 600 alunos, 209 deles estudantes de graduação da UnB. O restante é formado por estagiários técnicos, alunos do Ensino Médio e de outras universidades.

"Queremos trazer o aluno para a universidade e, por isso, investimos em um sistema de estágio de alta-rotatividade", ressalta Suzana Xavier, coordenadora do Proest. Como pré-condição para estagiar na UnB, o aluno não pode reprovar disciplinas. A remuneração é entre R$ 300 e R$ 600 para 20 a 40 horas de trabalho.

Vantagens

Para estagiar na Universidade Católica de Brasília (UCB), o que conta é o engajamento do aluno. "Valorizamos quem já foi voluntário, participou de pesquisas, é participativo e trabalha em grupo", argumenta Rodrigo Rodrigues de Souza, coordenador da área de estágios.

Para ele, os 120 alunos que estagiam na instituição têm a vantagem de já conhecerem os profissionais e podem, assim, fazer contatos. "O estágio é a porta de entrada para o mercado de trabalho e procuramos contribuir para o desenvolvimento do aluno nesse âmbito", acrescenta Rodrigo. Os estagiários recebem R$ 300 (mais vale transporte) e trabalham quatro horas por dia.

Currículo

"Ao buscar estágio na própria universidade, os alunos podem vivenciar o mercado de trabalho, validar conhecimento e ter a orientação da instituição", defende Rose Vargas, psicóloga e consultora sênior da Catho Brasília, empresa de recursos humanos. A consultora ressalta que, apesar da responsabilidade profissional dos estagiários, é um emprego em que eles têm a chance de errar - o que nem sempre ocorre no mercado de trabalho.

Para Jorge Pinho, professor de Estratégia Empresarial no departamento de Administração da UnB, faltam projetos de emprego com aplicação prática. "Na UnB, ainda nos deparamos com entraves burocráticas nesse âmbito", defende. Para o professor, o maior benefício de trabalhar na instituição de ensino é não ter que se desligar do ambiente acadêmico. "Como a universidade é bem vista na sociedade, o estágio fica bem no currículo".

Estudo e mudança de rotina

Camilla Nóbrega, aluna do 8º semestre de Propaganda e Marketing no UniCeub, faz estágio na agência de comunicação da universidade. Para ela, a vantagem é trabalhar em contato com os professores e ter um auxílio financeiro imprescindível. "Precisava do dinheiro para pagar as apostilas, os livros e ajudar em casa. Além disso, queria uma experiência prática na minha área". Para driblar a falta de tempo livre, Camilla investe na concentração. "Presto muita atenção nas aulas para não precisar estudar tanto à noite e nos fins de semana", afirma.

Aluna do 6º semestre de Pedagogia da UnB, Lucicléia Mendes também desenvolve atividade remunerada na própria instituição. "Se não fosse a bolsa de estágio, não teria condições financeiras para fazer faculdade". Lucicléia é estagiária da Diretoria de Acompanhamento e Integração Acadêmica e recebe R$ 300 para cumprir 20 horas semanais. Com o dinheiro, a estudante compra material didático e tira fotocópias. Para a estudante, o desafio de ser um trabalhador universitário é saber estabelecer prioridade e não deixar os estudos de lado.

  • Fonte:

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.